A breve oração de Bartimeu



Wilma Rejane


Então, o cego se pôs a exclamar: “Jesus! Filho de Davi, tem misericórdia de mim!” Lucas 18:38

 Na antiguidade, Jericó era uma cidade da orla oriental de Gor, à distancia de 10 quilômetros do rio Jordão. Foi a primeira cidade conquistada pelos israelitas sob o comando de Josué .  Achava-se protegida por muralhas e portas de grande resistência (Js 2.5 e Nm 22:1). Foi em Jericó estabelecida uma escola de profetas, sendo visitada por Elias e Eliseu (2Rs 2.4-18). Atualmente,  Jericó é um montículo de três hectares chamado de Tell es-Sultão, localizado ao lado de abundante manancial conhecido como Fonte de Eliseu.

Jesus e os discípulos passavam por Jericó, quando de repente, ouvem o clamor: “Jesus, filho de Davi, tem compaixão de mim!”. Era o cego mendigo, que  toma conhecimento do que acontece na cidade, naquele dia, hora e local. Bartimeu. Filho de Timeu.Em aramaico: Bar-teymah, "filho da pobreza". Eis um homem estigmatizado pela miséria,  preconceito e toda sorte de infortúnios. Certamente, cresceu ouvindo as histórias sobre Jericó: de como Deus levou os israelitas a conquistá-la, das maravilhas operadas pelo Senhor dos Exércitos através das vidas de Elias e Eliseu. Bartimeu tinha fé e sua breve oração tocou o coração de Jesus. E é sobre a oração de Bartimeu, o que ela nos ensina, que comento hoje. A oração de Bartimeu

Primeiramente, o que chama a atenção, é o fato de Bartimeu se dirigir a Jesus como "Filho de Davi". Essa pareceu ser uma atitude particular sua naquele momento. Não haviam pessoas gritando com Bartimeu, pelo contrário, sua voz se destacou na multidão ao ponto de tentarem calar sua oração, barrar sua fé, intimidá-lo, mas ele não desistiu, tinha convicção da identidade de Jesus.

Jesus está vivo e é tão real quanto o ar que respiramos. Ele ouve orações. Muitas vezes, pensamos, que para sermos atendidos por Jesus, temos que fazer longas orações. Temos ainda a impressão de que orar por muito tempo é sinônimo de espiritualidade, e assim, por não conseguirmos falar muito em oração, ficamos infelizes. A oração de Bartimeu não foi longa e sim fervorosa, intensa, verdadeira, sincera e cheia de fé na Pessoa de Jesus. 

Quando Deus parece não me ouvir...




Wilma Rejane

Há momentos que não encontramos explicação para alguns acontecimentos de nossas vidas. A morte ou separação de alguém querido, uma doença que não cura, um fracasso financeiro e assim sucessivamente. O devir é imprevisível e se não somos capazes de prever o futuro, tão pouco de decifrá-lo. Para quem crê em um Deus Criador, que rege todas as coisas, é Nele que se encontram as respostas, ora reveladas, ora em segredos permanente. Para conforto nosso, o não de Deus, não significa Sua ausência em nossas vidas, visto que a Bíblia relata que servos amados do Senhor também experimentaram momentos de angústia e de terem não como respostas a orações.

A vida é mistério e muito do que se passa conosco só será esclarecido quando não mais vivermos, essa esperança na eternidade, tanto é motivo de conforto, como de desespero, mas jamais deverá ser  causa de abandonarmos a fé: “Nada há encoberto que não venha a ser revelado; e oculto que não venha a ser conhecido.” Lucas 12:2.  Portanto, amados, se neste momento atravessamos o vale da sombra da morte, saibamos que desse mesmo vale ressurgirá a luz e que apesar dos pesares, nossa confiança na soberania de Deus deve ser a causa de toda nossa expectativa de dias e se não houver mais dias, Ele mesmo nos recolherá em Seu Reino para um tempo sem dúvidas, sem trevas e sem choro.


“...Quando andar em trevas, e não tiver luz nenhuma, confie no nome do Senhor, e firme-se sobre o seu Deus. “ Isaías 50:10


Jesus, onde estás, por que não nos salva?! A resposta é surpreendente!



Mark Ellis
Tradução: Wilma Rejane
God Report
 
Dois pastores conduziam estudos Bíblicos para recém convertidos em uma igreja subterrânea no Oriente Médio. Eles foram presos, espancados e levados para uma prisão secreta. Depois que Jesus apareceu a um alto funcionário da prisão, a história desses pastores mudou drasticamente. Quem conta é o pastor Irshad:

" Fomos julgados por uma corte de assuntos religiosos (Shariah), acusados de blasfêmia contra Maomé, assim como de converter muçulmanos a uma falsa religião. O tribunal ordenou que fossemos presos e levados para uma prisão secreta.

Durante os primeiros dias na prisão recebemos tratamento severo. Os guardas nos espancaram brutalmente e nos perseguiram, eles amarraram nossas mãos prendendo-as através de um buraco com uma barra de ferro que nos obrigava a ficar de joelhos enquanto eles nos batiam.

Recebíamos uma refeição por dia, um pão local chamado "kubboos".Pensamos que iríamos morrer. Depois dos dois primeiros meses de grande sofrimento, clamamos desesperados ao Senhor Jesus:

-Senhor, onde estás? por que não vem e nos salva?  Se tivermos cometido algum pecado e iniquidade, perdoa-nos, purifica-nos pelo teu sangue precioso e salva-nos dessa situação. Repetimos: O sangue de Jesus é a nossa vitória!!!

A multiplicação do azeite da viúva endividada




Wilma Rejane

"E uma mulher, das mulheres dos filhos dos profetas, clamou a Eliseu, dizendo: Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que o teu servo temia ao Senhor; e veio o credor, para levar os meus dois filhos para serem servos.

E Eliseu lhe disse: Que te hei de fazer? Dize-me que é o que tens em casa. E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite.

Então disse ele: Vai, pede emprestadas, de todos os teus vizinhos, vasilhas vazias, não poucas.Então entra, e fecha a porta sobre ti, e sobre teus filhos, e deita o azeite em todas aquelas vasilhas, e põe à parte a que estiver cheia.

Partiu, pois, dele, e fechou a porta sobre si e sobre seus filhos; e eles lhe traziam as vasilhas, e ela as enchia. E sucedeu que, cheias que foram as vasilhas, disse a seu filho: Traze-me ainda uma vasilha. Porém ele lhe disse: Não há mais vasilha alguma. Então o azeite parou. Então veio ela, e o fez saber ao homem de Deus; e disse ele: Vai, vende o azeite, e paga a tua dívida; e tu e teus filhos vivei do resto."2 Reis 4:1-7.

***
O trecho base que introduz esse artigo narra a história de vida de uma viúva que morava em Israel. Segundo o historiador Josefo, ela era esposa do profeta Bíblico Obadias. Obadias fazia parte da escola de profetas liderada por Eliseu. A viúva (cujo nome não é citado), passava por crise financeira, seu esposo havia deixado uma dívida e ela não tinha como pagar. Não se sabe se a situação se arrastava por algum tempo vindo a se agravar com a falta do marido, ou, se, de fato, o marido não geriu bem os recursos deixando a viúva e os dois filhos em aperto. Fato é que aquela família chegou ao extremo da pobreza, não havia meios de suprir as necessidades básicas de sobrevivência. E aquela mãe de família, em um ato de desespero, chama Eliseu e conta toda sua situação. O que acontece depois disso é uma conversão de situação: a miséria dá lugar a abundância.

A fé da viúva é certamente um referencial para dias de aflição. E partindo desse princípio, poderemos explorar esse relato para aprender várias outras lições para a vida prática.

I- Dias de luto: o profeta morreu. A morte do profeta evidencia seu legado. A fé em um único Deus, o testemunho de dedicação ao chamado recebido havia alcançado sua família. Na ausência do marido, aquela mulher recordou de sua fé, de sua vida exemplar, recorreu aos ambientes e pessoas que conviviam com ele. A viúva se vale do testemunho do marido para sensibilizar Eliseu que prontamente a ajuda. Aprendemos que dias de luto são dias de recordar legados. São dias que a ausência evidencia a presença, o que aquela presença significa e significou.

Maravilhas de Deus pelo poeta Amaro


Deus fez o mundo do nada
E em seis dias terminou,
Dois terços de água em cima
O mar na terra plantou,
E o céu bordado de estrelas
Suspenso no ar deixou.

O arco íris pintou
No céu como um diadema,
O sol nascer cor de ouro
E morrer da cor de gema,
E no crepúsculo da tarde
Deixou escrito um poema.

Com sua força suprema
Deu velocidade ao vento,
Deu as aves asas soltas
Pra bailar no firmamento,
Porque o mestre é o único
De perfeição cem por cento.

Sem o seu consentimento
Nada se move na terra,
O seu projeto não falha
Sua previsão não erra,

Quem é David Owuor?

Bebê com microcefalia


Wilma Rejane

Inicialmente, digo que o objetivo desse artigo sobre David Owuor não é afirmar que ele é um profeta dos últimos dias, mas é alertar a igreja para acompanhar o que está acontecendo a nível mundial.   Estou a observá-lo e de fato, acredito que seu ministério ainda vai crescer sobremaneira o que nos convoca a uma análise.

Ultimamente o nome de Owuor  tem merecido destaque pelas ligações proféticas sobre o Zica vírus no Brasil. Ele teria profetizado mosquitos invadindo o Brasil e ferindo pessoas como juízo de Deus sobre o pecado da nação. Também teria contactado pastores brasileiros convocando-os a organizarem um jejum nacional em arrependimento pela corrupção na igreja e  população de modo geral.

Diante das considerações Bíblicas sobre os falsos profetas se apresentando na terra como enviados de Deus, é recomendável mantermos prudência ao julgarmos. Jesus disse em Mateus 24:24: "Porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas, e farão grandes sinais e prodígios; de modo que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. “David Owuor, seria um desses falsos profetas ou, de fato, é um homem que Deus levantou nesses últimos dias para alertar a igreja?

Os sofrimentos do presente e a glória futura




Wallace Sousa

 Estou absolutamente convencido de que os nossos sofrimentos do presente não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada.Romanos 8:18 (KJA)

Existem duas coisas bem difíceis sobre o sofrimento. A primeira e mais lembrada é que não é fácil passar pelo sofrimento. E essa é uma verdade ululante, auto evidente, tanto que as pessoas que “gostam” de sofrer, assim como as que “gostam” de fazer as outras sofrerem, são tidas como portadoras de distúrbios ou doenças, tais como masoquismo ou sadismo.

A segunda coisa difícil sobre o sofrimento é a forma equivocada que a maioria de nós tem de encará-lo. Sim, nós nem sempre enxergamos o sofrimento da perspectiva correta, principalmente se estamos passado por ele, por algum tipo de sofrimento.

Mas, Wallace, você me perguntaria, entre uma lágrima e outra, ou entre um gemido e outro ou, ainda, entre ai‘s e ui‘s, quer dizer que eu estou errado em ver o sofrimento como algo incômodo, ruim e desagradável? Quer dizer que a dor que eu sinto, esse sofrimento terrível que eu estou passando, quer dizer que é invenção da minha cabeça? Calma, vou explicar, não precisa ficar com raiva de mim. Quer dizer, pelo menos ainda não.

Sim, o senso comum claramente nos diz, e nós temos nossos sentidos para ratificar isso, que o sofrimento não é agradável e nem bem-vindo, que nossa vida fica de pernas pro ar quando estamos em meio ao sofrimento. Todo mundo sabe que sofrimento é sinônimo de dor, de sentimentos de perda, de lágrimas e tantas outras coisas que preferimos esquecer.

Mas, só existe essa forma de encarar o sofrimento? Será?

Sim, existe uma outra forma sim. E sabe qual é? Nós devemos enxergar o sofrimento, também, pelo prisma do aprendizado,  das grandes lições que tiramos desse tipo de situação.

O sofrimento é um grande professor. E o próprio fato de você entender, aceitar e começar a prestar atenção no sofrimento faz com que ele diminua bastante, muito mesmo!

Dito isso, vamos ver o que Paulo (alguém que aliás, também aprendeu muito com e por causa de seu sofrimento) tem a nos dizer sobre o assunto. Até mesmo de Jesus é dito o seguinte: ele veria o resultado de seu sofrimento e ficaria satisfeito (Is 53.11) e que ele aprendeu a obedecer através das coisas que sofreu (Hb 5.8)! Estranho, né?

Então, vamos aprender um pouco mais? Quem sabe se isso te ajuda a suportar esse seu sofrimento? Não vai lhe custar nada, garanto. Vamos lá?

1. Convencido

A primeira coisa boa que podemos aprender de algo ruim que nos acontece é que aquilo pode servir para o nosso bem. Coisa que, sejamos sinceros, não é nem um pouco fácil.

Basicamente porque nós já estamos convencidos de que tudo que nos faz sentir mal ou passar por maus bocados tem que ser, necessariamente, mal também. Ou seja, é necessário haver uma mudança de mentalidade, no caso sair de uma mentalidade que ignora e despreza a Palavra de Deus e passarmos a crer e aceitar a vontade de Deus.

Em outras palavras, nós precisamos nos render à Palavra, que é o mesmo que levarmos todo entendimento cativo – o nosso inclusive – ao senhorio de Cristo. E, para deixar claro: enquanto você vive à margem da vontade de Deus, seu sofrimento é maior e não terá fim.

Profecias sobre Israel: o que se cumpriu e o que ainda se cumprirá


Ao estudarmos as profecias da Bíblia, veremos facilmente que os judeus são um tema principal de toda a revelação profética bíblica.As Escrituras revelam que os judeus são "a menina dos olhos de Deus" (Zacarias 2:8), a sua terra é descrita como "santa" (Zacarias 2:12), e a sua cidade - Jerusalém - é considerada "o centro das nações" (Ezequiel 5:5).Os judeus são também apresentados na Bíblia como uma infiel esposa de Deus (Ezequiel 16 e Livro de Oséias), objetos da ira de Deus (Jeremias 30:7), mas também da Sua graça (Zacarias 13:1) nos finais dos tempos.O panorama profético relativo aos judeus é impressionante: aplica-se ao passado, ao presente e ao futuro! E esse panorama demonstra o amor e graça de Deus como nada mais consegue fazer a não ser a Cruz de Cristo.

O próprio apóstolo Paulo ficou tão sobrepujado pela paciente determinação de Deus em trazer à salvação um remanescente dos judeus, que exclamou em êxtase: "Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os Seus juízos, e quão inescrutáveis os Seus caminhos!" (Romanos 11:33). Vejamos então as incríveis profecias que pertencem ao povo judeu, iniciando com aquelas que já se cumpriram:

PROFECIAS JÁ CUMPRIDAS:

1 - DISPERSÃO - Os judeus foram repetidamente avisados de que seriam dispersos por todo o mundo caso não fossem fiéis à sua aliança com Deus. Consideremos as palavras de Moisés: "O Senhor vos espalhará entre todos os povos, desde uma extremidade da terra até à outra..." (Deuteronômio 28:64). Ver também Levítico 26:33.

2 - PERSEGUIÇÃO - O Senhor avisou também os judeus de que eles seriam perseguidos para onde quer que fossem. Uma vez mais as palavras de Moisés são claras a este respeito: "E nem ainda entre estas nações descansarás, nem a planta de teu pé terá repouso; porquanto o Senhor ali te dará coração agitado, e desfalecimento de olhos, e desmaio da alma." ( Deuteronômio 28:65).

3 - DESOLAÇÃO - Deus prometeu que depois da dispersão a terra dos judeus se tornaria "desolada", e que as suas cidades se tornariam "desertas" (Levítico 26:33). Moisés acentuou ainda mais a questão desta forma: "...o estrangeiro que virá de terras remotas...dirá: 'Toda a sua terra abrasada com enxofre e sal, nada produzirá nem nela crescerá erva alguma.' " (Deuteronômio 29:22-23).

A Oração de Ananias





João Cruzué  

E havia na cidade de Damasco um discípulo dos cristãos por nome Ananias. E apareceu o Senhor Jesus a Ananias em visão e ordenou: Levanta e vai à Rua Direita, na casa de Judas. E chegando lá, pergunte por um homem chamado Saulo de Tarso, para orar por ele. Quero usar este texto bíblico com base para uma reflexão sobre orientação cristã.

De que lado você está? Esta é a pergunta. Você tem certeza de que está seguindo a corrente da vontade do Espírito Santo? Para onde você pensa que vai e para aonde,  realmente, você está indo?

Ananias chegou à casa de Judas de Damasco e fez a seguinte oração por Saulo de Tarso: "Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que lhe apareceu no caminho por onde vinhas, me enviou, para que tornes a ver e sejas cheio do Espírito Santo". 

E depois desta oração, as escamas caíram dos olhos de Saulo e ele recuperou a visão. Recuperou a visão nos dois sentidos. Passou a enxergar fisicamente e se lhe abriram também os olhos da fé. E sem fé, não é possível agradar a Deus. E foi assim que o judeu Saulo de Tarso se converteu e se tornou conhecido como o apóstolo Paulo, o homem cujo coração Deus usou para levar a fé cristã aos gentios, aos reis e ao povo de Israel. Amado pelos gentios e odiado pelos judeus, este Paulo correu com disciplina a grande maratona e guardou com cuidado a fé.

Pelos caminhos da vida...




Wilma Rejane

“E eis que no mesmo dia iam dois deles para uma aldeia, que distava de Jerusalém sessenta estádios, cujo nome era Emaús. E iam falando entre si de tudo aquilo que havia sucedido. E aconteceu que, indo eles falando entre si, e fazendo perguntas um ao outro, o mesmo Jesus se aproximou, e ia com eles. Mas os olhos deles estavam como que fechados, para que o não conhecessem. E ele lhes disse: Que palavras são essas que, caminhando, trocais entre vós, e por que estais tristes?” Lucas 24:13-17

Dois discípulos voltavam de Jerusalém: tristes, desesperançosos, decepcionados. Jesus havia ressuscitado e eles viram apenas o túmulo vazio. Não viram Jesus. Iam conversando pelo caminho, dispostos a abandonar tudo quanto criam, afinal, não fazia sentido seguir um morto. Mas Jesus também ia por aquele caminho com eles, interessado em seus sentimentos.

E ao reler essa passagem Bíblica, me ocorreu que aqueles dois discípulos já haviam transitado muitas vezes por aquele caminho de volta a Emaús: alegres, esperançosos, confiantes. Naquele dia os sentimentos eram diferentes, pois, em Jerusalém haviam deixado sua fé no Cristo ressuscitado. Cheios de dúvidas, apoiavam-se mutuamente, ambos eram testemunhas de um tempo glorioso com endereço no passado.

Aquele caminho em Emaús é o mesmo que passamos, por muitas vezes: tristezas, desesperanças, decepções. Buscando apoiar-se em pessoas, com interrogações não respondidas, sendo  Cristo considerado  uma fábula. Apesar da descrença, Jesus estava com eles. Sua morte era um marco, não  um fim. Um começo, recomeço de algo muito maior. 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...