Morre o blogueiro evangélico Júlio Severo

 

Wilma Rejane

A blogosfera evangélica perde um escritor, polêmico, firme em seu combate à agenda LGBTS, morre Júlio Severo. Júlio mantinha um blog "Júlio Severo", sua última postagem data de 29 de Abril, poucos dias antes de sua morte, de infarto, na Guatemala. Júlio deixou o Brasil depois que passou a ser perseguido pelo Ministério Público Federal sob denúncias de “homofobia” por sua cobertura na Parada Gay de 2006, deixa esposa Sarah e 6 filhos.

Senti e noticio a morte de Júlio Severo a quem nunca conheci pessoalmente, a não ser através de seus escritos, pois, semanalmente costumava ler seu blog, lia seus apelos por doações e apesar das críticas por essa sua atitude, o compreendia porque escrever era seu "ganha pão". E para se escrever qualquer artigo é necessário desprender tempo em leitura, pesquisa e conjecturas. Ele se dedicou a isso por anos e sempre o acompanhei, apesar de discordar de alguns posicionamentos.

A verdade é que a blogosfera evangélica está morrendo aos poucos. Muitos irmãos em Cristo desistiram de seus blogs, outros, a exemplo do Júlio Severo, partiram para encontrar o autor da vida. Como diz o irmão João Cruzué: "quem continua nessa jornada é por teimosia" e amor ao Evangelho. Mas a plataforma blogger também está perecendo; não atualiza suas funções e vai perdendo terreno para as redes sociais.

O que Davi ensina sobre vencer gigantes

 


Wallace Sousa

(Eles viram) Então saiu do arraial dos filisteus um homem guerreiro, cujo nome era Golias, de Gate, que tinha de altura seis côvados e um palmo. 1 Samuel 17:4

(Eles ouviram) Disse mais o filisteu: Hoje desafio as companhias de Israel, dizendo: Dai-me um homem, para que ambos pelejemos. Ouvindo então Saul e todo o Israel estas palavras do filisteu, espantaram-se, e temeram muito. 1 Samuel 17:10,11

(Davi viu e ouviu) E, estando ele ainda falando com eles, eis que vinha subindo do exército dos filisteus o homem guerreiro, cujo nome era Golias, o filisteu de Gate; e falou conforme àquelas palavras, e Davi as ouviu. 1 Samuel 17:23

(Davi falou) E, ouvidas as palavras que Davi havia falado, as anunciaram a Saul, que mandou chamá-lo. 1 Samuel 17:31

(Davi pensou) Assim feria o teu servo o leão, como o urso; assim será este incircunciso filisteu como um deles; porquanto afrontou os exércitos do Deus vivo. 1 Samuel 17:36

(Davi fez) Por isso correu Davi, e pôs-se em pé sobre o filisteu, e tomou a sua espada, e tirou-a da bainha, e o matou, e lhe cortou com ela a cabeça; vendo então os filisteus, que o seu herói era morto, fugiram. 1 Samuel 17:51

Introdução

Davi é, sem sombra de dúvidas, um dos maiores referenciais bíblicos da vida cristã e, claro, da vida de um judeu. Não à toa, afinal Davi foi um grande guerreiro e vencedor de inúmeras batalhas. Todavia, a batalha que o consagrou e o tirou do anonimato e o lançou ao estrelato foi aquela que ele enfrentou o gigante Golias.

Golias era um guerreiro temido e, claro, de proporções assustadoras. Segundo a medida de sua estatura em côvados, ele teria cerca de 2,90m de altura[1], além de força descomunal e destreza na luta, conforme se observa no texto bíblico de 1 Samuel 17. Essa “criança” foi quem Davi derrotou, quando era ainda pouco mais que uma criança.

E é com esse mesmo Davi que podemos obter inspiração e motivação para enfrentarmos nossos gigantes e vencê-los, sejam eles quais forem em nossas vidas: espirituais, financeiros, materiais, profissionais, intelectuais e até mesmo pessoais.

Neste post eu quero lhe mostrar que você também, a exemplo de Davi, também pode vencer seus gigantes, por mais improvável que possa ser a vitória!

Assim, vamos ver o que Davi fez de diferente – ou igual – para ser um vencedor e como nós também podemos seguir ser exemplo.

Amós e a mensagem dos sicômoros

Judeu nas comemorações da Páscoa 2013 em Hebrom: " Louvado seja Deus em Israel"
Fotografia: israelnationalnews
 

Wilma Rejane

Israel vivia um período de grande prosperidade material. Os ricos cada vez mais ricos e os pobres sendo oprimidos. O sistema judicial corrompido, luxuria e idolatria generalizados, contudo,  a nação acreditava que Deus os abençoava por conta da expansão no comércio, das alianças politicas e vitórias militares. Estavam enganados. A abundância dos celeiros não representava a alegria de Deus. O sorriso da nação necessitava ser voltado para os céus, para as coisas espirituais e para Iavé, Aquele que os amava tanto e de tal forma que havia providenciado um profeta para entregar-lhes mensagem de arrependimento. 

Era reinado de Uzias, um período que corresponde a 792-740 a. C (Judá) e Jeroboão II 793-753 a.C. (Israel). Judá e Israel precisavam ouvir,  encontrar o caminho de volta ao relacionamento sincero e profundo com Deus, afinal, aquelas nações haviam sido escolhidas para dizer ao mundo: "Ao Senhor Seu Deus adorarás e somente a Ele servirá". Como poderia o espelho do mundo está tão manchado de sangue, obscurecido pelas trevas constantes que se apresentavam perante eles, conduzindo-os no secreto dos corações, nos lugares altos e baixos do relevo palestino? Eles precisavam ser feridos para despertar da ilusão do pecado!

E Deus envia Amós, um boiadeiro e cultivador de sicômoros, para ser o farol, o portador de Sua mensagem. E os reis se aterrorizam com o agricultor que recusava título de profeta, mas cujas palavras cortavam qual navalha afiada:

"Foge daqui Amós, não profetizarás mais em Bétel, porque aqui é o santuário do rei" Amós 7:13.

E Amós responde: " Não sou profeta, nem filho de profeta, mas boiadeiro e cultivador de sicômoros" Amós 7:14.

E essa fala de Amós sempre mexeu comigo, porque ao reconhecer sua pequenez ele se torna grande. Que mensageiro era esse? Retirado de detrás do rebanho, das copas das figueiras bravas, mãos calejadas e vestes puídas? Amós, a quem Deus envia: "Vai Amós, para o palácio dos reis, diz para eles que precisam obedecer a mim, tal qual os bois de tua boiada. Sim, essa gente farta e forte, precisa de um condutor, precisa aprumar as passadas, antes que eu os entregue ao matadouro. Vai,  diz para esses nobres que eles não passam de figueira brava que só crescem e amadurecem ao serem feridos." Quanta profundidade nessa mensagem de Deus através de Amós!

Remendo de pano novo em veste velha

 


Wilma Rejane

Ninguém deita remendo de pano novo, em veste velha,
porque semelhante remendo rompe a veste e faz-se maior a rotura
” Mt 9:16

Remendos são soluções provisórias para prolongar a vida útil de uma veste e a palavra grega usada por Jesus sobre remendo foi “Agnaphos”, indicando um tipo de tecido inacabado, de algodão e fibras ainda desalinhadas, ou seja: um tecido que  precisaria de retoques especiais para  ser utilizado e nunca em veste velha, caso contrário, com a subsequente lavagem e uso, o rasgo se tornaria ainda maior. A fraqueza do tecido velho, não suportaria a junção e resistência do novo. Que significado teria essa parábola de Jesus?

Quando Jesus falou sobre veste e remendo Ele estava diante de alguns discípulos de João Batista que o interrogavam sobre jejum. A necessidade de tal pratica também era observada com afinco pelo clero fariseu. A contextualização da conversa, portanto,  girava em torno de fariseus e discípulos de João batista: “ Podem porventura andar triste os filhos das bodas , enquanto o esposo está com eles? Dias, porém virão, em que lhes será tirado o esposo, então jejuarão. Ninguém deita remendo  de pano novo em veste velha, porque semelhante remendo rompe a veste e torna ainda maior a rotura” Mt 9: 15:16. O tecido novo  era o próprio Jesus, a Nova Aliança da graça. A roupa velha era a lei, todo o sistema religioso que dominava os fariseus, escribas e religiosos da época que não compreendiam os requisitos para o Novo Reino: arrependimento, perdão, novo nascimento.


Jesus estava com eles e Ele era maior que toda e qualquer regra. A santidade consistia em se aproximar Dele e recebê-Lo no coração sendo novo homem, com nova vida. Era impossível seguir Jesus e continuar servindo ao antigo sistema de obras e tradições. A Nova Aliança, era aquele tecido inacabado, porque Jesus ainda seria morto e ressuscitaria para cumprir definitivamente o plano salvífico. Os filhos das bodas eram os discípulos. Jesus o esposo; O noivo que seria tirado após a ressurreição sendo elevado ao céu (Atos 1:9) para aguardar o cumprimento dos tempos.

Jesus aponta para um futuro em que os corações dos homens seriam comparados a vestes novas, brancas, completas, sem remendos. Uma transformação possível através da fé e não de tradições. Do amor, e não da religião. Da graça que se cumpre com a ação do Espírito Santo em nós. Eis o reino de vestes que não precisam de remendos.

Por que devemos orar pelas autoridades?

 

Wallace Sousa


Por que devemos orar pelas autoridades?
Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens, pelos reis, e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranqüila sossegada, em toda a piedade honestidade. Pois isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. (ênfases acrescidas)
Hoje fiz mais uma visita ao Congresso Nacional, a casa das leis do Brasil. Uma coisa que chama a atenção é o espelho d'água em volta do sítio legislativo. Chama a atenção a sujeira. Mas, apesar de tão sujo, ainda pude ver vários peixes chafurdando nadando em suas águas turvas.

Uma irmã a quem eu acompanhava e ciceroneava comentou que aquela água representava o resultado ou produto de um banho das suas excrescências excelências. Todavia, pensando bem, eu disse que aquela água, apesar de tão suja, ainda era melhor do que o subproduto de um banho legislatório, e quer saber por quê? Simples: aquelas águas barrentas e lodosas ainda tinham VIDA, e o mesmo não pode ser dito de muitos de nossos representantes políticos. Estão mortos em seus delitos e pecados, e a fedentina de sua indefecável presença é sentida em todo o território nacional.

Quando eu estava na sala da presidência da Câmara, passando tristemente a mão na cadeira em que o ilustre presidente assenta seu  honorável e impoluto derrière, fiquei questionando qual seria a saída para tirar o Brasil deste lamaçal, desse tremedal horrível em que nos metemos. Muito abatido, fui obrigado a reconhecer que não havia saída para o Brasil, visto que a corrupção desenfreada está em todos os níveis, os que comandam os esquemas têm todas as ferramentas em suas mãos e a seus pés. Nós não temos saída, humanamente falando, essa é a triste realidade que nos choca e abate.

Mas, então me lembrei do texto bíblico da exortação de Paulo a Timóteo, e cheguei à conclusão que o Brasil está na situação que está por culpa da igreja. A igreja tem culpa porque não está fazendo a vontade revelada de Deus: orar pelas autoridades. Ao fazer uma afirmação desse porte, estou ciente de que serei questionado e criticado à vontade, mas vou apresentar as razões que balizarão minha conclusão.

Revelações sobre a Páscoa no livro de Josué e de João

 



Wilma Rejane

Alguma vez ao ler o milagre da multiplicação dos pães e peixes você relacionou-o com a entrada dos israelitas na terra prometida? Se ainda não fez essa conexão entre Antigo e Novo Testamento convido-o a ler o artigo e se aprofundar um pouco mais no estudo da Palavra. É simplesmente maravilhoso constatar a perfeição das Escrituras e a grandeza escondida nos detalhes.  

No livro de Josué, capitulo 5, encontraremos subsídios para compreendermos melhor o que foi descrito pelos evangelistas: Mateus, Marcos, Lucas e João sobre a multiplicação. Façamos, portanto, um paralelo entre Josué e João ( antigo testamento e novo testamento).

João 6: 1 a 14:


Depois disto partiu Jesus para o outro lado do mar da Galileia, que é o de Tiberíades. E grande multidão o seguia, porque via os sinais que operava sobre os enfermos. E Jesus subiu ao monte, e assentou-se ali com os seus discípulos. E a páscoa, a festa dos judeus, estava próxima. Então Jesus, levantando os olhos, e vendo que uma grande multidão vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pão, para estes comerem? Mas dizia isto para o experimentar; porque ele bem sabia o que havia de fazer. Filipe respondeu-lhe: Duzentos dinheiros de pão não lhes bastarão, para que cada um deles tome um pouco. E um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro, disse-lhe: Está aqui um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas que é isto para tantos? E disse Jesus: Mandai assentar os homens. E havia muita relva naquele lugar. Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco mil.

E Jesus tomou os pães e, havendo dado graças, repartiu-os pelos discípulos, e os discípulos pelos que estavam assentados; e igualmente também dos peixes, quanto eles queriam. E, quando estavam saciados, disse aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobejaram, para que nada se perca. Recolheram-nos, pois, e encheram doze alcofas de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobejaram aos que haviam comido. Vendo, pois, aqueles homens o milagre que Jesus tinha feito, diziam: Este é verdadeiramente o profeta que devia vir ao mundo. ”


Josué capitulo 5: 10 a 12:

 "Na tarde do décimo quarto dia do mês, enquanto estavam acampados em Gilgal, na planície de Jericó, os israelitas celebraram a Páscoa. No dia seguinte ao da Páscoa, nesse mesmo dia, eles comeram pães sem fermento e grãos de trigo tostados, produtos daquela terra. Um dia depois de comerem do produto da terra, o maná cessou. Já não havia maná para os israelitas, e naquele mesmo ano eles comeram do fruto da terra de Canaã."

Não se desespere

 



Wilma Rejane

“E eis que no mesmo dia iam dois deles para uma aldeia, que distava de Jerusalém sessenta estádios, cujo nome era Emaús. E iam falando entre si de tudo aquilo que havia sucedido. E aconteceu que, indo eles falando entre si, e fazendo perguntas um ao outro, o mesmo Jesus se aproximou, e ia com eles. Mas os olhos deles estavam como que fechados, para que o não conhecessem. E ele lhes disse: Que palavras são essas que, caminhando, trocais entre vós, e por que estais tristes?” Lucas 24:13-17

Dois discípulos voltavam de Jerusalém: tristes, desesperançosos, decepcionados. Jesus havia ressuscitado e eles viram apenas o túmulo vazio. Não viram Jesus. Iam conversando pelo caminho, dispostos a abandonar tudo quanto criam, afinal, não fazia sentido seguir um morto. Mas Jesus também ia por aquele caminho com eles, interessado em seus sentimentos.

E ao reler essa passagem Bíblica, me ocorreu que aqueles dois discípulos já haviam transitado muitas vezes por aquele caminho de volta a Emaús: alegres, esperançosos, confiantes. Naquele dia os sentimentos eram diferentes, pois, em Jerusalém haviam deixado sua fé no Cristo ressuscitado. Cheios de dúvidas, apoiavam-se mutuamente, ambos eram testemunhas de um tempo glorioso com endereço no passado.

Aquele caminho em Emaús é o mesmo que passamos, por muitas vezes: tristezas, desesperanças, decepções. Buscando apoiar-se em pessoas, com interrogações não respondidas, sendo  Cristo considerado  uma fábula. Apesar da descrença, Jesus estava com eles. Sua morte era um marco, não  um fim. Um começo, recomeço de algo muito maior. 

Quando tudo parecer perdido

 



 "Faze-me saber os teus caminhos Senhor; ensina-me as tuas veredas.
Guia-me na tua verdade e ensina-me, pois tu és o Deus da minha salvação;
por ti estou esperando todo dia" Salmo 25: 4-5.



João Cruzué 

Um fato é inegável. Nós cristãos não estamos livres da crise nem da depressão. Elas podem atingir a todos - crentes e descrentes - sem distinções. Já tenho escrito algumas vezes sobre isso, porque eu estive lá. Foram 11 longos anos de desemprego onde o pão de cada dia para minha casa foi diminuindo, diminuindo, até quase secar. Apesar ser graduado, falar duas línguas, ter trabalhado com estrangeiros por mais de 10 anos, quando a porta se fechou, alguém jogou a chave fora e eu fiquei sozinho. Então, o conteúdo deste texto não vai ser técnico. Não vou dissertar sobre "n" passos para vencer a depressão. Vou apenas dar meu testemunho de como passei por ela e que lição tirei dessa experiência muito difícil. Quero  para compartilhar isso com você - que agora está lendo este texto e precisa de uma palavra de Deus.

Sem rodeios. Deus permite que passemos alguns dias (ou anos) no vale da depressão porque tem um propósito especial em nossa vida. Para encontrar este caminho e conhecer este propósito nós temos um problema: nós mesmos. Somos por demais vaidosos. Nossa vontade costuma prevalecer sobre a vontade de Deus. Nossa oração é pouca. Nosso conforto, esplêndido. Nossos planos, humanos. Com tantos cuidados desta vida, perdemos o caminho da vontade de Deus - o SENHOR. 

E de repente, eu comecei a enviar currículos. Fiquei desempregado em 31.07.1992. O ano de 1992 se passou e nada de uma porta de emprego aberta. Veio 1993, continuei enviando currículos. Sem nada à vista, apesar de ser contador graduado, profissional competente para fazer balanços em português e inglês, lá fui eu para o sítio. Fui plantar tomates. Preços ruins, 800 km longe de casa. Longe da família, uma senhora luta. Não deu prejuízos, ganhei o suficiente para alguns meses. Veio 1994; refiz e enviei outros currículos. Nada!Se de um lado os ventos da luta financeira sopravam trazendo a secura do deserto, na vida espiritual as coisas não estavam no mesmo plano. Comecei a dirigir minha primeira congregação, cooperando com o saudoso pastor Luiz Vicente Branco. Foram 67 meses cuidando da congregação da Assembleia de Deus do Parque Santo Antonio. Sim, sessenta e sete, porque eu não sairia com "66". A Igreja não percebia tanto a luta que passávamos, pois os cultos eram muito bons. As festas de Círculo de Oração e de grupo de Crianças, maravilhosas.

Em 1995, meus pais nos emprestaram uma quantia para o início de um comércio. A recessão pós-Collor estava só começando e não sabíamos. Prejuízo de 30 mil reais. Nossa filha mais velha, estava em colégio particular. Tiramos. Nossos móveis de quarto, sala e cozinha, todos velhos, nós deixamos. Nossa linha de telefone fixo, que valia na época R$5.200,00, nós a vendemos para pagar dívidas. Nosso carrinho velho, um Chevette Hatch ano 80, sem licenciamento desde 1992. Bebia um litro de óleo por semana. Em 1996, durante cinco meses do ano não tínhamos como fazer compras no supermercado. Foi neste ano que, certo dia, voltei para casa com meio kilo de café. Eu orei, dei graças, e aprendi o valor das pequenas coisas.

Jejum sem santidade não transforma realidade






Wilma Rejane 

O Ministério Torch Of Christ ou Tocha de Cristo tem ministrado arrependimento em diversos lugares do mundo. O evangelista Phillip Blair veste-se com pano de saco e brada pelas ruas das cidades, é um chamado seguido com paixão e simplicidade, é a mensagem do Evangelho em essência porque o arrependimento é central na obra de Jesus Cristo.

O ministério internacional conta com alguns brasileiros, entre os quais a Beatriz, esposa do Phillip Blair. Ambos fizeram recentemente uma jornada pelas ruas de algumas capitais do Brasil convocando as pessoas ao arrependimento. A série de pregações no Brasil pode ser acompanhada no canal do ministério no You Tube.

O vídeo postado no artigo é sobre o Jejum Nacional convocado por lideranças evangélicas, dia 29 de Março. Beatriz que esteve em Brasília com Phillip Blair, considerou o propósito do jejum desvirtuado. Publico o vídeo porque é o que também acredito.   Por exemplo, do profeta Isaías vemos Deus dizer a Israel que não receberia o jejum  porque havia pecado e opressão na nação  Isaías 58,  Portanto, um jejum sem arrependimento seria inválido. 

Tenho acompanhado diariamente as notícias nacionais  e internacionais e percebo que uma multidão de pessoas está distraída  e envolvida em contendas políticas, desapercebidos e distantes sobre o que Deus está falando. Em uma pandemia tão cruel, com tantas vidas ceifadas, as pessoas estão a negligenciar os propósitos da mensagem cristã.

Que a misericórdia do Senhor Jesus seja estendida sobre todos nós e que nossos corações estejam contritos e atentos à vontade de Deus. Deus salve o Brasil e o mundo,

Deus nos abençoe, em nome de Jesus.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...