No dia da angústia

"Se te mostrares frouxo no dia da angústia,
a tua força será pequena". Provérbios 24:10



João Cruzué


Existem dois tipos de angústias: uma é resultado de nosso egoísmo e a outra é permissão de Deus para o crescimento espiritual e testemunho de fé. Aprendi, por experiência própria, que há pessoas que conseguem esconder seus problemas, suas angústias. Elas conversam, sorriem, cuidam de suas vidas de uma maneira aparentemente tão normal, que é preciso muita perspicácia para ver que há grandes problemas acontecendo com elas. O que fazer no dia da angústia? Depende. Há três alternativas: uma leva direto ao pior, enquanto as outras duas resolvem o problema. Vamos então analisar três exemplos acontecidos com personagens bíblicos

O primeiro caso mostra o egoísmo de Ló e suas conseqüências. Ló era sobrinho de Abraão. Os dois ficaram ricos peregrinando pela Palestina e Egito, mas em dado momento os pastos não comportavam mais tanto gado e houve discussão entre os pastores de ambos. O Tio propôs a separação e ofereceu ao sobrinho a oportunidade de escolher primeiro. Pensando apenas em si, escolheu a campina do Jordão - onde estavam as melhores pastagens. O tio que ficasse com o resto. O tipo da escolha egoísta, que escolhe-se primeiro para orar depois, já diante da adversidade.


O Tio Abraão ficou com os pastos dos morros. Aparentemente ruins. Poderia ter exercido o direito de escolher primeiro, mas já naquele momento da vida, costumava orar antes das decisões. E o mal não tardou em bater à porta do sobrinho. foi próprio Deus que disse: " Ocultarei a Abraão o que vou fazer?" Em consequência do aviso divino, Abraão foi orar e suplicar ao Todo Poderoso pela família do sobrinho.

Orou e intercedeu por seis vezes. Mas não resolveu inteiramente o problema do sobrinho. Ló perdeu a campina do Jordão, perdeu gado, a casa e a esposa. Por fim levou as filhas a perder o conceito de família morando dentro de uma caverna. Salvou-se da destruição pelas orações do tio. Poderia ter sido diferente se tivesse orado para fazer a escolha certa em lugar de ter passado a perna no tio. Agiu por egoísmo e no dia da angústia sofreu as conseqüencias.

O filho pródigo era outro egoísta. O pai nem ainda tinha morrido quando ele cobrou sua parte na herança. Seu egoísmo cresceu alimentado pela insatisfação. Devia ser um tipo mal-humorado, crítico de tudo e de todos. Queria uma liberdade que não teria em casa. Estava cansado de trabalhar, queria gozar a vida no ócio.








Quando reuniu a coragem necessária, pegou o dinheiro e foi embora. Longe de casa arranjou bastantes "amigos", que permaneceram com ele até o momento em que o $ acabou. Ficou sozinho e sem o ócio. A fome apertou e precisava trabalhar para comer. O trabalho que conseguiu era o que ninguém teria coragem de fazer: cuidador de porcos. E debaixo da maior angústia lembrou-se de voltar para casa e pedir perdão ao pai. Voltou, humilhou-se, propôs trabalhar como empregado do pai, em qualquer serviço. Foi surpreendido pelo perdão e por uma festa de comemoração.


O terceiro personagem bíblico foi terrivelmente angustiado. Seu nome é Jó. Este era íntegro, reto, sincero, temente a Deus e se desviava do mal. Apesar de todas essas virtudes, também passou por dias angústia terríveis.

Perseguido pela fúria do diabo, perdeu o gado e a família. Não bastando tudo isso, adoeceu com chagas da cabeça aos pés. E o motivo de tudo isso era a inveja do diabo pela fidelidade de Jó a Deus.



Em seguida, Jó perdeu os amigos. A comunidade zombava e desprezava dele. Em lugar de consolá-lo, seus três amigos mais íntimos o acusavam de colher o que tinha plantado. Não bastasse a perda dos bens e da família, agora sofria um processo de lavagem cerebral dos próprios amigos. O diabo queria que Jó perdesse a razão e ficasse louco.

Não se pode dizer que Jó teve paciência no tempo de sua angústia, pois reclamou e não afogou seu coração em palavras não ditas. Ele era justo, o que possuia foi Deus quem dera. Quando Deus permitiu que perdesse tudo, Jó achava que não deveria "pisar" no prato que comera. Continuou firme e confiando na justiça do Senhor.

No tempo apropriado, Deus livrou Jó do cativeiro do diabo. Abençou-o quatro vezes mais em gado e deu-lhe dez filhos. Ele passou pelo vale da angústia, como muitos passam e ainda passam. Mas sua angústia não veio em razão de escolhas egoístas. No tempo da angústia ele não foi frouxo.

Se você estiver debaixo de angústias, ao ler esta mensagem vai ouvir a voz do Espírito, tome uma atitude correta. Analise o seu caso diante do prumo de Deus.

Não tenha um coração endurecido como o Ló, que não voltou atraz para corrigir uma atitude egoísta, preferindo habitar numa caverna. Se precisar voltar para a família que você abandonou, ou corrigir prejuízos que você causou - por motivos egoístas - volte e peça perdão. Mas se diante das circustâncias e do prumo de Deus sua angústia tem outra natureza, não abandone a fé. Jó ficou firme e as bênçãos maiores de sua vida vieram no final.

João Cruzué

3 comentários:

Sarah Iwabuchi disse...

Obrigado irmão!!! Essa mensagem falou profundamente ao meu coração. Que Deus o abençoe.

YARA G C NASCIMENTO disse...

Hoje por acaso ,claro que não foi Deus que me mostrou essa mensagem falou no profundo comigo
Deus continue revelando maravilhas das Escrituras Sagradas para VC irmão.

FÁTIMA MOTA disse...

que mensagem

EDIFICANTE! FALOU PROFUNDAMENTE AO MEU CORAÇAO.CHEGOU LAGRIMAS AOS OLHOS...DEUS CONTINUE DERRAMANDO SABEDORIA DO ALTO SOBRE VC PARA NOS TRAZER ESTAS REFLEXOES.FICA NA PAZ.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...