Quando olhar para cruz nos faz acertar o alvo



Wallace Sousa


Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus. Hebreus 12:2

Desde pequeno – digo: desde novo, porque pequeno ainda sou, exceto pelo tamanho do bucho (risos) – tenho paixão e admiração por armas de precisão, daquelas que tem miras telescópicas, que possibilitam atingir um alvo a grande distância. Modéstia à parte (ou modéstia em parte, pra não gastar tudo, já que modéstia é algo que não tenho muita… hehe), eu atirava bem. Claro, depois de um tempo sem treinar, quando eu atirava de novo, acertava bem também: bem longe do alvo (para ser mais preciso, se é que você me entende).

Mas, uma coisa que eu sempre soube quando atirava e que só vim a descobrir o porquê quando me converti, é que só acerta o alvo quem coloca a cruz no centro. Quando eu atirava, era regra: quer acertar? Olhe para a cruz e coloque seu alvo (ou objetivo) bem no centro dela. Chances de acerto? 99,9% que você vão atingir seu objetivo. E se você deixar a cruz de lado, o que acontece? As chances de acerto caem para 0,01%!

Sabe o que eu aprendo com isso? Que muitos não estão atingindo seus alvos e objetivos porque estão desprezando a cruz. Deixar a cruz de lado pode estar sendo a causa de muitos sonhos frustrados e projetos fracassados que vemos por aí, mesmo na igreja.

Recebi um comentário que me deixou triste e alegre ao mesmo tempo,foi logo depois de publicar o artigo Ainda existe crente fiel?

Peraí, como assim triste E alegre ao mesmo tempo? Calma que eu explico: fiquei triste porque ele contou por alto as angústias, dores e tribulações pelas quais vem passando nos últimos meses. E sempre fico tocado quando vejo – ou leio – pessoas comentando sobre as dificuldades que passam. Eu realmente me entristeço quando fico sabendo dessas coisas, pois – em parte, eu me sinto participante dessas aflições, seja por já ter passado por algo semelhante, ou por conhecer alguém próximo que passou. Ou, ainda, por pura solidariedade mesmo: eu fico me colocando no lugar da pessoa – e se fosse comigo?



Ok, você já deve ter entendido o porquê de eu ter ficado triste, mas e por que isso também me deixou alegre? Pelo que ele escreveu, não deveria eu ficar alegre e grato a Deus? Observe como foi e veja se não tenho razão em demonstrar esses sentimentos paradoxais – ainda que ao mesmo tempo:

    "Olá, Wallace, boa noite.  Vc tem me motivado muito. Queria poder estabelecer contato com vc. Estou passando por uma situação complicadíssima que envolve negócios, traições, mentiras, danos morais etc… Cometi o grande pecado de confiar no inimigo. Perdi tudo, mas tudo mesmo. Namorada, “amigos”, dinheiro, enfim um futuro. E ganhei muitas dívidas. Com apenas 25 anos me vejo num grande dilema. Cometi muitos erros e agora meu passado me assombra. Fui posto para fora da minha própria empresa. Algo assustador sabe. Me sinto um covarde. Não posso fazer muita coisa, confiei demais. A justiça dos homens é muito falha. Sabe a sensação de ver o inimigo zombando contigo, sorrindo, invertendo os papeis, dizendo-se vítima quando é o algoz, sem que vc possa fazer nada e todos acreditando nele… é incrível como dói. Muita vergonha. Estou     muito deprimido. Minha vida acabou. Estou desmoralizado completamente. Neste mundo a mentira sempre vence. Satanás venceu. Só vejo uma coisa positiva em tudo isso: me voltei para Deus, eu andava desviado. Mas tá difícil demais acreditar. Queria ter mais fé. Quero dar a volta por cima. É uma daquelas causas impossíveis. Por favor, queria uma palavra sua, uma orientação. Sua história é muito motivadora. Um abraço."

Agora, me responda, com sinceridade: tenho ou não tenho motivos para ficar tanto triste como alegre com um comentário desses?

Agora, vamos tentar analisar a situação de nosso amigo Antonio (entenda como um pseudônimo). Ele errou? Sim, errou. Mas, quem não erra? Ei, não olhe pra mim! Eu erro SIM, e não é pouco não… Ele tomou decisões erradas? Sim, infelizmente, tomou. Mas, e quem já não tomou decisões erradas, não é verdade? Eu poderia citar várias outras coisas que ele errou, mas isso não iria ajudá-lo, concorda? Mas, uma coisa que ele jamais imaginaria era que deixar de olhar para a cruz poderia ser tão danoso, e trazer tanto prejuízo. Mas, quem imaginaria?

Mas, espere! Ele disse algo interessante: ele se voltou pro Senhor! Ele está – novamente – olhando para a cruz. Quais as chances de ele acertar o alvo, a partir de agora? Altas, MUITO altas! Antonio, se você continuar olhando para a cruz, suas chances de acertar são muito grandes, meu filho! Sim, pode crer: se você continuar focado na cruz, você vai conseguir atingir o alvo. E, agora que você já sabe que é capaz, por que não tentar mais uma vez, sabendo onde mirar? risos

Sim, Antonio: você já foi bem-sucedido. Por que fracassou? Porque deixou de mirar o alvo pelas lentes da cruz! Mas, sabendo qual é seu alvo, se mirar direitinho agora, colocando seu alvo atrás da cruz, você tem alguma dúvida de que não vai acertar? Eu não.

Veja, eu também já errei o alvo – uma pequena observação: errar o alvo, em hebraico, é o mesmo que pecar, capice? E, se você diz que já leu vários textos meus, já deve ter lido quando eu pensei em desistir, mas desisti de desistir? Sim, eu sei que ficou confuso… risos, mas se você entendeu, é o que vale.

Antonio, não deixe o diabo fazer você acreditar nessa mentira de que você é o perdedor e ele o vencedor. Hoje, você está de posse da maior vitória que pode existir em todo o universo: a vitória de Jesus na cruz. E ele, ora ele não tem futuro, coisa que você tem e terá! Vai ficar dando ouvidos a um sem-futuro, Antonio? Cai na real, brother: em Cristo, Deus te fará mais que vencedor. Você tem a eternidade pela frente, e suas derrotas do passado são insignificantes comparadas a isso.

Agora que falamos bastante de cruz com sentido de mirar no alvo, vamos pensar em outra aplicação para a cruz: alinhamento.

A cruz me possibilita alinhar meu querer à vontade de Deus

azulejo-banheiro

Existem algumas [muitas] coisas que não sei fazer bem: tocar violino e piano, pintar quadros, escrever músicas e cantar… são tantas emoções. Ufa, a lista é grande, e vou parar por aqui senão me faltarão… palavras para descrever a situação! (risos)

Mas, dentre minhas incapacidades, está ser um bom pedreiro. Um bom pedreiro, entre outras coisas, sabe assentar azulejos, de modo que eles fiquem bem alinhados entre si e com o teto (acima), a parede (laterais) e o piso (abaixo). Certa vez eu vi um desses trabalhando, e fiquei curioso quando vi algumass pequenas cruzes de plástico que acompanhavam o pacote de argamassa.

Curioso que só (ou sou – ou ambos…) eu, perguntei o que era aquilo (doh!) e para que servia. A simplicidade da resposta me impressionou: as cruzes serviam para alinhar os azulejos entre si, pois quando um era assentado, já na devida posição, os demais facilmente seguiam a mesma linha apenas encaixando-se aquelas pequenas cruzes em seus cantos, de modo que os demais estariam sempre na mesma distância uns dos outros. Ah, assim até eu né… risos

E o que esses espaçadores de azulejos (cruzes) me ensinam? Uma simples, mas importante lição:

cruzes-plastico-ajulejo

Para alinhar nossa vida à vontade de Deus (acima) e, ao mesmo tempo, não perdermos o contato com nossos semelhantes (ao lado) a vida material (abaixo), é necessários encaixarmos a cruz entre nós, Deus, as pessoas e, claro, as coisas. Sem a cruz para nos balizar, ficaremos desalinhados com a vontade de Deus, com nossos relacionamentos pessoais e no trato com as coisas. É necessário saber manter a devida distância – ou proximidade – entre tudo isso.

Acredito que você deve ter percebido, quem sabe visto pessoalmente, algum banheiro ou cozinha onde os azulejos estavam desalinhados, e como isso deixa qualquer parede feia. Pode ser o azulejo mais bonito, mas um assentamento mal feito vai macular toda sua beleza. Ao contrário, um azulejo nem tão bonito, mas bem colocado e alinhado, tem toda uma beleza intrínseca presente em seu harmonioso conjunto.

Não adianta: azulejo desalinhado mostra, invariavelmente o seguinte: alguns estão próximos demais, e outros distantes demais. Aproximar-se demais das coisas vai afastá-lo da pessoas. Dizer que, por estar próximo demais de Deus, isso lhe dá permissão para ignorar as pessoas ao redor, é uma grande ilusão: Jesus vivia entre as pessoas, principalmente as mais necessitadas, mas sabia manter a adequada distância delas, quando era necessário voltar à presença do Pai.

Você quer encontrar o meio-termo, a distância certa ou, ainda, a maneira correta de lidar com as pessoas, com as coisas e mesmo com Deus? O segredo para fazer isso bem feito é usar a cruz.


Conclusão

    Ao olhar para o Céu, veja-O através da cruz que você não errará o Alvo.

O uso da cruz nos possibilita duas coisas muito importantes na vida: atingir nossos alvos e alcançar nossos objetivos, e não sair da linha, não derrapar no meio do caminho. E, quanto mais distantes estejam ou importantes sejam nossos alvos, maior a importância de se fazer uso da cruz. E, seja enquanto caminhamos em direção a nosso alvo, ou mesmo depois de atingi-lo, usar a cruz nos permitirá continuar pavimentando o caminho do sucesso e solidificando nossas conquistas.

E, para você, Antonio, tenho uma palavra especial. Na verdade, quando li seu comentário, também fiquei um pouco surpreso além de, claro, grato. Seu comentário é daqueles raros que recebo que me fazem ver que vale a pena manter um blog cristão. Eu andava meio desmotivado, isso não é segredo: até pedi oração por mim, lembra? Aliás, você orou por mim? Não se preocupe: se não orou, seu comentário foi um incentivo e tanto para mim – ou seja, deve ter sido resposta de oração de alguém (risos)!

Outra coisa que senti com seu comentário foi um sentimento de impotência. Sim, impotência. Sabe por quê? Porque não me senti capaz de te responder… Aliás, sendo mais sincero: eu sabia que não tinha resposta para você, e isso me deixou um pouco amedrontado. Afinal, o que eu poderia lhe dizer que pudesse lhe motivar ou erguer seu ânimo? Nada. No máximo, o mínimo… Então, foi aí que recorri ao Senhor, e pedi que Ele me desse algo para você.

Pois bem, estou lendo Os 7 estágios da tentação (e está sendo muito bom – só está faltando colocar em prática… #aff) e, nele, encontrei hoje a resposta de Deus para você, quando o vinha lendo no ônibus. Quer saber o que Deus tem a lhe dizer? Vem comigo (ou não saia da poltrona… risos):

    “Fui informado de que em determinado museu há uma pintura chamada Xeque-Mate. O artista pintou um tabuleiro de xadrez com um jogo em andamento. De um lado do tabuleiro encontra-se sentado um jovem com um olhar de desespero. Do outro lado, Satanás, olhando sadicamente. O jogo terminou. Satanás venceu. O jovem foi derrotado!

    De acordo com a história, certo homem voltava ao museu dia após dia. Ele ficava durante horas diante da pintura, estudando-a detalhadamente. Finalmente, um dia, ele deu um grito. ‘Não foi xeque-mate!’, ele gritou. ‘Não foi um xeque-mate!’ Logo uma multidão se reuniu para ver o que havia acontecido. Entusiasmado, ele contou: ‘Eu sou um mestre do xadrez. Estudei este quadro durante dias e, se o jovem mover esta peça para este ponto, ele escapa do xeque-mate’.


    Talvez você se sinta derrotado neste momento de sua vida. O inimigo se levantou contra você e, não sabendo como lhe resistir, você caiu na armadilha. Agora sua vida está uma confusão. Seus relacionamentos mais importantes se desfizeram, e sua vida pessoal está em cacos. Com crueldade estudada, o inimigo sugere que Deus lavou suas mãos, que Ele não quer mais nada com você. Agora você se sente tentado não apenas a duvidar do amor de Deus, mas também da própria existência dEle. De onde você está sentado parece-lhe que o xeque-mate é certo.


    Se você ficar limitado aos seus próprios recursos, está acabado. Mas não tem de ser assim. O mestre eterno do xadrez – Jesus Cristo – pode inverter sua situação. Ele lhe proporcionará um caminho de escape, se você o invocar. Ele tem um grande prazer em destruir os planos malignos do inimigo. ‘Para isto o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do diabo’”. (1Jo 3.8)

Antonio, isto está escrito nas páginas 70 e 71, não são minhas palavras… quem dera eu escrevesse assim. Essas palavras são resposta de Deus para você: não está tudo acabado, ainda resta uma esperança para você. E, creia, meu irmão, Deus vai lhe dar uma nova chance. É só você crer.

Quando você se levantar dessa cadeira, levante-se sabedor que Deus não o abandonou, mas que vai mudar sua história e escrever uma nova vida para você. Você pode crer nisso? Eu creio.

Quero apenas lhe pedir uma coisa: volte aqui para contar sua nova história, de como Deus mudou o quadro e fez de você um vencedor, ok?

Deus abençoe sua vida, amado. Ah, e obrigado por me pedir uma palavra, mesmo sem eu ter uma: foi uma porta que o Senhor abriu para abençoar a sua vida. E a minha também.

Wallace Sousa escreve o Desafiando Limites e é colaborador do Tenda.

5 comentários:

Sidnei Leico Ferreira disse...

Maravilhoso o agir de Deus.Que o Senhor continue voz enriquecendo de sua Graça e misericórdia.A Paz do Senhor.

Sidnei Leico Ferreira disse...

Maravilhoso o agir de Deus.Que o Senhor continue voz enriquecendo de sua Graça e misericórdia.A Paz do Senhor.

Pedro disse...

Sou leitor do A TENDA NA ROCHA à algum tempo e não pude deixar de ler esse artigo nessa manhã. Já vivi algo semelhante, e posso lhe dizer algo a respeito. Existem vitórias que parecem derrotas. Como assim? A crucificação de Jesus, parecia o fim de tudo. Aqueles dois discípulos a caminho de Emaus que o diga. José do Egito, vendido como escravo pelo os seus próprios irmãos, etc... Se puderes crer meu amado, o Senhor tem todas as coisas sobre controle, Ele permite situações desse tipo para nos ensinar e nos colocar novamente na rota para Canaã celestial.
Irmão Wallace, continue sendo um instrumento nas mãos do Senhor. Vivo algo semelhante também. Tenho um programa de rádio em uma rádio comunitária aqui em minha cidade e sei o que é isso, o Senhor vive me surpreendendo, através dos ouvintes. O Senhor é contigo, não pare por nada, a semente após ser lançada, fica dentro do solo e não a vemos até que ela germina e se revela um pequeno vegetal. Até se tornar um pequeno vegetal,ela passou por um processo que nós não vimos, isso não significa que depende de nossa capacidade, mas de nossa fé e perseverança, não somos guiados por vista, mas por fé.

Graça e Paz,

Pr. Pedro

Wallace Sousa disse...

muito obg, pr. Pedro, por suas palavras.

de fato, ultimamente tenho passado por alguns questionamentos, também em relação ao blog e a escrita de textos cristãos.

certamente suas palavras vieram em boa hora para que eu perceba que Deus continua comigo, mesmo que um pouco calado ultimamente.

Deus abençoe sua vida e, novamente, obrigado!

paz do Senhor.

José Cláudio Nogueira da Rosa disse...

Obrigado irmao por voce existir, e trazer para nos essas belas palavras que vem a nos confortar, sabe, irmao, hj eu estava lendo o blog "NA TENDA" e cheguei ate voce MARAVILHOSO um forte abraco e um grqnde 2014 "DEUS O ABENCOE"

JOSE CLAUDIO/SP

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...