Fé nos dias de aflição




Wallace Sousa

"Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo."João 16:33

Aquela segunda, dia 6 do mês 6 de 2016, havia começado como outra qualquer, às 6 horas da manhã. Mas, quando você acha que tudo continua igual, a vida vem e surpreende você. E, às vezes, a vida lhe prega peças e também lhe pega de jeito. E assim foi comigo, o destino me pregou uma peça na encruzilhada da vida. 

Eu não sei o que você está passando, pelo que já passou o pelo que ainda irá passar, mas escrevo isso justamente para que minha experiência possa, de algum modo, ajudar você que enfrenta lutas, dissabores e angústias, sejam elas inesperadas, programadas ou totalmente imprevisíveis.

Fazia alguns dias que meu pai me visitava e nos dava o prazer de sua agradável presença em sua companhia, visto que moramos quase 2.000km distantes um do outro, sempre aprecio suas visitas, ainda que breves, quando ele passa aqui por Brasília. Não são as coisas que ele traz na bagagem, as guloseimas e delícias da culinária nordestina que me cativam desde o nascimento, mas sua presença e seu carinho que nos abençoa é o que torna sua vinda tão agradável e desejada.

Todavia, como de costume, ele vem e vai, passa e parte. Como filho, sei que assim é a vida, e é assim que a vida é. Não mais questiono, apenas aceito e sigo vivendo, vou andando, e continuo vivendo, aproveitando cada instante, principalmente aqueles bons momentos que gostamos de guardar na memória.

Mas, como já disse, aquela segunda que havia começado como todas as outras, não findaria da mesma forma. Eu precisava atravessar por uma encruzilhada e passar por uma difícil experiência.

Sabe, às vezes nós pensamos que estamos preparados para tudo, mas quando as coisas acontecem e pegam a gente de surpresa, nós nos damos conta de que nada é como pensávamos e tudo é diferente do que nós prevíamos. A vida nos prega peças e, muitas vezes, descobrimos que não estamos preparados quando a circunstância chega de supetão.


Saí de casa, mala e bolsa no porta-malas, tudo parecia no lugar, os ponteiros do relógio movendo-se dentro do esperado, a vida seguia seu curso como todo santo dia. E aquela encruzilhada que eu atravessava todos os dias parecia estar no mesmo lugar, e que seria fácil transpô-la mais uma vez. Parecia.

Quando eu passei pela lombada, ao chegar à beira da encruzilhada, parei e olhei. Nada vi senão uma pista vazia e árvores, muitas árvores enfileiradas… então segui. Olhei para o outro lado, também com uma pista vazia, até fiz um comentário displicente ao meu pai, do meu lado. Tudo parecia normal. Parecia.

Então, de repente, do nada, escuto um estrondo do meu lado, sinto um estremecimento, ouço barulho de ferro amassado, peças se quebrando e se soltando. O mundo repentinamente ficou confuso e tudo mudou, num ínfimo instante. Tudo aquilo que até então estava normal, de súbito tomou outro rumo. Foi uma explosão que me aturdiu, e fiquei completamente atordoado tentando entender o que havia acontecido.

Êêêêêêêêêêêê… Bummm! A vida muda tão rápido e, às vezes, ela nos pega de cheio quando estamos distraídos, felizes e seguindo em frente, sem de nada desconfiar. Quando isso aconteceu, mil coisas passaram pela minha cabeça, e uma delas foi me examinar pra saber se eu estava em falta com o Senhor para que isso acontecesse. Não lembrei de nada grave na hora. Então, pensei: Deus permitiu, vou ter que encarar e fazer o melhor que puder, e que o Senhor me ajude.

Parei o carro na esquina, ainda atordoado, sem saber o que havia acontecido e no que eu havia me envolvido. Olhei pra frente e vi o motociclista caído, tentando se levantar. Ouvi ele dizer, “quebrei a perna!” e gelei. Pensei, meu Deus, o que foi que eu fiz? Cheguei mais perto, ajudei ele a se sentar e olhei pra sua perna esquerda.

Nesse momento, já havia sangue molhando e manchando o jeans da calça. Era uma fratura exposta. Uma parte de mim quis se desesperar, outra tentava se acalmar para socorrer o rapaz, mais jovem que eu. Estiquei sua perna, que estava dobrada e, nesse momento eu pude presenciar uma das piores sensações que alguém pode sentir, ao pegar e ver sua perna mole, ensanguentada.

Após estirar sua perna, olhei para minhas mãos e também ficaram sujas de sangue. Peguei seu capacete, estava com a parte que protege a mandíbula quebrada. Tudo parecia um quadro surreal que eu não conseguia encaixar as peças. Minha mente girava, mas eu precisava me manter sóbrio e não entrar em parafuso. Eu não podia perder o controle, apesar de estar aturdido ainda.

Eu não sabia se estava tentando acalmar ele ou eu quando lhe disse, “tenha calma, podia ter sido pior”. Hoje, após uma semana passada do fatídico acidente, percebo que poderia, sim, ter sido muito, mas muito pior. Mas, na hora, eu não tinha a mínima ideia disso.

A viatura do Detran chegou em menos de 5 minutos e a do SAMU, logo em seguida. Antes deles chegarem, o rapaz, Gérson – perguntei seu nome para saber se estava consciente e evitar que desmaiasse – ligou para sua esposa a quem havia acabado de deixar em uma parada de ônibus, próxima, e disse, “amor, me envolvi num acidente, na rotatória”.

Ela chegou logo em seguida, percebi que era ela antes de chegar, pelo ar de angústia. Quando ela chegou, ele já estava sendo atendido pelos paramédicos que imobilizaram sua perna e a enfaixaram para interromper a hemorragia. Ela, Fabiane – também perguntei seu nome – chorava e estava muito mais aturdida que eu, sem saber o que havia acontecido. Eu lhe disse, “tenha calma, vai dar tudo certo”. Na hora, nem eu sabia se alguma coisa ia dar certo…

Peguei o telefone dela, passei o meu e me coloquei à disposição.

No fim das contas, meu pai pegou um ônibus até à rodoviária, eu fui à delegacia registrar o BO e depois fazer a perícia. O dia ainda estava começando, mas já tinha virado totalmente de cabeça pra baixo e minha cabeça ainda rodava.

No mesmo dia ele foi atendido no Hospital de Base, e a cirurgia foi feita naquela tarde. Na terça eu o visitei no hospital, conversamos, disse que eu já havia dado entrada no seguro, que ele teria suporte para o que fosse necessário e que eu estava ali.

Mas, talvez você se pergunte, e acho válido perguntar: por que você está nos contando isso, Wallace? Porque eu quero que você saiba aquilo que eu descobri no dia do acidente. Eu fiquei muito angustiado vivendo tudo aquilo, sem saber o que fazer, sem saber o que aconteceria dali por diante e como as coisas se encaixariam ou voltariam ao normal.

Talvez esteja sendo este o seu caso, alguma coisa grave aconteceu com você, sua família ou com alguém querido e próximo a você. Pode ter sido um acidente, como foi comigo, você pode ter sido a vítima, pode ser uma doença, pode ser o desemprego, pode ser qualquer coisa. Mas, o que eu quero que saiba é que o Deus criador dos céus e da terra, o Senhor de tudo e de todos, Ele está com você e vai lhe ajudar a sair dessa situação.

É isso, hoje, depois de as coisas começarem a clarear, eu percebo que o Senhor, às vezes, permite que passemos por coisas assim, mas o que nos traz esperança é saber que Ele está conosco e que nos livrará de todo o mal.

Caro leitor, amigo de tribulações e angústias, que o Senhor abençoe sua vida. Que, mesmo em meio às maiores angústias e sofrimentos, que Ele lhe conceda graça e força para continuar lutando e vencendo.

Fique à vontade para deixar seu comentário, eu leio todos. E meu desejo é que esta breve história possa abençoar alguém. Se for o seu caso, agradecerei se quiser deixar um comentário em gratidão ao Senhor.

Que Deus nos abençoe.

Wallace Sousa edita o blog Desafiando Limites e é colaborador do Tenda na Rocha

6 comentários:

jeanderson pereira disse...

DEUS É fiel....
Hj tive uma decepção muito grande com meu pai...por dentro de mim, está pior do que o acidente ocorrido...
Mas essa experiência hj me fortalece.. pois sou cristão e meu pai ser humano insensível... Mas nem por isso desistirei dele...
Obrigado pelas palavras Wallace

Eliseu Antonio Gomes disse...

Wally, amigo e irmão.

Atrás do volante de um automóvel em movimento, existem pontos cegos enquanto dirigimos, faltam alguns ângulos de visão, não temos 100% de visão de tudo que nos rodeia. As faltas destes ângulos se consistem em riscos de segurança para nós, para outros motoristas e pedestres que cruzam os trajetos que seguimos. Bastam algumas frações de segundo para que o fato inesperado invada o dia, os sonhos, os planejamentos. E paramos tudo que planejávamos realizar, tentando entender e reagir da maneira mais certa possível diante do infortúnio, dos estragos, das dores.

Assim como acontece o risco dirigindo um veículo, ou indo de carona nele, também acontece em outras circunstâncias da vida. Como pedestres, como profissionais lá na empresa...

Que bom que seu pai seguiu o destino dele bem, e você também. Que bom que o motociclista, apesar da fratura exposta e dor, teve a vida conservada por Deus!

Eu já experimentei algo parecido com este episódio que relatou.

O Deus onisciente, onipresente e onipotente é quem nos livra dos riscos de todos os pontos cegos!

E.A.G.
http://belverede.blogspot.com.br

Nanci Pires disse...

Bom dia!

Gostaria de saber o que significa o seguinte trecho " Quando isso aconteceu, mil coisas passaram pela minha cabeça, e uma delas foi me examinar pra saber se eu estava em falta com o Senhor para que isso acontecesse." Coisas ruins acontecem quando estamos em falta com o Senhor ou acontece com todos, se é assim então porque pessoas que muitas vezes nem lembram/negam da existência do Senhor se dão bem na vida, conseguem trabalho, família, filhos, saúde.

Iriane disse...

Bom dia Nanci Pires, eu li a sua postagem e gostaria de ao menos tentar lhe ajudar. grande profetas da Biblia já sentiram essa mesma indiguinação.
O grande patriarca Jó expressa esse drama em Jó 21:7-15. Habacuque 1:4,13 expressa também a sua angústia. Agora, Asafe Salmista, Salmos 37, expressa o seu conflito. Por que o ímpio prospera e o justo é castigado? Vale apena ser fiel a Deus? Tem algum proveito ser justo?


Quando o salmista Asafe sai do templo estava refeito, curado, revivificado, alegre e disposto, e, ao mesmo tempo, solícito em alimentar-se da verdade, como ensina Davi ainda no salmo 37 (v.3). Toda a mágoa desapareceu. Dizia ele: “Os pecadores continuam a se afastar do Senhor; mas..., quanto a mim, bom é estar junto a Deus: no Senhor ponho o meu refúgio, para proclamar todos os seus feitos, em prosa e em verso, com címbalos retumbantes e com címbalos sonoros, entre gritos de alegria e louvor eu, que quase troquei a música de adoração pela música profana! Graças a Deus não me tornei pedra de escândalo para os meus 4 mil instrumentistas e cantores e toda a nação de Israel!”
Que essa experiência de Asafe fale ao seu coração e lhe transmita ensinamentos para a sua caminhada com Jesus! E saiba sempre minha amiga Deus prospera a quem Ele quiser, mas só receber o louvor dos seus escolhidos. Hó Glorias!!

Wallace Sousa disse...

@Jeanderson,

obg por comentar, que o Senhor abençoe sua vida e a de seu pai, com misericórdia e perdão para sua família.

@Eliseu,

obg pelas palavras de conforto e apoio.

@Nanci,

é como a Iriane falou, ler o Salmo em que Asafe mostra que se indigna com a prosperidade do ímpio enquanto o justo sofre mostra aquilo que nós também sentimos.

um grande abraço a todos!

Nalimar Alves Rodrigues de Gonçalves disse...

Amém!
São experiências como esta que nos levam a nos lembrar o quanto somos frágeis e o quão grande é o nosso Deus.
Obrigada por compartilhar conosco.
Abçs
Nalimar Alves Rodrigues de Gonçalves

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...