A Espantosa verdade sobre o arrebatamento da Igreja

 


Autor: 
Pastor Jefferson Netto

Sabemos que os sinais do “fim dos tempos” estão cada vez mais presentes nos dias atuais: são guerras, terremotos em número cada vez maior, pestes, a humanidade adotando comportamento cada vez mais anticristão, enfim, os juízos descritos no Apocalipse estão cada vez mais fazendo parte do cotidiano. Isto é a preparação para um período de muitas dores e sofrimentos, o qual o Livro do Apocalipse denomina de a Grande Tribulação (Apocalipse 2:22 e Ap 7:14).

Ocorre que, antes de se iniciar a Grande Tribulação, acontecerá um grande livramento para os cristãos fiéis, chamado de: o Arrebatamento. Este evento ocorrerá no mesmo momento em todo o mundo, num abrir e fechar de olhos (I Coríntios 15:51-52), os mortos (os que morreram crendo) em Cristo ressuscitarão primeiro e, depois, os fiéis (que creem em Jesus) que estiverem vivos serão arrebatados juntamente com aqueles, a encontrar o Senhor nos ares (I Tessalonicenses 4:16-17).

A Bíblia nos revela que este evento é antes da Grande Tribulação e, como esta já se aproxima, muito mais próximo ainda está o Arrebatamento. Veja alguns versículos da Bíblia que provam que o arrebatamento será antes da grande tribulação.

1) Isaías 57:1 “Perece o justo, e não há quem considere isso em seu coração, e os homens compassivos são recolhidos, sem que alguém considere que o justo é levado antes do mal.”

Isto é, os homens misericordiosos (compassivos) são arrebatados (recolhidos), sem que alguém perceba (considere)  – não percebe pois o arrebatamento é num abrir e fechar de olhos – que o justo é levado (arrebatado) antes  do mal (Grande Tribulação);

2) Sofonias 2:3 “Buscai ao SENHOR, vós todos os mansos da terra, que tendes posto por obra o seu juízo; buscai a justiça, buscai a mansidão; pode ser que sejais escondidos no dia da ira do SENHOR.”

Ser escondido da ira do Senhor significa NÃO passar pelo tempo de ira do Senhor (Grande Tribulação). Os mansos serão arrebatados pelo Senhor e não passarão pelo dia da ira do Senhor, não passarão pela Grande Tribulação, pois o Arrebatamento será ANTES do tempo da ira.

3)  Lc 17:26-27 (Jesus adverte que como foi nos dias de Noé assim será nos dias do Filho do Homem) “E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem. Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos.” (Lucas 17:26-27). A ordem dos acontecimentos é fundamental: Primeiro Noé entrou na arca, Depois o dilúvio consumiu a todos. Primeiro o Filho do Homem vem para arrebatar sua Noiva, Depois virá sobre o mundo a Grande Tribulação.

4) Lc 17:28-29 (Jesus adverte que como foi nos dias de Ló assim será nos dias do Filho do Homem)  “Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos.” (Lucas 17:28-29).  Novamente, a ordem dos acontecimentos é fundamental: Primeiro Ló saiu de Sodoma, Depois choveu do céu fogo e enxofre e os consumiu a todos. Novamente também  se confirma: Primeiro o Filho do Homem vem para arrebatar sua Noiva, Depois virá sobre o mundo a Grande Tribulação.

5) I Ts 5:1-4,9 (O apóstolo Paulo ao responder as questões da igreja de Tessalônica sobre o arrebatamento no cap 4 e sobre a época do arrebatamento no cap. 5, revelando claramente que Deus não nos destinou para ira, ou seja, que a igreja do Senhor certamente escapará da Grande Tribulação). “Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva; Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo,” (1 Tessalonicenses 5:1-4,9).

Quem é Siló nas profecias Bíblicas?




Que venha Siló, e a Ele se congregarão os povos. Gn 49:10


Wilma Rejane

Estudar sobre o significado de Siló, me encheu de alegria e gratidão a Deus. Lembrei das tantas vezes em que a vida me fez pensar que a derrota havia me alcançado de uma vez por todas, e passados  dias, meses ou mesmo anos, pude compreender que na “casa do luto” existe e reside novos começos possíveis aos que jamais perdem a fé e a esperança na fidelidade de Deus.

Siló é citado pela primeira vez no livro de Gênesis. No começo da história de amor, entre Deus e o homem. Siló está no principio, como uma profecia  de Jacó (Israel) para Judá, para seu filho Judá e toda a tribo de mesmo nome e ainda para todos os povos:“ O cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Siló, e a Ele se congregarão os povos” Gn 49:10

Quem é Siló? O que esta palavra significa? É quase impossível decifrar o significado de Siló se não fizermos um estudo detalhado incluindo Antigo e Novo Testamento. No verso de Gênesis, Siló está como nome próprio, uma palavra composta da reunião de dois vocábulos: shel e loh, significando “a quem alguma coisa pertence, a quem pertence o domínio, o que tem o reino” ( Strong 07886). Porém, e por muito tempo, Siló foi a denominação dada a uma região de Israel.

“ E toda a congregação dos filhos de Israel, se ajuntou em Siló, e ali armaram a tenda da congregação, depois que a terra foi sujeita diante deles” Js 18:1

“ Subia, pois, este homem da sua cidade, de ano em ano a adorar e a sacrificar ao Senhor dos exércitos em Siló, e estavam ali os sacerdotes em Siló” I Sm 1:3

Siló era o mais importante local de culto de toda a Palestina, ficava a 38 quilômetros ao Norte de Jerusalém, na região de Efraim. Multidões concorriam a Siló para adorar, sacrificar a Deus e consultar os sacerdotes, dentre eles Eli e também ao profeta Samuel. A arca da Aliança permaneceu nessa cidade por mais de um século, no talmude está escrito que na verdade, foram 369 anos de permanência da Arca da Aliança em Siló.

Desvendando as visões do profeta Ezequiel


Do Instituto Bíblico de Israel
Parceiro do Tenda na Rocha

O livro de Ezequiel é o terceiro dos principais livros proféticos da Bíblia hebraica, seguindo os livros de Isaías e Jeremias. Ezequiel é uma figura única, ao contrário da maioria dos profetas,  ele entregou todos os seus oráculos fora da terra de Israel. Ele esteve ativo por aproximadamente 25 anos (593-571 a.C) como parte da comunidade dos Judahitas exilados na Babilônia. Embora ele não tenha sido testemunha de primeira mão, Ezequiel viveu até o maior desastre da história dos israelitas naquele tempo: a destruição total da cidade de Jerusalém em 586 a.C. Nós não sabemos nada sobre sua vida antes dos 30 anos quando ele recebeu sua primeira visão pelo rio Quebar no exílio babilônico. No ano de 593 a.C, ele recebeu sua primeira visão: a Visão da Carruagem, também chamada de Visão do Trono Divino. Esta é uma das passagens mais intrigantes da Bíblia e serviu de base para muitas tradições místicas sobre a aparição do trono de Deus, como a visão de João em Apocalipse 4 e a literatura merkavah medieval judaica. A teofania começa com este versículo:

Quando olhei, um vento tempestuoso saiu do norte: uma grande nuvem com brilho ao redor e fogo flamejando continuamente, e no meio do fogo, algo como âmbar reluzente. (Ezequiel 1: 4)

Tudo ainda é muito nebuloso neste momento. O vento, nuvem, fogo são característicos de outras aparições de Deus na Bíblia, por exemplo, a revelação no Monte Sinai (Êxodo 19: 16-20) bem como o Salmo 18. Ezequiel não pode ver a carruagem claramente ainda devido a todas as nuvens e a luz brilhante. Esta é uma razão pela qual este capítulo usa as palavras “algo parecido” (hebraico: demut) tantas vezes. Progressivamente, a visão se torna mais clara nos versos subsequentes. A primeira coisa que o profeta identifica através da neblina são quatro criaturas:

No meio disso, havia algo como quatro criaturas vivas. Essa era a aparência deles: eles eram de forma humana. (Ezequiel 1: 5)

Note que Ezequiel tem o cuidado de não rotular essas figuras sagradas como animais reais, apenas semelhanças de animais. Ele usa o termo “algo parecido” ou no rebuscado hebraico, que significa “semelhança” ou “aparência”. Essa palavra é usada dez vezes nesta visão. Em hebraico, os “quatro seres viventes” são arba chayot. A palavra chaya vem da raiz toיה “para viver”, que é também a fonte do nome hebraico חוה Chavah = Eva (Gênesis 3:20). Estes são parcialmente humanos, em parte animais, tendo muito em comum com ambos os serafins (Is 6: 2) e os querubins (1 Rs 6: 23-28) encarregados de guardar o Santo dos Santos dentro do Templo. Muitos estudiosos têm apontado que, como Ezequiel estava morando na Babilônia, sua visão poderia ser baseada em uma estátua chamada shedu ou lamassu. Esta é uma divindade protetora, muitas vezes descrita como uma fantástica criatura híbrida com cabeça de humano, corpo de boi ou leão e asas de pássaro. Arqueólogos descobriram muitos exemplos de tais estátuas como parte das portas do palácio de antigas cidades da Mesopotâmia, como Nínive, Persépolis e Khorsabad (Dur-Sharrukin).

Ezequiel prossegue descrevendo essas criaturas apavorantes em mais detalhes:

Deus responde orações


 

De Dwight Lyman Moody
Tradução de João Cruzué


Eu suponho que não exista nos lábios cristãos nenhuma palavra tão frequentemente dita nos dias atuais como a palavra “oração” e não haja ninguém que não pensou muitas vezes durante as últimas quarenta e oito horas na importância de orar. São muitos os que não apenas estão pensando, mas falando a respeito disso. Quando há um interesse especial e um despertamento na comunidade sobre o assunto religioso, então muitos cépticos e infiéis, muitos meros professores de cristianismo – e nós não os julgaremos – começam a falar contra a oração

Eles dizem: “O Criador deste mundo não vai mudar seus planos por causa dessas orações. O mundo segue em frente. Você não pode persuadir a Deus para mudar Sua mente e Sua conduta”. Você ouve isso de todos os lados. Os jovens convertidos ouvem isto. Eu não tenho dúvidas de que muitos estão vacilando e quando se ajoelham ainda dizem: De fato Deus responde a oração? Existe algo de verdade nisso?"

Creio que  seria muito bom tomar a palavra “oração” e percorrer suas pegadas através da Bíblia. Penso que vocês ficariam perfeitamente assombrados se eu tomasse a palavra “oração” e contasse onde estão registrados os casos de pessoas orando e Deus respondendo suas orações, na Bíblia.

Muitos acham que são apenas os completamente justos e puros que oram. Mas vocês devem se lembrar daquele que orou desta forma, “ Senhor, lembra-te de mim, quando estiveres em Teu Reino”, vocês se lembrarão que Cristo respondeu a oração do ladrão moribundo.

Nós não podemos a não ser concordar que todo homem de Deus citado na Bíblia era um homem de oração. Vocês têm, por isso, uma autoridade e encorajamento para pedir a Deus que ouça suas orações e suas orações em favor de outros. 

Examinem Filipenses 4:6 “Não estejais inquietos por coisa alguma, mas em tudo dai graças – marquem bem isto: pela oração e súplica, com ações de graças, deixem as vossas petições serem conhecidas diante de Deus. Ele não diz que responderá a todas, mas diz: E a paz de Deus, que excede a todo entendimento, guardará vossos corações e vossas mentes em Jesus Cristo.”

Saudando 2021 com Salmos e canção




Wilma Rejane 

O ano de 2020 foi um ano diferente e que nos deixa a certeza de que nada mais será igual. Um ano de luto para muitos e sobretudo de muito aprendizado. Em 2020 aprendi que precisava aprender coisas que havia esquecido, pois o silêncio da quarentena confrontou-me, fez-me interrogar sobre prioridades e fez-me ouvir verdades necessárias obscurecidas pelo barulho da rotina agitada. Já escrevi anteriormente e vou repetir: em um ano de tantas calamidades, todas as coisas contribuíram e continuarão a contribuir para o bem dos que amam a Deus, Romanos 8:28 (a).


Desejamos à todos os leitores um 2021 de saúde e crescimento espiritual, que às dificuldades jamais sejam maiores que a fé em um Deus bondoso e justo que abriga seus filhos à sombra de Suas asas até que passem às calamidades (Salmo 57:1). Um outro Salmo diz: "Andando eu no meio da angústia, Tu me reviverás", Salmo 138:7, há um reconhecimento de dias difíceis, angustiantes, contudo, há a certeza de um sustento que vem de Deus revigorando a alma. Que assim seja para todos nós. 

Natal e a mensagem dos anjos para nossos dias

 



Wilma Rejane

"E no primeiro dia da semana, muito de madrugada, foram elas ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado, e algumas outras com elas. E acharam a pedra revolvida do sepulcro. E, entrando, não acharam o corpo do Senhor Jesus. E aconteceu que, estando elas muito perplexas a esse respeito, eis que pararam junto delas dois homens, com vestes resplandecentes. E, estando elas muito atemorizadas, e abaixando o rosto para o chão, eles lhes disseram: Por que buscais o vivente entre os mortos? Não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos como vos falou, estando ainda na Galileia, dizendo: Convém que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e ao terceiro dia ressuscite. E lembraram-se das suas palavras.” Lucas 24:1-8

Elas perderam o sono. Dedicaram tempo e renda no preparo de especiarias para ungir o corpo de Jesus que já havia ressuscitado. Estavam em grupo porque sabiam que precisariam remover a pesada pedra. Essas mulheres amavam a Jesus, com todo o coração e sentiam Sua falta, as marcas da profunda convivência que tiveram com Ele não haviam sido apagadas com a morte, mas havia lhes deixado um vazio que não seria preenchido por mais nada nem ninguém.

Naquela madruga seus planos foram frustrados, elas foram surpreendidas por mensageiros de Deus cuja visão era tão esplendorosa que se encheram de temor. A luminosidade das vestes dos anjos provocou um desvio de visão, de foco, e todas olharam para o chão. Perplexas, não ousaram olhar diretamente para eles. A glória do Senhor estava visitando-as e convertendo suas expectativas para algo maior e real.

E tudo isso acontece na entrada de um sepulcro, para que saibamos que a ressurreição de Jesus traz de volta a certeza de transformação. Uma certeza que eleva nossa visão para o alto, desviando as expectativas do socorro dessa terra para refugiar-se em Deus. Um Deus que surpreende. A  vida é também repleta de surpresas, de sepulcros que se velam, de madrugadas sem sono, de especiarias  derramadas em mortos. Especiarias comparadas a riso, alegria, tranquilidade abalada pela decepção de caminhadas frustradas.

Tempo de arrependimento e perdão como na Eira de Araúna



Wilma Rejane

O relato sobre a Eira de Araúna está presente em dois livros da Bíblia: II Samuel 24 (escrito por profeta Samuel)  e  I Crônicas 21 ( escrito por Esdras) . Os dois relatos trazem algumas diferenças, por exemplo: através de Samuel, toma-se conhecimento que a eira em questão pertence a Araúna. A mesma eira é descrita por Esdras como pertencente a Ornã. Araúna e Ornã são a mesma pessoa? Na teologia brasileira, os diferentes nomes definem a mesma pessoa. Existe, porém, uma publicação chamada “The New Man” de Thomas Merton  que considera Ornã e Araúna pessoas distintas, os dois seriam irmãos. O detalhe de identidade, contudo, não prejudica a história. 

A eira emerge na bíblia em uma situação um tanto delicada: Rei Davi havia feito um censo (numeração de povos) e, por este motivo, Deus estava descontente, irado. Todas as vezes que um censo é citado na Bíblia, a citação vem acompanhada da lembrança de que Deus é quem ordena a numeração, vide:

Como o Senhor ordenara a Moisés, assim  numerou os filhos de Israel no deserto de Sinai.” Números 1: 19

“Depois da praga, o Senhor disse a Moisés e a Eleazar, filho do sacerdote Arão:  façam um recenseamento de toda a comunidade de Israel, segundo as suas famílias; contem todos os de vinte anos para cima que possam servir no exército de Israel”. Números 26: 1,3

Portanto, um censo, embora sendo responsabilidade do Estado naquela época, era consequência de uma determinação Divina. O censo tinha como principais finalidades:

A Igreja Não Passará Pela Grande Tribulação

 


Wilma Rejane

Olá queridos leitores!

Temos alguns estudos no blog sobre "Final dos tempos", é um tema que considero difícil e muito complexo, portanto, sempre recorri a autores especialistas na área para comentar sobre. E apesar de ler, estudar, publicar, republicar, algumas dúvidas sempre persistiram, por exemplo: quando e como será o arrebatamento? Não há consenso, são muitas escolas escatológicas defendendo visões diferentes: Pré- tribulação, pós- tribulação, dispensacionalismo. Contudo, apesar das dificuldades de compreensão, a concepção pós-tribulação me parecia mais sensata e coerente com as Escrituras.

Esse dilema, enfim, foi esclarecido para mim. Após orar diariamente e pedir entendimento a Deus, Ele me respondeu através de um estudo muito simples e breve de um irmão que mal sabia pronunciar o português corretamente. Deus tem levantado muitas pessoas do meio de seu povo para falar nesses últimos dias, pessoas sem títulos ou fama. E ao ouvir aquele irmão o Espírito Santo confirmou a mensagem no meu coração de modo que chorei muito na oração da noite, a sós em meu diálogo com Deus.

Recomendando para buscarem na Palavra de Deus e na oração a confirmação do que vos escrevo: 


A grande oração de poucas palavras

 

João Cruzué

"Senhor, filho de Davi, tem misericórdia de mim. Senhor, socorre-me. Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores. Disse, uma mulher cananeia. Ó mulher, grande é a tua fé. Seja feito para contigo, como tu desejas", Disse Jesus. E desde aquela hora, a filha daquela mulher ficou livre. Atitude, humildade, oração e vitória. Mateus 15:21-28

A mulher cananeia tinha uma filha cativa por um demônio que a fazia sofrer miseravelmente. Jesus estava passando na região de Tiro e Sidon. Ela estava diante de uma única oportunidade. E não a desperdiçou. Quem sabe você tem um problema parecido. Não sabemos quantos anos tinha a filha daquela senhora. Mas sabemos que sua mãe tinha um propósito: conseguir a liberdade da filha. Ela não era de Israel. Era estrangeira. Ela não tinha amigos entre os discípulos de Jesus, por isso gritava. Perturbava. E Jesus permanecia em silêncio. Era o Messias; o enviado de Deus exclusivo para Israel. Os estrangeiros, naquele tempo, não faziam parte da sua missão. A mulher insistia.

E quem busca, acha. Quem pede, recebe. E quem bate, a porta abrir-se-lhe-á. Ela seguiu literalmente esta receita, sem nunca tê-la ouvido. Buscou, pediu, gritou e bateu. Humilhou-se. Insistiu. Até receber a admiração e o favor do Senhor - a libertação da filha. Chegou aflita, desesperada. Ouviu palavras duras, mas não desanimou. Saiu chorando, mas não de tristeza: de contentamento. Sua filha estava livre.

Ninguém sabe como aquela mulher achou Jesus. Nem ficou evidente quem lhe falou sobre o poder do Senhor sobre os demônios. Também não está escrito como descobriu que a vida miserável da filha era causada por um demônio. Aquela mulher estava no tempo e lugar certos. Disse Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. "Buscar-me-eis e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração"

Como foi possível àquela mulher conseguir sua bênção com tão poucas palavras?

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...