terça-feira, 29 de junho de 2010

Onde Estiver o Cadáver se Ajuntarão as Águias

 “Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. Eis que eu vo-lo tenho predito. Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto, não saiais. Eis que ele está no interior da casa; não acrediteis. Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem. Pois onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão as águias.” (Mateus 24:24-28)
Águia (αετός [grego], נשר [hebraico]) é o nome comum dado a algumas aves de rapina da família Accipitridae, geralmente de grande porte, carnívoras, de grande acuidade visual. Por vezes, dentro de um mesmo gênero ocorrem espécies conhecidas popularmente por gavião ou búteo.

As aves de rapina - ou rapinantes - são aves carnívoras que compartilham características semelhantes:
bicos recurvados e pontiagudos, garras fortes e visão de longo alcance. Assim as rapinantes são aves ágeis na captura de seus alimentos: grandes artrópodes, peixes, anfíbios, pequenos mamíferos e pequenas aves. Mas cada rapinante está adaptada para caçar um tipo de animal, ou certo grupo deles. Por exemplo: Abutres, urubus e corvos são aves necrófagas (não caçam, mas alimentam-se de carcaças de animais já mortos), enquanto as águias são aves raptoras, ou seja, capturam suas presas e as levam ainda vivas para o ninho, onde são finalmente devoradas.

Por essa mesma razão, esse trecho do Evangelho segundo Mateus me causa forte impressão, especialmente a parte que relaciona águias a um cadáver. Em condições normais, nunca veríamos águias em torno de um cadáver. Essa é uma atitude típica de aves necrófagas, como o próprio nome diz, comedoras de cadáveres (do grego νεκρός, nekrós = “cadáver”; τρώγων trógon = “devorador de”) como os corvos (no grego κοράκι, koráki), urubus e abutres (do grego όρνιο, órvio).

Duas características das águias tornam essa situação ainda mais estranha: a primeira é que águias (αετός) são seres solitários, não caçam em grupo; a segunda é que águias caçam animais vivos, a ponto de ser grande a probabilidade de sua caça chegar ainda viva ao seu ninho, onde então é devorada pela águia adulta e seus filhotes. Ou seja: enquanto corvos e abutres são responsáveis por limpar a natureza das carcaças de animais mortos, livrando o meio ambiente da conseqüente contaminação, as águias capturam animais vivos para sua alimentação. Portanto, a visão de águias se reunindo em torno de um cadáver é algo terrível, porque é prenúncio de situações terríveis.

A primeira situação terrível é ausência absoluta de alimento vivo – peixes, roedores e aves - uma águia se sujeitaria a disputar pedaços de um cadáver. Transferindo esta visão ao aspecto simbólico espiritual da águia - a alma humana – seria algo terrível como a alma humana mergulhada em trevas, sem acesso ao alimento vivo da Palavra de DEUS e se alimentando de doutrinas mortas, contaminadas, em decomposição, ídolos inócuos e rituais fantasiosos.


A segunda situação terrível é a carência generalizada de alimento saudável. A imagem de várias águias disputando um cadáver retrata uma situação de carência total de alimento saudável, a ponto das águias se reunirem em torno de um cadáver. Não se trata de uma situação individual. Não se trata de apenas uma águia sem caça no seu território, mas de várias águias que não dispõem do alimento que a Natureza normalmente lhe fornece. Águias são predadores que enxergam muito longe e na situação retratada em Mateus, a visão das águias não encontra seu alimento mesmo ao longe. Outro importante aspecto é que as águias tem seu território bem definido. Não é comum uma águia invadir o território de outra águia, a menos que haja carência de caça no seu próprio território. Transpondo esta visão para o âmbito espiritual, onde a águia representa a alma humana, podemos imaginar uma multidão de almas famintas da Palavra de DEUS, sem no entanto ter acesso a ela. Essas almas se agrupam em torno dos falsos ensinos e se contaminam com eles, servindo a falsos deuses, falsos profetas e falsos messias, mergulhadas nas trevas da ignorância e da apostasia. Essas almas adoecem com a continuidade desse espetáculo tenebroso e a conseqüência é a morte.

A terceira situação terrível é a mudança no comportamento natural. Mateus descreve águias, no plural. São várias águias em torno de um único cadáver, disputando seus restos, como se fossem abutres. Este é o comportamento extremo oposto ao natural das águias, caçadoras solitárias, de vida reservada, seletivas quanto ao alimento que capturam vivo, para si e sua prole. A situação descrita por Mateus aborda a total inversão desse comportamento, com a adoção de atitudes típicas de animais que são comumente associados às abominações e à repugnância – abutres e corvos. As almas humanas, espiritualmente representadas por essas águias, comportam-se de maneira totalmente inversa ao que seria o seu projeto original, tornam-se abominações espirituais, afastadas da vontade de DEUS, caminhando com suas próprias asas para a sua extinção.

Mateus descreve um tempo próximo à segunda e definitiva vinda do Filho de DEUS. Um tempo em que falsos profetas e falsos messias arrastarão multidões para seus falsos ensinos e falsas doutrinas por meio de feitos maravilhosos e enganosos. É o próprio Jesus Cristo quem descreve esta situação drástica e abominável, onde águias – almas humanas - abandonam seu comportamento natural e se atiram à promiscuidade e contaminação devido à ação desses falsos profetas e falsos messias.

Havemos de cuidar da doutrina que abraçamos para a nossa salvação.Do alimento espiritual que ingerimos, a fim de não nos contaminarmos. Do alimento espiritual que ministramos aos nossos filhos naturais e espirituais, a fim de que não se maravilhem com os feitos extraordinários dos falsos profetas e falsos messias e com isso se desviem. Havemos de cuidar que não sejamos desviados nesses últimos dias. Assim seja, em nome de Jesus.


Robson Lelles

Imagem: Filme A Onda

6 comentários:

wanda disse...

olá Wilma,

Que bom conhecer o seu blog!percebo que você é uma intelectual
estudiosa da Bíblia.Gosto de refletir sobre Religião vislumbrando o contexto histórico em que esses textos bíblicos foram escritos, e é sobre isso que eu gostaria de conversar com você.
Gostaria de ter lido a Bíblia, pois com certeza é um grande Livro.
Mas,penso também que, como este conjunto de escritos foram elaborados pelos homens,numa determinada época,necessidades humanas teriam motivado a valorização dessas idéias? Você percebe alguma contradição ou alguma falha no que se relaciona às reflexões que a Bíblia apresenta quanto se trata do comportamento humano?

Tudo de bom!bj.

Wilma Rejane disse...

Oi Wanda!

Não sei o "intelectual" é por esse texto, ou pelo blog. Porque esse texto não é de minha autoria é do Robson Lelles, ele é intelectual, mas eu não. Sou apenas uma professora de jovens e crianças, que pela graça de Deus escreve textos muito mais com o coração do que com a mente.

Sabe Wanda, a Bíblia não só é um grande livro, ela é O Livro da Vida. Nela encontramos respostas para todos os anseios humanos. Vivemos hoje um outro contexto histórico, porém, enfrentamos os mesmos conflitos desde a criação.

Jesus disse: "Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão" Mt 13:31. Significa que as gerações e a história evoluem, mas a Palavra de Deus, nunca jamais mudará.

Não há contradição na Bíblia. Os homens que a escreveram eram falhos, mas o Espírito de Deus que os inspirou é Perfeito, Santo.

Erros de interpretação da Bíblia, dão origem a contradições, mas nela não existe falhas. Há um Salmo que diz: " O caminho de Deus é perfeito; a palavra do Senhor é provada ; é um escudo para todos os que nEle confiam" Sl 18:30.

Querida Wanda, a Palavra de Deus me transformou me deu nova vida, sou testemunha viva do poder desse livro. Eu e milhões de discipulos em todo o mundo.

Deixo-lhe um convite precioso: Experimente conhecer esse livro, orando a Deus para lhe revelar Seus segredos.

Grande abraço, com amor e em Cristo.

Robson Lelles disse...

Gostei da ilustração ("A Onda")que você escolheu para o texto, irmã Wilma. Tudo a ver.

Quanto ao "intelectual", apenas escrevo aquilo que me transborda o coração. Tenho presenciado, estupefato, águias se reunindo em torno de cadáveres, que lhes são oferecidos como se fossem alimento vivo pelos "apústulas" e "putriarcas", que tem se multiplicado nesses dias. Mas até mesmo a presença deles já havia sido prevista por Jesus, conforme Mt 24.28 demonstra.

Que saibamos nos abster desse banquete abjeto, que tem arrastado multidões.

Wilma Rejane disse...

Robson Lelles! Que satisfação tê-lo por aqui!

Irmão Lelles, por favor, não entenda o "intelectual" como um insulto, mas é que a forma como escreve é bem mais requintada que a minha. Sabe, vou correndo para o dicionário ver o que significa: "apústulas" e "putriarcas" (risos), eu não sei!

Sei que também escreve com o coração, aliás este é o motivo pelo qual republico seus textos e acompanho seus artigos no elnet.

Muito obrigada pelo carinho da visita! Deus o abençoe. Volte sempre, tá?

Em Cristo.

Anônimo disse...

o texto aponta para uma situação profética dos dias atuais,que fala da falência religiosa,porque não dizer desse cristianismo corrompido,"que tem nome de que vive,mas está morto". que fala de jesus,mas não tem a sua vida.esse "corpo" não é o corpo de cristo;pois ele não é o cabeça. é corpo morto, que fede nas suas reuiões,nos pulpitos,nas lideranças;e que" amontoam para sí doutores segundo as suas concupiscências" em busca da carniça.a esse corpo morto se ajunta todos os seus devoradores sem serem pertubados.não falo da igreja imaculada e noiva do cordeiro,porque maldizer a grande noiva é desprezar o seu cabeça.um corpo morto não tem vontade prória está jogado a sua prória sorte,que é apodreçer,a esse defunto se junta todos aqueles que não tem compromisso com o cabeça que é cristo,por isso, que o cadaver é um só,enquanto que as "aguias" são muitas. a igreja de cristo não é um corpo morto,mas tem a vida do alto, o selo do Espirito.a esse corpo vivo que exala o bom perfume do noivo,se ajunta a ele todos aqueles que verdadeiramente nasçeram de novo,esses podem dizer;"não mais vivo eu,mas cristo vive em mim".afinal uma igeja que jesus não é o cabeça,seu ajuntamento fede,é culto centrado no homem, é corpo morto que se ajunta a ele toda a sorte de intenções terrena em detrimento da vontade eterna do noivo;o esperado da igreja fiel.

marcos mello disse...

Qual é a causa dessa ampla escuridão espiritual? Ironicamente, é a própria religião, em especial as organizações e os líderes religiosos que promovem idéias contrárias aos pensamentos de Deus. (Marcos 7:7, 8) Em resultado disso, muitas pessoas são enganadas e levadas a crer que adoram o Deus verdadeiro, quando na realidade o estão ofendendo. A religião falsa é diretamente responsável por essa situação lamentável.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...