Judas falou sobre a raiz do engano


Wilma Rejane

Você sabe qual a origem da palavra “engano”? Significa “plane” : peregrinação ( Stong 4106) , é raiz de “planeta”. Eu nunca tinha parado para refletir sobre essa palavrinha de três silabas até ler na epístola de Judas: “Ai deles, porque entraram pelo caminho de Caim, e foram levados pelo engano do prêmio de Balaão, e pereceram na contradição de Coré” Jd verso 11. Caim agiu enganosamente porque ao invés de cuidar do irmão, o matou. Balaão foi tentado a aceitar dinheiro e recompensas de Balaque para amaldiçoar Israel e Coré foi “engolido” pelo chão após liderar uma rebelião contra Moisés (Nm 16:1-24).  Judas compara a ação dos três aos falsos mestres.

O engano faz com que cometamos coisas terríveis! Engano torna o homem peregrino, andando em círculos, “planeteando”. Andar em círculos não é algo agradável porque faz com que passemos pelos mesmos lugares muitas vezes  sem nunca chegar a um destino. Ou melhor: o destino do peregrino é o abismo ( a exemplo de Coré). Por que? De tanto caminhar em círculos acaba por  formar uma depressão bem abaixo dos pés vindo a ser “engolido” por ela. Foi isso que aconteceu com a maioria dos Israelitas quando da caminhada de 40 anos pelo deserto. Uma caravana de 600 mil homens (sem contar mulheres e crianças) saiu do Egito rumo a terra prometida e somente dois conseguiram chegar lá: Josué e Calebe.

Josué e Calebe não se deixaram enganar pelas propostas do mundo nem  pelas dúvidas lançadas por Satanás. Os demais murmuravam de tudo e todos: “ ah os alhos do Egito eram tão deliciosos ! A comida de lá era muito melhor que esse maná horrível vindo do céu! Não Moisés, não queremos esse seu Deus que faz mar se abrir e monte fumegar, queremos um bezerrinho de ouro que não fala, nem vê, nem ouve, sabe? É melhor porque ele não nos corrige, para ele tá tudo bem! Oh vida,  Deus disse que nossa terra  era a melhor de todas, mas só estamos vendo gigantes! Eles vão acabar conosco, afinal somos muito fraquinhos. Não queremos esses cachos de uvas enormes, nem as graúdas azeitonas, queremos alho, alho do Egito, será que nos entende?!"

Quantas trombetas do Apocalipse já tocaram?



Wilma Rejane

Primeiramente, permita-me fazer algumas considerações sobre as interpretações teológicas acerca das Sete Trombetas citadas no livro de Apocalipse, capítulos 8 e 9. A compreensão do tema se torna complexa considerando que existem diversos métodos interpretativos, a saber: Historicismo (presente), Preterismo (passado), Futurismo (futuro) e Idealismo (atemporal). Portanto, para qualquer exposição escatológica, faz-se necessário identificar-se com alguns dos métodos a fim de situar o discurso e os ouvintes.

A variedade de interpretações dentro do protestantismo e da igreja evangélica (tradicional e pentecostal) dificulta o consenso e a compreensão sobre o tempo de cumprimento das Trombetas. Cria-se, portanto, nas igrejas, estudiosos independentes que optam por acreditar no que decorre de interpretações e revelações pessoais.

Já entre os Adventistas existe uma linha de pensamento historicista adotada,  com vasta literatura sobre As Trombetas e o Apocalipse de modo geral.  Para os adventistas, seis trombetas já tocaram faltando apenas a última que despertará os mortos para o arrebatamento. O quadro a seguir é um resumo da visão historicista adventista.


O soar das sete trombetas do Apocalipse



David Treybig
Tradução:
Wilma Rejane

O Apocalipse fala de sete trombetas que soarão antes do retorno de Cristo à Terra. Quais são as sete trombetas do Apocalipse? Por que Deus as enviará?

Os sete selos, sete trombetas e sete últimas pragas formam um esboço dos eventos proféticos que ocorrerão antes e no momento do retorno de Cristo à terra.  O sétimo selo representa o Dia do Senhor - o tema principal do livro do Apocalipse. Este sétimo selo inclui o julgamento de Deus sobre a humanidade desobediente na forma de sete pragas anunciadas por trombetas (Apocalipse 8-9) e sete últimas pragas (Apocalipse 15-16).

Sete trombetas na interpretação do Apocalipse

Quando o sétimo selo foi aberto, João viu sete anjos com sete trombetas. Quando cada anjo tocou sua trombeta, João viu pragas terríveis se desenrolar e ele usou uma poderosa linguagem simbólica para tentar descrever o que estava testemunhando.

Primeira trombeta: granizo e fogo misturado com sangue farão com que toda a grama da terra e um terço das árvores sejam queimadas ( Apocalipse 8: 7 ).

Segunda trombeta : Um grande objeto montanhoso em chamas será jogado nos oceanos da terra, fazendo com que um terço deles se torne sangue, um terço da vida marinha morra e um terço dos navios seja destruído ( versículos 8-9 ).

Terceira trombeta: João viu uma estrela ardente cair do céu em fontes de água doce, fazendo com que a água se tornasse amarga e matasse muitos ( versículos 10-11 ).

Quarta Trombeta: A luz do sol, da lua e das estrelas sobre a terra será diminuída em um terço ( versículo 12 ).

Quinta Trombeta (também chamada de primeira aflição): O que João só poderia descrever como um tipo incomum de gafanhoto que  emergirá na terra infligindo picadas intensamente dolorosas aos seres humanos por cinco meses (Apocalipse 9 : 1-12).

Sexta Trombeta (também chamada de segunda aflição): Quatro anjos serão libertados para matar um terço da população restante da Terra através de um exército de 200 milhões (versículos 13-19).

Sétima Trombeta (também chamada de terceira angústia): Quando esta trombeta soar, vozes no céu dirão: "Os reinos deste mundo se tornaram os reinos de nosso Senhor e de Seu Cristo, e Ele reinará para todo o sempre!" (Revelação 11:15). Esta sétima trombeta também inclui as sete últimas pragas.

Impacto das sete trombetas

Esperança em tempos de crise



Wallace Sousa

Isaque formou lavoura naquela terra e no mesmo ano colheu a cem por um, porque o Senhor o abençoou. O homem enriqueceu, e a sua riqueza continuou a aumentar, até que ficou riquíssimo. Possuía tantos rebanhos e servos que os filisteus o invejavam. Estes taparam todos os poços que os servos de Abraão, pai de Isaque, tinham cavado na sua época, enchendo-os de terra. Isaque reabriu os poços cavados no tempo de seu pai Abraão, os quais os filisteus fecharam depois que Abraão morreu, e deu-lhes os mesmos nomes que seu pai lhes tinha dado.

    Gênesis 26:12 a 18

Introdução

Falar de crise é tocar em um ponto nevrálgico para muitos. É colocar o dedo na ferida das emoções e mexer nas cicatrizes do passado. Crise sempre foi uma palavra temida no Brasil e praticamente qualquer brasileiro com mais de 25 anos já sentiu na pele seus nefastos efeitos. Talvez você seja um desses, e esteja neste momento sofrendo as dores de parto, digo da crise.

Até bem pouco tempo, era moda dizer que quando os Estados Unidos espirravam, o Brasil pegava pneumonia. Isso mudou: os EEUU pegaram quase uma tuberculose em 2008 e o Brasil teve apenas uma leve coriza. É… as coisas mudam: o que vale hoje, pode não refletir o passado e nem muito menos servir de garantia de sucesso no futuro. Que o [mau] exemplo dos EEUU nos sirvam de lição de humildade.

Também já fui vítima de crises. Na crise da Tequila (México), em 1994, houve um drástico corte nos concursos, época em que eu estava apto para passar no Concurso da Receita Federal, pois havia raspado a trave no ano anterior. Meus sonhos foram por água abaixo e a conquista de um cargo público na elite do funcionalismo demorou quase 15 anos para se tornar realidade.

Em 1998  perdi uma excelente oportunidade de trabalho por conta da crise da Vodka (Rússia) e, recém-formado, iniciei um turbulento período de desemprego que me levou a uma espiral de fracassos e decepções que culminaram em um processo depressivo. Nessa época eu descobri o que era o deserto de Deus, e até as minhas necessidades mais básicas eram atendidas quase no último instante e, não raras vezes, dependendo da boa vontade de outras pessoas. Quando eu estava passando por aquela situação, muitas vezes entrei em desespero e olhei para o céu me sentindo abandonado por Deus à própria sorte…

Mas, tudo isso passou, e eu venci. Às vezes, as pessoas nem fazem idéia de como eu posso extrair posts motivadores de tantas experiências amargas que tive, como foi o caso de minha coleção de fracassos amorosos (eu era um Don Juan às avessas #vergonha). Sabe, eu aprendi que é dos limões mais azedos que podemos extrair o melhor suco. E é isso que quase sempre faço: fico espremendo minhas derrotas e fracassos, adoçando com humor e mexendo o caldo até virar um banquete aos famintos, desiludidos e decepcionados com a vida.

Quando tudo parecer perdido...




Todos nós, algum dia, já nos deparamos com situações diante das quais nos sentimos absolutamente impotentes; nada podíamos fazer, nenhuma palavra podia ser dita, nenhum gesto nosso faria qualquer diferença, nossas experiências para nada valeriam. Nessas horas, só nos restou uma constatação, uma certeza: Só Deus para nos ajudar! Ele é o único bálsamo capaz de trazer alívio para a nossa mais profunda dor. O Senhor conhece a nossa alma e sabe dos nossos limites. Ele nos conhece tal como somos. Só Ele pode invadir os segredos do nosso ser.

Há momentos tão difíceis que, se Deus não nos tomar pela mão, ficaremos prostrados. Da mesma forma, se Ele não tocar nosso coração, ninguém conseguirá consolar-nos. Se a força dele não nos erguer do caos, ficaremos cambaleando, tal qual um bêbado, com passos trôpegos pelos corredores da vida. O Senhor é a esperança que nos mantém vivos, e a Sua força é a razão de seguirmos vivendo, apesar das tempestades.

Depender do Altíssimo não é sinal de fraqueza, mas o testemunho de fortaleza interior. O homem só é grande quando se reconhece carente do Senhor. Crescemos quando estamos nos braços do Pai.

Por que um Deus bom permite que coisas más aconteçam?

A vida passa: altos e baixos, bem e mal e Deus acima de todos os dilemas


Wilma Rejane

“Por que dura a minha dor continuamente, e a minha ferida me dói e não admite cura? Serias Tu para mim como um ilusório ribeiro, com águas que enganam?” Jeremias 15:18

A angústia do profeta Jeremias é marcada por interrogações, ele vive um momento de crise na fé. Um homem de Deus, escolhido desde o ventre materno, com um relacionamento intimo e real com Deus, como poucos em sua geração, como poucos nesta vida. A angustia tinha agravante na corrupção e sofrimento de uma nação sendo levada em cativeiro, e nesse momento, Jeremias questiona sobre perdão, bondade e misericórdia. Ele não quer admitir que um Deus bom e justo possa permitir o sofrimento,  estaria ele enganado, iludido sobre Deus?

Jeremias em seus questionamentos revive um antigo enigma teológico: “Por que um Deus bom permite que coisas más aconteçam?”. O mal no contexto aqui exposto é consequência do pecado de uma nação. O declínio e morte de Israel era uma correção, o cumprimento de uma sentença contra a ausência de moral, de temor. Era difícil compreender, mas mesmo naquela catástrofe Deus agia com amor, o mal do cativeiro era necessário para prevalecer o bem, um bem maior.

Mas nem  todo o mal é consequência do pecado, um exemplo? Jó. Sofreu horríveis males: luto, enfermidades, solidão, injustiças sociais, calúnias e também viveu suas crises: “Quantas culpas e pecados tenho eu? Notifica-me a minha transgressão e o meu pecado” Jó 11:23. Jó não compreendia o porque de tanta desgraça; seria ele mesmo a origem do mal? 

Não temas, não desanime, há um Deus.



Wilma Rejane

Medo é impotência humana diante de situações, é ansiedade, insegurança. O medo nos torna pequenos, acuados, diante de gigantes. Mas esses gigantes nem sempre são reais, podem ser minúsculos como espinhos que cabem embaixo de nossos pés ou nas palmas de nossas mãos, mas machucam, ferem, sangram. Assim é o medo. Pensamos ser o medo próprio dos covardes, contudo todos nós sentimos medo em determinados momentos e a coragem consiste não na ausência desse sentimento, mas na superação do medo. Superar os medos, não sermos vencidos por eles, é próprio dos valentes.

Há ainda segredos reservados ao medo, ele tem suas faces escuras e talvez por isso carregue singularidades a serem desvendadas. Por exemplo: medo é cruel, raiz-de-fel, mas pode ser mel. É mel em seu lado bom, pois ter medo em certas ocasiões protege. O medo de cair em um abismo faz com que fiquemos bem longe dele. Medo de subir em um alto muro, evita a queda. Medo de ser atropelado mantêm a cautela ao atravessar uma rua movimentada. Medo de ir para o inferno pode aproximar do céu. Esse último exemplo pode parecer escandaloso, mas é verdadeiro, a Teologia do medo tem seus adeptos.

significados de medo na Bíblia

Ao pesquisar essas palavras na Bíblia encontrei :

I Coríntios 2:3 – estive convosco em fraqueza e em temor e em grande tremor.

Temor = Phobos (strong 5401) grego clássico diz que é fuga, terror, pavor. Dessa raiz vem a palavra ''fobia”.

Oseias 3:5; Depois tornarão os filhos de Israel, e buscarão ao Senhor seu Deus, e a Davi, seu rei; e temerão ao Senhor, e à sua bondade, no fim dos dias.

Temer = pachad (Strong 06342), estar assustado, tremer, se surpreender, estar admirado, maravilhado.

Isaías 8:13: Ao Senhor dos Exércitos, a ele santificai; e seja ele o vosso temor e seja ele o vosso assombro.

Temor = morah (Strong 04172) o mesmo que reverência, espanto, respeito.

Além dos idiomas grego e hebraico, a palavra tem suas variações em outros idiomas. No português encontramos os seguintes significados para medo: ansiedade, preocupação, covardia, inquietude. 

Medo no rebanho 

Medo é uma reação natural dos homens em relação a coisas terrenas e sobrenaturais. Quem nunca sentiu medo? O momento do medo é aquele em que a incerteza, o pavor, ganha proporções tão gigantescas que ameaça a fé e a tranquilidade da alma. Medo pode ser sinal de fraqueza, porém, é também aquele momento em que somos confrontados a superar a opressão que nos rodeia, através da fé em um Deus que conhece nossas limitações e nos anima através de Sua Palavra. Lembremos que em diversas ocasiões Jesus comentou com seus discípulos a respeito do medo:


A alegria do Senhor é a vossa força



João Cruzué 
.
Dia desses, cheguei em casa um pouco cansado, depois de hora e meia de trânsito.  Embora cansado, veio ao meu coração escrever sobre consciência e propósito cristãos. E para começar, escolhi Neemias 8:10b, que diz assim "... a alegria do Senhor é a vossa força".

Não sei se por falta de ensino ou por excesso dele muitos cristãos têm perdido a alegria de viver e,  outros,  com uma situação ainda pior ao se enrolarem nos fios invisíveis da rede maligna. Sonhos frustrados, casamentos acabados, namoros desfeitos, tristeza dentro da família, perda de oportunidades, enfim, fatos muito desagradáveis que tiram o sorriso de muita gente.

Isso acontece por que?

Bem, haveria uma muitas respostas, mas eu me sinto propenso a dizer que podemos perder nossa alegria de forma tão lenta e tão sutil que não nos apercebemos disso, da mesma forma que a água quente de uma vasilha depois de desligar o fogo.

O calor em nosso caso é a presença de Deus. 

A comunhão com o Espírito Santo que vai se apagando com a chegada do sono espiritual. Quem não se lembra daquele texto na "Parábola das Dez Virgens": E tardando o noivo, todas tosquenejaram e adormeceram. E quando acordaram, cinco delas não tinham mais azeite para acender as lamparinas.

A alegria do Senhor se apodera de nós quando estamos dentro da sua vontade. 

É por isso que um cristão novo convertido é alegre, pois, ele abriu a porta do seu coração para a entrada de Jesus. Quando procura conhecer a palavra de Deus em busca de sua vontade, ele continua indo em frente. Quando precisa fazer uma decisão,  ele ora,  jejua e espera pela resposta do Senhor. Mesmo na dificuldade, a presença do Senhor continua alegrando seu coração. Dentro da vontade do Senhor não há como sofrer de  tristeza crônica, vazio existencial, ou aquele olhar caído de um desamparado. Note bem que eu disse crônica, incurável.

Portanto, não se desespere!



Autor:
Pastor Abraão de Almeida

O elefante é o único animal cujas pernas dianteiras se dobram para a frente. Por quê? Porque de outra forma seria difícil para esse animal levantar-se por causa do seu peso.

Por que os cavalos, para se erguerem, usam as patas dianteiras, e as vacas, as traseiras? Quem orienta esses animais para que ajam dessa maneira? Deus. Esse mesmo Deus que coloca um punhado de argila no coração da terra, e, através da ação do fogo transforma-a em formosa ametista de alto valor. Esse mesmo Deus que coloca certa quantidade de carvão nas entranhas do solo e mediante a combinação do fogo e a pressão dos montes e das rochas, transforma esse carvão em resplandecente diamante, que vai fulgurar na coroa dos reis ou no diadema dos poderosos!

Por que o canário nasce aos 14 dias, a galinha aos 21, os patos e gansos aos 28, o ganso silvestre aos 35 e os papagaios e avestruzes aos 42 dias? Por que a diferença entre um período e outro é sempre de sete dias?


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...