O cuspe no ministério de Jesus




Wilma Rejane

"E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?Jesus respondeu: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus. Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo. Tendo dito isto, cuspiu na terra, e com a saliva fez lodo, e untou com o lodo os olhos do cego. E disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado). Foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo."João 9:1-8

Há três relatos nos Evangelhos em que Jesus cura doentes utilizando cuspe. Além de João 9 - a passagem que utilizaremos como base para este estudo - existe ainda Marcos 7:33; onde um surdo que falava com dificuldade recebe cuspe de Jesus em sua língua e Marcos 8: 23; onde um cego é curado após ter os olhos untados com cuspe. Por que Jesus usa esse método? Seria o cuspe indispensável para a realização das curas ou Jesus queria transmitir algo mais para os ouvintes ? Essas questões me incomodaram e não houve qualquer revelação que me respondesse. O que me veio foi a impressão de que Jesus agiu da forma que agiu para combater alguma tradição da época. Então resolvi pesquisar o assunto tendo como suporte o livro Talmude da tradição judaica, respeitado por todo o clero de religiosos judaicos do período pré cristão. Aliás, ainda hoje muitos reverenciam os ensinamentos do Talmude.

E não é que fui surpreendida pelos resultados da pesquisa?


O cego citado por João era cego desde o ventre. Jesus ia passando e o viu mendigando. Não é dito que ele tenha feito qualquer oração pedindo para ser curado, mas é dito que ele chamou àtenção tanto dos discípulos quanto de Jesus que resolveu parar, cuspir no lodo, depois pegar esse lodo, passar nos olhos do cego e mandar que ele fosse até o tanque de Siloé se lavar. O cego foi até o tanque, lavou os olhos e voltou vendo. Era Sábado quando o milagre aconteceu. Os fariseus enfurecidos, por considerarem uma afronta à guarda do Sábado, inquiriram o cego sobre quem o curou e como o curou.


A tradição e o uso do cuspe

No Talmude há pelo menos duas referências ao uso do cuspe para cura de doenças. 


  • A saliva de um filho primogênito tinha poderes curativos, por isso, era recomendado que todo primogênito passasse cuspe nos ferimentos dos demais familiares. A referência da citação é: Talmude da Evermina, p. 253, BB 126b, encontrei Aqui



  • Não era permitido passar cuspe em ferimentos aos sábados. Essa referência está no Talmude Babilônico, Shabbat 108B. (versão on line Aqui)

Ao observarmos todo o contexto do Evangelho de João, em que o milagre do cego de nascença está inserido, veremos que em João 8 Jesus dialoga com os fariseus tentando mostrar-lhes que Ele era filho de Deus. Em João 9, Jesus tenta transmitir a todos que era lícito curar também aos Sábados. Assim, ao analisarmos o Evangelho de João para o contexto histórico em que estava inserido, podemos interpretar que ao utilizar cuspe na cura de doentes, Jesus afirmava ser o primogênito de Deus - no sentido de ser o primeiro filho de José e Maria e ser Ele a o primogênito de toda criação Cl 1:15. O primogênito estava doando Sua vida para salvar o homem por completo! Jesus transmitia que o Sábado não era maior que o homem. Jesus era superior a toda e qualquer tradição, estas não eram guia de salvação,mas Cristo .

Interpreto ainda que o cuspe ou saliva de Jesus é como se fosse a própria vida Dele sendo transferida para os doentes. E essa doação repele o mal, cura o corpo, a alma e o espírito. Imaginemos que o cego, a caminho do tanque de Siloé, ia tateando, cambaleando, na certeza de que a cura se completaria com a sua chegada ao tanque e a lavagem naquelas águas. Este homem deve ter enfrentado oposição pelo caminho, que não sabemos se era caminho curto ou longo. Mas ele não desistiu de seguir as orientações de Jesus e por isso venceu. Já aqui nos é ensinada a lição de perseverar no caminho do Evangelho para alcançar uma visão renovada em relação a nós e ao mundo.

No Antigo Testamento, cuspir em alguém era um ato de extremo repudio, rejeição ( Deuteronômio 25:9). Atualmente ainda é assim, cuspir em alguém é desrespeitoso. E Jesus vem utilizando esse instrumento humano para promover a cura, como a dizer que tudo que há em nós foi feito em louvor a Deus e para abençoar o próximo. Não era o cuspe que curava, mas a vida de Jesus presente na vida do homem. Esse era o sentido do milagre. 

Deus o abençoe.

Fontes:

BÍBLIA. Português. Bíblia de Estudo Plenitude, Tradução João Ferreira de Almeida, São Paulo, Sociedade Bíblica do Brasil, 1995. Evangelho de João, Mateus e Marcos.


8 comentários:

Unknown disse...

Aleluia!!!!! Que ensinamento.. Jesus mais um vez confundindo os sábios, quebrando as regras e rompendo os preconceitos!!!!! Obrigada Pastora!!!! Deus continue usando sua vida como instrumento de edificação!!!!1

Fabio Conceição disse...

Bom estudo e a referência do Tamulde.
Parabéns!

Bruno Barreto Oficial disse...

Legal 😎 Deus abençoe

Carlos Wagner Da Silva disse...

Gostei interessante

Unknown disse...

Bom... Deus te abençoe muitíssimo
#foconacruz

Ministério Evangélico Agape disse...

Louvado seja Deus por sua vida, tremendo esse estudo.

Ministério Evangélico Agape disse...

Louvado seja Deus por sua vida tremendo esse estudo.

Oiced Mocam disse...

Jesus se tivesse existido teria inventado a penicilina e não cuspes ditos milagrosos. Aliás comparem essas estórias que nunca aconteceram com os cuspes "milagrosos" de Maomé (esse sim existiu) e descubra quem tem mais "poderes" sobrenaturais!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...