domingo, 27 de maio de 2012

O Centurião de Cafarnaum



As distâncias geográficas não se reproduzem no mundo espiritual, Deus ouve  orações feitas em todo e qualquer lugar e age sem limites de fronteiras.





Wilma Rejane


Essa narrativa fala de um centurião romano que implora a Jesus para que cure seu criado. Ela é intrigante por muitos motivos, especialmente se considerarmos que os evangelistas Mateus e Lucas fazem relatos diferentes sobre "Jesus e  centurião de Cafarnaum". Em Lucas lemos que a comunicação de Jesus com o centurião acontece à distância, via anciãos. Em Mateus se lê: "Tendo Jesus entrado em Cafarnaum, apresentou-se-lhe um centurião implorando: Senhor, meu criado jaz em casa de cama, paralítico, sofrendo horrivelmente. Jesus disse: Eu irei curá-lo" Mt 8:5-7. Aqui o centurião parece ter estado pessoalmente com Jesus. Há contradição entre Mateus e Lucas? Não há. Marcos omite as idas e vindas dos mensageiros anciãos que serviram de interlocutores para com Jesus e resume toda história, enfatizando a essência do diálogo. 
 


Sobre centuriões romanos

No exército romano, a maior unidade era uma legião composta de 6.000 homens. Cada legião era dividida em dez coortes de 600 homens cada, e cada grupo tinha seis divisões de 100 cada. Estes foram chamados de "séculos", com um centurião sobre cada um. Um destes séculos foi posto em ou perto de Cafarnaum, e ao longo deste século, o centurião sem nome da passagem Bíblica, estava no comando pleno. Ele era o chefe romano de uma grande área, tinha  prestígio e autoridade. Até mesmo os anciãos dos judeus estavam sob sua jurisdição.

Fé e obras de um soldado romano

Me chama atenção a grande influência desse centurião entre os judeus, deveria ser um homem honrado em seu viver a ponto de conquistar muitos amigos, eu diria que era um diplomata conciliador, não poderia ser diferente: sendo romano tinha o respeito dos judeus e  apesar do importante cargo, demonstrava cultivar estreita amizade com seu criado, sinal de humildade.

Sobre ele, falam a Jesus: "Ele é digno de que faças isso, porque é amigo do nosso povo, e ele mesmo nos edificou sinagoga" Mt 7:4-5

Percebam que Jesus não ficou impressionado com as grandes obras realizadas pelo centurião, Ele não disse: ooohhh como ele é importante, quantos bens tem feito nesta nação!! O que fez com que esse centurião recebesse lugar de destaque nos Evangelhos foi: ele era um homem de extraordinária fé! Isso arrancou elogios de Jesus. Se há algo que move Jesus em nossa direção é a fé que temos Nele.


Um x na questão

O "x" é uma incógnita na matemática cujo valor desconhecido pode variar de acordo com a equação. E esse "x" estava para mim na passagem sobre o centurião romano, tal qual estava nos problemas matemáticos. Me intrigou o fato de ele não querer a presença de Jesus em sua casa: " Senhor, não sou digno de que entres em minha casa. Por isso eu mesmo não me julguei digno de ir ter contigo..." Lc 7:6-7. 

Por tantas vezes Jesus esteve em casa de pecadores, ele mesmo afirmou que não veio para os sãos, mas para os doentes ( Mt 9:12). Se o centurião não se julgava digno de estar com Jesus, seria esse um bom motivo para que Jesus o visitasse. Eram dois doentes a serem curados: o chefe e o criado. Mas o problema era que a estadia de Jesus na casa do centurião, poderia acarretar consequências para ambos. Os israelitas eram proibidos por lei  de ter contato pessoal com pessoas de outra nação (Atos 10:28). 

Transgredir a lei era um perigo para Jesus já que os fariseus viviam a procurar motivos para prendê-lo, acusá-lo. Jesus porém, sempre agia de forma a colocar as necessidades humanas como prioridade e iria curar o servo do centurião mesmo que isso provocasse a fúria dos judeus. O centurião, porém, preferiu evitar contendas, não se achou digno de ser a causa da discórdia entre Jesus e fariseus. 

Sob esse prisma, fica compreensível a recusa do centurião sobre Jesus ir até sua casa. Esse ato de obediência a lei acabou resultando em grande testemunho!

A certeza do que se não vê

 " Dize somente uma palavra  e o meu criado será curado , porque eu também sou homem sujeito à autoridade, tenho soldados às minhas ordens, e digo a este vai e ele vai; e a outro: vem, e ele vem; e ao meu servo: faze isto e ele o faz" Lc 7: 7-8.

Uma Palavra de Jesus era tudo que o centurião queria. Uma Palavra de Jesus é o que basta para transformar toda uma situação, mudar uma vida, ressuscitar um morto (literalmente e metaforicamente falando). Esse homem verdadeiramente demonstrou o que é viver pela fé. Ele não precisou ver Jesus, tocá-Lo, para acreditar que Ele realizaria o milagre. 

O centurião era conhecedor da autoridade e poder de Jesus que já havia realizado outros milagres em Cafarnaum. Ele também sabia, com a experiência que seu cargo de oficial  permitia, que não era necessária sua presença para que suas ordens fossem cumpridas. E se ele reconhecia em Jesus o Messias, ele sabia que o mundo físico e espiritual, estavam sujeitos a Ele. Em qualquer lugar ou circunstância.

E o servo é curado

"Ouvidas essas Palavras, admirou-se Jesus dele e, voltando-se para o povo que o acompanhava, disse: Afirmo-vos que nem mesmo em Israel achei fé como esta. E, voltando para casa os que foram enviados, encontraram curado o servo" Lc 7:9:10 


Os judeus não estavam acostumados a ouvir comentários assim sobre os gentios. Estes eram considerados inferiores mesmo se comparados ao menor dos judeus. A declaração de Jesus deixa todos igualmente surpresos pois aponta para a inclusão dos gentios no Reino de Deus. 


Entre dia e noite, céu e terra, tempos e tempos Deus realiza Sua obra. Uma obra que se abriga no coração dos homens em todas as nações,  que se movimenta através da fé simples (porém profunda) na Palavra de Deus, no Nome do Senhor Jesus!

As distâncias geográficas não se reproduzem no mundo espiritual. Não há cercados, fronteiras, passos, metros,  altura ou profundidade que impeçam a ação da Palavra, Ela executa  aquilo pelo qual foi enviada. O centurião não precisou ver a Jesus, mas acreditou que Sua Palavra poderia curar o criado como se Ele próprio estivesse ali, tocando o corpo fraco e doente do rapaz.


Cafarnaum nos ensina que o mais influente dos homens necessita clamar por Jesus nos "caminhos de Cafarnaum". Também aprendo que todo líder necessita de seus liderados para realizar suas ações, metas. 

Cafarnaum pode ser uma incógnita, um lugar onde as leis dos homens tentam impedir a visitação de Jesus. Em quantos lugares do mundo hoje o Evangelho está proibido por lei de adentrar às portas da cidade ? A lei proibia a estadia de Jesus na casa do gentio centurião, mas pela graça Ele esteve lá. Ele era a Própria Palavra enviada através dos anciãos! Pela graça Jesus não só visita, mas faz morada nos corações dos homens que vivem sob severas leis de perseguição do Evangelho. 

A Palavra é livre e da mesma forma liberta escravos em todas as direções. Apóstolo Paulo, em carta aos Tessalonicenses afirma: “ Estou sofrendo até algemas, como malfeitor; contudo, a Palavra de Deus não está algemada” 2:9. Por essa razão poderemos clamar por Jesus de qualquer lugar do mundo não há limites para Seu agir!

Cafarnaum nos ensina que nosso julgamento a respeito das pessoas pode ser completamente equivocado em assuntos de relacionamento com Deus. Os gentios eram considerados inferiores aos judeus em todos os sentidos, Jesus porém declara que a fé do centurião é algo extraordinário, raro de se ver entre os judeus. O sentimento de superioridade e exclusivismo era comum em Israel : nação eleita, povo escolhido. Será que isso não se repete entre os cristãos?

O segredo do centurião estava em sua fé e humildade,  na certeza de que Jesus era capaz de ordenar a cura e nenhum outro poderia fazer o mesmo. É interessante perceber que os anciãos dos judeus, sendo versados no judaísmo, não se negam a cumprir o pedido do centurião. Eles foram ao encontro de Jesus  com fé própria ou apenas como mensageiros de um homem de fé? Eles não eram soldados , mas amigos que voluntariamente se dispuseram a ajudar. Eis aqui o que um fervoroso coração pode fazer: alcançar vidas, influenciar pensamentos, ações. Os anciãos não foram meros espectadores do milagre, mas participantes. Eles rogaram a Jesus pelo amigo, oraram  por ele. Eis também aqui a importância da oração.

Assim como aquela Palavra dada por Jesus foi de encontro ao servo do centurião, devolvendo-lhe a saúde, que essa Palavra produza os resultados para o qual Deus a enviou.

Em Cristo, amém.

5 comentários:

rosana disse...

Ah Re que frase linda...e que bom que a oração não tem distancia né...então peço que ore por mim amiga..ja comecei as aplicações com as injeções de menopur,eu creio no SEnhor e nas orações que são feitas ao meu favor,principalmente qdo se é uma mulher de oração...bjs Re,obrigado pelo crainho..fik na paz..adorei seu post..bjs

Wilma Rejane disse...

Querida Rô,

Creio no mesmo Deus que curou o servo do centurião em Cafarnaum, Ele escuta nossas orações e age de forma soberana!

Amada irmã, sua causa não me sai da lembrança: és marcante pela determinação, ânimo e confiança no Senhor.

Receba meu sincero abraço, no amor de Jesus.

Deus a abençoe.

Aldeniza Sousa disse...

Muito linda esta msg adorei.

Sal da Terra disse...

Olá Rejane, paz!

Edificante e bem muito elaborado este texto, parabéns, Deus seja louvado!
Tenho refletido nesta passagem e achei interessante a sua abordagem do receio do centurião com relação a criar "contendas". Mas, as idas e vindas dos anciãos também não criariam os mesmos problemas?
Que Deus continue inspirá-la e te conceda graça, sempre.
Em cristo,

Fredso154@hotmail.com disse...

Aprendi muito com esta mensagem Deus continue te abencoando

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...