A oração de Davi



Through Bible Daily 
Traduzido por:Wilma Rejane

Salmos 141: 3-5 Coloque um guarda na minha boca, ó Senhor; vigia a porta dos meus lábios. Não deixe meu coração ser atraído para o mal, para participar de atos perversos com os homens que são malfeitores . Não coma eu das suas iguarias, fira-me o homem justo,  será uma benignidade; ouvir sua repreensão é óleo sobre a minha cabeça. Minha cabeça não vai recusar. No entanto, a minha oração é sempre contra os atos de malfeitores.


Depois de sua queda com Bate-Seba, Davi orou para que seu coração não fosse atraído para o mal, ele já não confiava em seu próprio coração. Você percebe quão facilmente nosso coração pode ser enganado para o mal? Ele está sempre lá para nos seduzir com uma mentira,  nos oferece uma iguaria, uma delicadeza que nos levará mais longe do que queríamos ir e vai nos custar mais caro do que queríamos pagar. Isto é semelhante à oração do Senhor Jesus: "Não nos deixeis cair em tentação, mas livra-nos do Maligno" (Mateus 7:13).


A oração de Davi poderia ser a nossa oração diária. Nossa boca parece ser o membro mais propenso a pecar falando mal dos outros e é da abundância do coração que fala a boca. Quando ouvimos alguém difamar uma pessoa que nos causou dano, ou cujas ideias e objetivos são diferentes dos nossos, temos uma tendência para calúnia. Tiago ensina que, se nós podemos controlar a nossa língua, podemos controlar todo o nosso corpo.

Conversando com Deus na goiabeira vermelha

As misericórdias do Senhor, novas são a cada manhã Lm 3:23
João Cruzué


Anos atrás plantei as sementes de uma goiaba vermelha no quintal e elas brotaram! Então, eu escolhi a muda mais bonita e plantei em um lugar especial. E depois sonhei que um dia amarraria uma gangorra (balanço) em um de seus galhos para balançar a Priscila, nossa primeira filha. Nos anos seguintes, não só balancei a Priscila, com mais tarde, também veio a Aline. Todo ano, suas folhas envelheciam e caíam no fim do inverno. Imagino que ela se preocupava com a aparência despida de uma árvore morta, mas aquela goiabeira sabia que quando voltasse a Primavera, novas folhas ainda mais verdes brotariam. Hoje quando olhei para o quintal, um pensamento passou diante de mim: eu pude ver, também, que muitas pessoas precisam saber que Deus cuida das árvores para mostrar que nos ama!

Cientificamente, as estações do ano acontecem no planeta terra por causa da inclinação de seu eixo vertical, atualmente, de 23,45º. Ela gira bamboleando pelo espaço pela ação dos movimentos de precessão e nutação e, quando a inclinação do eixo horizontal elíptico se alinha com o equador celeste, duas vezes por ano, tem início do outono - em 21 março, e da primavera em 23 de setembro. Uma pesquisa com dados completos pode ser achada aqui: generalidades da terra.

Na vida de cada um de nós, também há períodos de inverno, primavera, verão e outono.

Quando aos olhos das pessoas próximas nós parecemos cheios de defeitos, imprestáveis, derrotados, sem futuro e de vez em quando algum comentário chega até nossos ouvidos: "Bem feito!"- a estação é o inverno.

Mas graças a Deus que o Senhor Jesus não é mesquinho como alguns de nós costumam ser. Há vários exemplos de novas oportunidades e milagres feitos por Jesus, tais como: A ressurreição do filho da viúva de Naim; a cura do paralítico do Tanque de Betesda; a ressurreição da filha de Jairo; e o perdão da mulher adúltera. Eu creio no Senhor Jesus, pois Ele é a verdadeira face do amor de Deus, ao alcance de uma oração. 

No diário da blogueira: um projeto de mestrado para transformar o pensar

Meus alunos premiados
Wilma Rejane

Queridos leitores, sei que não tenho produzido artigos Bíblicos com o mesmo ritmo de antes e lhes afirmo que essa condição não é fruto de desleixo ou algo parecido. É resultado de mudanças que vêm ocorrendo em minha vida e em todas as áreas; família, trabalho, igreja. Graças a Deus, tudo vai bem e minha fé e amor ao Evangelho só cresce a cada dia. Ouso dizer que hoje enxergo o agir de Deus por uma diferente perspectiva, a perspectiva da operação sublime e espetacular que também age no campo da ciência, da arte, da educação escolar e em outros campos que por vezes renegamos ser via de milagres e transformação espiritual. Mas não vou me prolongar nessa "diferente perspectiva", deixarei para outra oportunidade reforçando em entrelinhas que Deus é maravilhosamente simples! Louvado seja por isso, Ele é o Deus escondido que age no presente tal como agiu no passado!

Se procurar a sabedoria
como se procura a prata
e buscá-la como quem busca
um tesouro escondido, então você entenderá
o que é temer o Senhor
e achará o conhecimento de Deus. 
Provérbios 2:4-5

Vencendo a corrida com cavalos e as enchentes do Jordão




Wilma Rejane


Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os cavalos? Se tão-somente numa terra de paz estás confiado, como farás na enchente do Jordão? Jeremias 12:5

Como está seu coração hoje? Ansioso, preocupado, atribulado? Assim estava o profeta Jeremias quando Deus lhe dirigiu as palavras acima. Penso que não era bem o que ele queria ouvir, mas o que precisava ouvir. Deus diz que ele tinha de ser forte e tranquilo, mesmo em meio a adversidades maiores. Precisava correr mais que os cavalos e enfrentar a enchente do Jordão com disposição. Em resumo: Jeremias tinha que parar de se lamentar e manter o coração confiante, porque Deus estava a seu lado e sabia perfeitamente até onde ia sua força e fé. Jeremias precisava "esticar"  suas medidas de crente e manter o olhar firme em Deus.

Claro que Jeremias é um de nós. Grandes homens e mulheres da Bíblia foram exatamente como um de nós; sofreram, ganharam, perderam, choraram, passaram tempos difíceis e também de bonança. Quem não sabe o que é sofrer não aprende a viver, não é mesmo? Agora, um dos grandes triunfos de ser cristão, consiste no fato de que a fé nos mantém de pé, em qualquer circunstância. Se as pernas cambaleiam, os joelhos tremem e os temorem querem nos assaltar, olhemos para Cristo. Ele autor e consumador da nossa fé. Sendo morto, ressuscitou ao terceiro dia e intercede por nós diariamente. Essa é a vitória que venceu o mundo e que nos fará vencer também.

Porque vencer, como costumo dizer, não é nunca perder, mas prosseguir confiante, mesmo depois das perdas. Vencer não é receber tudo que pedimos e nada nos faltar. É crer em Deus e continuar amando-O mesmo quando ainda nos falta, quando as respostas parecem não vir. Uma doença grave, um filho rebelde, um casamento desfeito...enchentes do Jordão,fatigas, cansaço, tristezas. Como agir?


Uma palavra para tempos de crise (Salmo 126)




Wilma Rejane

Salmo 126:1-Quando o Senhor trouxe do cativeiro os que voltavam de Sião, estávamos como os que sonham. 

O Salmo 126 foi escrito por um exilado judeu que experimentou  70 anos de deportação de Jerusalém para Babilônia. Qual o nome desse prisioneiro? Não se sabe. O que se sabe é que sua gratidão e louvor por ter retornado a Sião são e salvo está registrada como  um cântico de celebração ou um "cântico dos degraus".

E que degraus eram esses? Eram os degraus das subidas entre Jerusalém e a Babilônia (Esdras 7:9) e os degraus do templo de Jerusalém,onde ano a ano peregrinos se reuniam para relembrar a libertação do cativeiro. Cada degrau um novo cântico,um novo Salmo. No total, são quinze os Salmos denominados "dos degraus ou das romagens" do 120 ao 134.

O Salmo 126 é tão belo quanto os demais e versa especialmente sobre restauração. O autor faz uso de três metáforas para expressar a alegria do retorno para casa: Um sonho agradável, as águas frescas das torrentes do Neguev e as festividades da colheita. Lendo esse Salmo, logo no primeiro verso, encontro inúmeras lições que servem de referencial para os tempos de crises, de cativeiros enfrentados por nós em determinados momentos da vida. 

O cativeiro Babilônico teve inicio em 598 a. C e nos livros dos profetas Ezequiel, Jeremias, Daniel, Ageu e Zacarias é possível constatar relatos da época, bem como dos propósitos de Deus para a nação de Israel que estava sob julgamento. No livro de Esdras há um rico relato do período de retorno da Babilônia, do mover de Deus sobre a nação de cativos que com arrependimento e choro retornaram para os seus lares.

Mas o que aconteceu com os cativos  durante os 70 anos de crise? Como encontraram forças e ânimo para permanecerem esperançosos e confiantes de que tudo iria passar e Deus estava com eles? Não deve ter sido fácil porque a Babilônia procurou de todas as formas oprimir e roubar toda esperança do retorno. E é da Babilônia que nos chegam revelações do que acontece no mundo espiritual em tempos de crise. Claro, nem toda crise é resultado do juízo de Deus sobre nós. Existe base Bíblica para afirmar que até mesmo homens justos e tementes a Deus podem passar por cativeiros terríveis,foi o que aconteceu com Jó.

Se é difícil encontrar os porquês das crises, se não há unanimidade quanto a isso, porém,há unanimidade em outro aspecto das crises: elas confrontam nossa fé e força e todos, sem exceção, precisam lidar com elas, de modo a não se deixar abater, naufragar. Por esse motivo, é que olhar para o cativeiro nos ensina. Eclesiastes 7:5 diz: "O coração dos sábios está na casa do luto, mas o coração dos tolos na casa da alegria." Então, vamos aprender com a casa do luto?

Algumas dificuldades vividas pelos cativos na terra da Babilônia:

Lançar o pão sobre as águas



Eduardo Neves

Hoje descobri algo muito interessante a respeito de uma passagem Bíblica que já li muitas e muitas vezes, já ouvi também muitos pastores e pregadores falarem acerca deste versículo que encontramos no livro de Eclesiastes capítulo 11 e verso primeiro:

“Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás.”

Que fantástico poder meditar nesse texto depois de escutar o que escutei; Como Deus é maravilhoso, como Deus é Poderoso, (…), Me faltam palavras para expressar a grandeza do nosso Deus que tudo pode, e tudo conhece e tudo faz.

Em primeiro lugar, para termos um bom entendimento desse verso, temos que conhecer um pouco acerca do sistema de cultivo dos povos que vivem no oriente médio. Sabemos que sua alimentação é baseada em cereais, dos quais cultivam trigo, cevada e outros. Desses cereais que cultivam sai um alimento básico utilizado diariamente – O pão – que pode ser feito tanto de trigo (utilizado pelos mais ricos) como também pode ser feito de cevada (utilizado pela grande maioria pobre).

O trigo e a cevada, matérias primas para a fabricação do pão que é tão importante dentro da cultura destes povos, são cultivadas por eles mesmos no deserto. Mesmo estando no ano 2013 muitos dos povos que ainda vivem nos desertos do oriente médio ainda cultivam seus cereais.

Você já se perguntou como é que pode existir uma plantação no deserto? Ou como é que pode uma lavoura resistir ao sol e ao calor escaldante do deserto? Eu pensei agora que talvez nesses nossos dias até seja fácil fazer isso, temos tecnologia de sobra para fazer isso acontecer. Mas você já parou para pensar como isso era feito pelo povo de Israel a muitos e muitos anos atrás, antes mesmo do tempo de Jesus?

Isso é fantástico, já ouvi diversas vezes a respeito das chuvas que ocorrem por lá (Oriente Médio); Temporã e a Serôdia, pois bem, acredito que você também já escutou alguma coisa a respeito. O profeta Joel faz menção dessas chuvas dizendo: “Alegrai-vos, pois, filhos de Sião, e regozijai-vos no Senhor, vosso Deus, porque ele vos dará em justa medida a chuva; fará descer, como outrora, a chuva temporã e a serôdia.” Joel 2:23

O Milagre do Perdão



João Cruzué

O perdão é um mandamento bíblico ordenado por Jesus Cristo. Os efeitos do perdão são benéficos tanto para quem perdoa quanto para quem é perdoado. O objeto do perdão pode ser uma mágoa, um pecado, um sentimento de culpa, um prejuízo sofrido, uma palavra maldosa, uma atitude infeliz, uma omissão, uma traição - enfim, coisas que fazemos ou deixamos de fazer no dia a dia. Quando estas coisas são tratadas com o "detergente" divino do perdão, milagres podem acontecer em nossa vida. Quero meditar com você, nesta noite de domingo, sobre a cura do paralítico de Cafarnaum, registrado no Evangelho em Lucas 5;17-26.

Jesus Cristo tem competência, autoridade, autonomia, para perdoar. O perdão é uma ação que transcende à matéria e atua no campo espiritual, onde nossos olhos físicos não conseguem prescrutar. E neste texto isto fica muito claro quando Ele disse, mais ou menos nestes termos: Para provar para vocês que o Filho do Homem (Ele, Jesus) tem sobre a terra o poder de perdoar pecados, paralítico eu te digo: Levanta, toma a tua cama e vai para tua casa.

Ele decidiu operar este milagre porque os presentes, entre eles muitos líderes religiosos, ficaram murmurando de sua afirmação anterior, quando tinha dito ao paralítico: Homem, os teus pecados te são perdoados. Eles não gostaram do que ouviram.

Há vários tipos e graus de pecado. Desde uma desobediência simples até um assassinato ou adultério. Também há os pecados de omissão, quando alguém se vê diante de uma situação que deveria ter sido generoso e trancou a porta da bondade do próprio coração. Homens e mulheres podem ser protagonistas das mais perversas ações e, como podemos ver, no texto em análise, o pecado do paralítico precisava primeiro de perdão, para que depois pudesse andar.

A meu ver foram dois os milagres: O perdão dos pecados e o "levanta-e-anda". Não está claro no texto quais foram os pecados o paralítico, mas coisa pequena não foi.

O pecado é algo praticado que desagrada aos olhos de Deus.  Entretanto, a vida cotidiana em meio a uma sociedade corrupta, pode distorcer o perigo real do pecado. Em certos textos do Evangelho, o pecado é comparado ao fermento que uma vez colocado da massa vai aumentando  seu volume. E, algo que era pequeno de repente se torna muito grande. 

Da mesma forma que os pecados daquele homem o levaram à paralisia, a mesma coisa está acontecendo agora na vida de muitas pessoas, casas e famílias - principalmente nestas. E o ódio é um dos maiores cadeados que prende as correntes invisíveis do pecado. Odiar é oposto de amar. Se Cristo disse para amar, na cartilha do diabo o comum é o odiar. No caso do paralítico, é muito provável que aquilo que ele fez deva ter causado muito prejuízo a alguém ou a várias pessoas. E, geralmente o autor deste tipo de pecado não se lembra de ter praticado tal malfeito, porque costumamos nos lembrar apenas daquilo que sofremos.

O último inverno de Jesus em Jerusalém e os invernos da vida...



Wilma Rejane

E em Jerusalém, havia a festa da Dedicação do templo, e era inverno. João 10:22

Era inverno e Jesus caminhou alguns minutos em direção ao templo de Jerusalém para participar da Festa da Dedicação. Aquele era um dia especial para a nação que por oito dias seguidos celebraria a dedicação de um importante templo. As paredes (externas e internas) e toda a estrutura havia sido restaurada no período de Zorobabel. A festa  era tradição desde 163 a.C. Um rei pagão sírio, chamado Antíoco Epífanes, havia profanado o lugar, causando grande revolta e tristeza aos judeus. E naquele inverno, havia júbilo no ambiente e na nação que solidária se unia celebrando a restauração não apenas de um lugar, mas de uma cultura e de um povo. Jesus estava lá, passeando nos cômodos, observando os detalhes e as pessoas. Era seu último inverno, depois viria a Páscoa e primavera e sua crucificação. Jesus, era o Novo e Eterno Templo que seria derrubado e edificado ao terceiro dia (João 2:29) Sua ressurreição era o inicio de um tempo e lugar mais espetacular do que aquele festejado no inverno, no último inverno de sua vida.

"Jesus passeava no templo, no pórtico de Salomão João 10:23

E quando perceberam a presença de Jesus, se aproximaram dele de uma forma hostil, interrogando-o sobre Sua identidade como não crendo que Ele era de fato o Messias. Meditei sobre essa passagem e relacionei-a ao comportamento de muitos homens (não descartando a possibilidade de me incluir no exemplo); Jesus era maior que aquele templo de pedras, tão festejado. Contudo, os homens ali presentes o ignoravam e menosprezavam. Viravam as costas para Jesus e voltavam o olhar e a atenção para o monumento. Isso parece tão vazio e sem sentido, quanto invernos sem chuvas ou ventos. Tão terrível, quanto frio sem cobertor e sem teto. Jesus caminhou no inverno, para aquecer os corações gélidos e cansados, mas esses corações não o quiseram, preferiram o acolhimento das pedras que formavam aquele abrigo passageiro.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...