O homem Pássaro do Salmo 11






Wilma Rejane


No Senhor me refugio, como dizes, pois ó minha alma: Foge como um pássaro para o teu monte? Sl 11:1


Em momento de introspecção e reflexão, Davi questiona a si mesmo. Ele perece viver uma contradição, um momento de conflito onde a fé daria lugar a insegurança, um sentimento ameaçador que motivava a fuga . A alma de Davi então, é comparada a um pássaro ansioso por fugir para seu monte como se quisesse experimentar liberdade e solidão. A alma com asas, que foge para o monte, representa a vontade humana em ilusão de liberdade. O monte, não implica, necessariamente um lugar físico, mas espiritual. “Meu monte” indica familiaridade, lugar comum, conhecido, elegido. Fugir está no versículo em oposição a refugiar. Escolher a fuga, é como distanciar-se de Deus , por esse motivo, Davi reluta, repreende essa luta travada em seu interior.

A fuga, é um mecanismo de defesa, presente tanto nos homens como nos animais. Fugimos por motivos tantos que nem caberia enumera -los. É através da fuga que preserva-se a vida ou encontra-se a morte. Hábeis predadores conseguem sobreviver e dar continuidade a espécie pela agilidade e força empreendidos nessa ação que define caça e caçador, perseguido e perseguidor. Fuga, portanto, indica movimento de partida e chegada, percursos de toda sorte. Fugir como pássaro, parece ser bem mais confortável e seguro: A imensidão dos céus diminui as chances de captura, uma vez que a largura, altura e distância do chão, não comportam tanta proximidade entre predador e presa. Quantos de nós nos encontramos como pássaros em fuga? Quantos elegeram “seu monte” como provisão, solução para alma em aflição? 

 A vida, nos apresenta escolhas: Fugir para o monte ou refugiar-se em Deus. O monte pode proporcionar sensação de liberdade e segurança, contudo fugitivos jamais estarão livres do medo, das chances de uma traumática captura. Fugitivos são nômades, errantes a perder de vista o caminho de casa. O monte tem sobre si o céu e sobre o chão, a permanente aflição.

A primeira vez que a Bíblia relata uma fuga, é logo no Gênesis, no inicio da vida humana. Adão, é o primeiro fugitivo. Acuado pelo pecado, pela consciência em culpa, ele foge da presença de Deus: “Adão, onde estás? Ouvi Tua voz no jardim, e porque estava nu, tive medo e me escondi” Gn 3:8,9.Homens fogem de si mesmo e também de Deus. A fuga de Adão é o símbolo do homem pecador que perde a liberdade ao procurar por ela. Adão é esse pássaro que se dirige para o monte e se distancia de Deus. O livre arbítrio são asas que nos conduzirão ao céu ou nos abaterá ao inferno.

“ foge como pássaro para o teu monte...” Qual é o seu monte?

Homens pássaros são fugitivos , com asas, mas aprisionados. Não é uma contradição? Sim, claramente e não apenas contradição, mas condição. Perdemos a identidade quando escolhemos a fuga e não o refúgio, o monte e não o Éden. Pecado é isso : perda de identidade. Adão já não era quem Deus queria que fosse, mas alguém corrompido e escravizado por suas vontades.

O Evangelho de João nos diz : “Todo aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não serem reveladas as suas obras. Quem pratica a verdade, aproxima-se da luz, a fim de que suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus” Jo 3:20,21. Adão tornara-se era esse fugitivo da luz.

Pergunto: Qual o seu monte, a sua fuga? Meu monte, minha fuga? Necessitamos repetir a reflexão feita por Davi e dizer a nossa alma: “ Deus é o seu Refúgio, ninguém mais, nada mais. Volta ó minha alma, se utiliza das asas para retornar a Deus, encontrar o caminho de vota, tal qual o filho pródigo. Busca a luz minha alma, se achega a ela para viver a verdadeira liberdade”!


O voo da alma

Metanoia é uma  palavra grega que convoca os homens a autenticidade, verdade, transparência e o mais interessante, é que na metanoia o homem realiza um voo para além de si mesmo na intenção de encontrar o Divino e ser transformado por Ele. Metanoia é retorno, é saída do monte, das trevas: “ Arrependei-vos porque está próximo o reino dos céus” Mt 3:2. O verso começa com metanoia. Esse é o voo da liberdade, da alma!

Homens pássaros apenas fogem de um lugar para outro sem contudo encontrar felicidade. Os montes, são moradas inseguras onde o desabrigo provoca perdas e perigo de morte. Que essa metanoia, esse voo para Deus, seja a nossa vida, o nosso alvo em toda e qualquer circunstância.

Em Cristo.

2 comentários:

Presbítero Maurício disse...

Caríssima irmã Wilma, Graça e Paz da parte de Deus.Lí com atenção o seu post supracitado,e quero adiantar-lhe que fiquei comovido, e ao mesmo tempo duvidoso. Comovido, porque a mensagem fala no íntimo, com se alguém já o conhecesse.Duvidoso, porque sempre achei que fugir como um pássaro, seria uma covardia do homem. É como fugir dos problemas e não enfrentá-los. Quero por isso, convidá-la a ouvir uma mensagem cantada sobre o assunto, que está postada em meu blog, do dia 22 de janeiro, que tem como título: "Se como um pássaro, eu pudesse voar...". Por favor, faça uma análise, e depois deixe um comentário sobre o assunto, ok? Agradeço gentilmente. Saudações fraternas em Cristo!

Presbítero Maurício disse...

A propósito, refletí tanto, que postei também no dia de hoje, sobre o tema...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...