A Esperança renascida no Vale de Ossos secos em Ezequiel



Wilma Rejane

Veio sobre mim a mão do Senhor, e ele me fez sair no Espírito  e me pôs no meio de um vale que estava cheio de ossos. E me fez passar em volta deles; e eis que eram mui numerosos sobre a face do vale, e eis que estavam sequíssimos. E me disse: Filho do homem, porventura viverão estes ossos? E eu disse: Senhor DEUS, tu o sabes. Então me disse: Profetiza sobre estes ossos, e dize-lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do Senhor. Assim diz o Senhor DEUS a estes ossos: Eis que farei entrar em vós o espírito, e vivereis. E porei nervos sobre vós e farei crescer carne sobre vós, e sobre vós estenderei pele, e porei em vós o espírito, e vivereis, e sabereis que eu sou o Senhor.Então profetizei como se me deu ordem. E houve um ruído, enquanto eu profetizava; e eis que se fez um rebuliço, e os ossos se achegaram, cada osso ao seu osso. Ezequiel 37:1-7


A mensagem em Ezequiel fala literalmente sobre:

I-  A revitalização de Israel, pois, naquela época as tribos haviam se espalhado; Judá, Benjamin e Levi  levadas em cativeiro para Babilônia. Era tempo de angústia. Jerusalém estava em ruínas, as tribos espalhadas entre as nações, parecia o fim de um povo. O vale de esqueletos era como um raio x de Deus sobre Israel: um Israel triste e abatido. Deus, porém revigoraria Israel, transformando-o novamente em uma nação.

II- Também fala do Israel espiritual,  igreja de Cristo, composta por pessoas renovadas pelo Espírito Santo. Pessoas que outrora estavam perdidas, mortas em pecados, e atenderam ao chamado de arrependimento. Estes, em Cristo, venceram a morte. 

Delimitados os temas literais da mensagem em Ezequiel, podemos aqui abordar outros aspectos igualmente importantes presentes na passagem do Vale de Ossos secos. São observações que ampliam nosso olhar sobre a cena, a fim de aprendermos mais com Deus, fortalecendo-nos em fé e obediência. 

Quando parece não haver saída...




“Esqueçam o que se foi; não vivam no passado. Vejam, estou fazendo (presente) uma coisa nova! Ela já está surgindo! Vocês não o percebem? Até no deserto vou abrir (futuro) um caminho e riachos no ermo." (grifos acrescidos) Isaías 43:18-19


Não, meu amigo, Deus não se esqueceu de você. Ele está vendo você, enxergando muito bem as lágrimas que você derrama escondido. Ele está agindo sim, e em seu favor – você é que não está vendo…

Deixe-me dizer-lhe algumas coisas básicas sobre o agir de Deus: Ele operou no passado, opera no presente e operará no futuro. Sim, é isso mesmo que você ouviu: Deus está trabalhando, e trabalhando para abençoar você. Mas – me pergunta você – por que não estou vendo? É justamente isso que vou lhe responder hoje. Vem comigo?

Recorde o que Deus já fez por você

Sobre o passado, eu tenho duas coisas muito importantes a lhe dizer. A primeira delas é que, se você fizer uma análise de sua vida, daquilo que já lhe aconteceu, observará que o Senhor já fez muita coisa por você. Mas, como não conheço sua vida (e nem gosto de ficar falando da vida dos outros… risos), vou falar da minha vida, ok?

Para começo de conversa, se não fosse o agir de Deus, se não fosse a poderosa mão do Senhor me guardando e protegendo, nem aqui eu estaria, escrevendo toneladas de bobagens neste blog (sim, eu sou bem autocrítico… risos). Eu teria morrido ainda bem criança, atropelado. Ou então, alguns anos depois, afogado. Ou, ainda, depois de convertido, em um acidente automobilístico. E, nesse acidente, não somente eu, mas também meu pai, que estava ao meu lado, e minha mãe e irmãos, no banco de trás do carro. Acho que ainda não escrevi sobre isso… será que alguém tem interesse em saber?

Eu poderia, ainda, citar que Deus me curou de depressão e, por causa disso, eu ainda estou vivo e escrevendo muita bobagem internet afora. De fato, não posso afirmar que o mundo ficou melhor por eu estar vivo… talvez eu não ainda estivesse pronto pro Céu, quem sabe né? Provavelmente, o Céu podia esperar um pouco mais, ou melhor: o Céu queria esperar mais um pouco (risos). Enquanto isso, então, me aguentem. Ou, como diria o Zagallo: vocês vão ter que me engolir!  =)

Pare de ficar remoendo aquilo que passou

E a segunda coisa sobre o passado, agora que vimos que Deus agiu no meu, no seu, no dele, no dela, no nosso, no passado deles? É que você não precisa – nem deve – ficar carregando seu passado nas costas, como se fosse uma mochila cheia de quinquilharias, bugingangas, mequetrefes e salamaleques. Eu já andei bastante de ônibus e metrô. Lotados. Vivo no Brasil, fazer o que, né… faz parte. Mas, se tem uma coisa que incomoda e atrapalha é quando alguém mochilado entra no busão lotado. Quando ele vai passar pelo corredor, com aquela mochila nas costas… mermão, você não tá entendendo: sai da frente, que o trem é sério! #aff

Mas, pior do que mochileiro das galáxias em condução lotada, é quem vive carregando as amarguras, decepções, frustrações e desilusões do passado nas costas. Esse tipo de pessoa não consegue progredir, porque fica carregando esse peso desnecessário, atrapalhando seu presente e amarrando seu futuro. Quer um conselho para sua vida, conselho de amigo? Deixe seu passado para trás . Enfim, deixe o que ficou para trás no lugar dele: lá no passado. Viva sua vida sem essas amarras. Liberte-se desses grilhões e viva sua vida sem medo de ser feliz.

Sabe as oportunidades perdidas? As traições? As decepções? Os projetos e planos frustrados? Nada disso vale o investimento (desperdício, na verdade) de tempo lembrando dessas coisas. Mas, como parar de ficar relembrando essas coisas que doem? Como sarar de vez essas feridas abertas? Perdoando. Sim, o perdão é a resposta. Para entender um pouco mais sobre o perdão, recomendo ler o artigo de meu amigo Valmir Nascimento, no site CPADNews.

Quer saber de uma coisa? Perdoar é coisa pra gente sábia, que entende que perdoar é fechar as portas para as coisas ruins e abrir a mente e o coração para as boas coisas. Só os tolos e rancorosos não perdoam. Claro, não estou dizendo que seja fácil perdoar – nunca é fácil. Mas, seja sábio e inteligente: perdoe. Precisa de um incentivo para perdoar? Eis aqui um dos bons.

    “A sabedoria do homem lhe dá paciência; sua glória é ignorar [perdoar, esquecer] as ofensas. (grifei) Provérbios 19:11

Em uma frase, para ficar fácil de aprender e não esquecer? Então anote o que Deus disse: “Esqueçam o que se foi; não vivam no passado” Is 43.18

As pérolas do mar e as irritações dessa vida





De Lori Thomason
Tradução Wilma Rejane


"Mais uma vez, o Reino dos Céus é semelhante a um negociante em busca de pérolas . Quando ele descobre uma pérola de grande valor, vende tudo o que tem e compra-a! " Mateus 13: 45-46

Quando  consideramos as origens humildes de uma pérola é difícil compreender como ela ganha tal valor. Antes da intervenção do homem, há um processo despercebido nas profundezas do mar. Um minúsculo grão de areia, pequenino e irritante que ficou sob a casca da ostra tornando-a uma joia  valiosa.  Uma ostra, no fundo do mar como uma existência simples, mas quando uma parte irritante de areia do fundo do oceano cruza o seu caminho,  tudo muda! Uma vez que a ostra detecta o ligeiro desconforto começa a segregar nácar, que é a substância que permite que seu reservatório  cresça para tentar aliviar a irritação. Esse processo permite que a  bela cobertura que reveste o interior do reservatório solucione o problema da irritação. Uma vez violada, a concha  segrega mais nácar para cobrir o objeto e reduzir a irritação até que uma pequena pérola é formada. Quanto maior for a irritação a ser tolerada,  mais camadas são produzidos para cobrir o objeto e o que antes era uma fonte de dor crônica torna-se de grande valor!

A irritação é parte da vida. Todos nós temos pessoas que atrapalham nossas vidas ao longo do tempo e tornam as coisas desconfortáveis, ​​muito parecido com o processo da ostra. É neste momento de escolha que surge uma oportunidade: vamos continuar a lutar contra o que inflamou-nos ou vamos optar por abraçá-las? Irritação crônica cria hipersensibilidade. Naquele exato momento, a oportunidade está batendo. Você convida o Reino de Deus para produzir um tesouro em sua vida ou você apenas fica bravo e agravado? A escolha é completamente sua. O Reino do Céu é um investimento de valor inestimável , é composto de seu povo com Seu Propósito ativado em suas vidas. O inimigo quer que você ache que as pessoas são o seu problema quando a verdade é que o inimigo anseia por dividir o tesouro de Deus .

O roqueiro que se converteu através do folheto Sinos do Inferno




Frente e verso do folheto Sinos do Inferno que hoje é uma raridade. Publico por aqui para quem quiser reproduzir


Em conversa com Pastor  Vanelli, eu Wilma Rejane, tomei conhecimento dessa conversão que teve a contribuição de um folheto evangelístico. É uma história maravilhosa de graça e amor de Cristo Jesus que resgata vidas em qualquer lugar e circunstância, porque Seu amor é único e torna possível todas as coisas. Vamos acompanhar?

***

Pastor Vanelli
Blog do Vanelli

"Porque eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo." João 12:47


Vilmar De Campo era conhecido como Ozzy tamanho seu envolvimento com as drogas e o rock metálico. Naquela época era pouco conhecido o heavy metal na região, mas Vilmar era um dos mais envolvidos com o alucinante ritmo. Infiltrado no mundo das drogas, tornou-se um ícone na cidade de Mogi Mirim e passou a ser chamado como já dissemos de Ozzy, (uma alusão a Ozzy Ousborne). Totalmente dependente, apesar da euforia do rock Vilmar vivia uma crise existencial tremenda, primeiro pelo uso e abuso das drogas e segundo pela sensação de vazio e vida sem sentido que experimentava.

Fique firme, Davi venceu Golias no ponto de inflexão!


João Cruzué


Quando estava no segundo ano da faculdade, o professor de matemática ensinou sobre o famoso ponto de inflexão da parábola. Em nossa vida cotidiana, à semelhança de uma parábola, também existe o momento da virada, em que nós paramos de descer e começamos a subir. Um exemplo muito real desta situação aconteceu com Davi, e ele está registrado em I Samuel 30.6. Recordo que este texto bíblico  foi muito útil para mim durante uma época muito difícil, tempo que passei por provação de 11 longos anos de desemprego.

A luta com Golias trouxe fama para o jovem Davi. A partir daquele dia, ele começou a ser visto com um olhar de ciúmes pelo rei Saul. Foram muito poucos os  dias da sua  fama no palácio real. 

Caçado como um animal, fugindo da morte, Davi escreveu os versos: Como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus! "Salmo 42:1".O cervo era o orix, um animal que se escondia nas mais altas rochas dos montes de Israel para  fugir dos caçadores. Quando estava no limite da morte pela sede, ele descia do monte bramando de angústia diante dos caçadores, em busca de água. A sede extrema o obrigava se expor, mesmo sabendo que seus algozes estavam à espreita. 

Entre a dor e a saudade...



Autor: Milton Rodrigues
Portal Metodista 



Quando o espírito deles se vai, eles voltam ao pó;
naquele mesmo dia acabam-se os seus planos.Salmo 146:4

Era outubro de 1994. Numa manhã de segunda-feira, tão despretensiosa quanto qualquer outra daquele início de primavera, levantei-me sem muita pressa. Iria visitar meu pai num hospital próximo de minha casa. Mais uma vez ele estava internado para cuidar de sua leve hemorragia estomacal e, como em outras oportunidades, eu sabia que ele passaria uma ou duas noites sendo medicado e logo voltaria para casa. Porém, isso não aconteceu. Para a infeliz surpresa de todos, e principalmente a minha, naquele dia aconteceu o pior: eu perdi o meu pai.

Sem dúvida, aquele foi o dia mais triste de minha vida. A dor da perda, a separação irreversível, a ausência – que a partir daquele momento seria definitiva – e uma indescritível sensação de completo desamparo. Naquela lastimosa manhã de primavera uma grande chaga abriu-se dentro de mim e que, às vezes, ainda teima em sangrar.

Talvez você também tenha, assim como eu, um triste relato sobre a perda de um ente querido, alguém muito amado que se foi, há muito ou há pouco tempo, cuja falta inunda seus olhos e coração de lágrimas. Mas, para esses dias de profunda consternação, a Palavra de Deus mostra-se presente e oportuna para abrandar nossas mazelas.

E no texto bíblico do Salmo 146 essa preocupação com o amparo e o sustento dos que viveram a dura experiência da perda de alguém amado é manifesta.

O texto do Salmo 146, datado do período pós-exílico, fazia parte integrante da oração diária da manhã no judaísmo tardio. É um hino de louvor que celebra o projeto de Deus e o que Ele produz, procurando despertar nosso amor para com Ele, cuja ação benfazeja no mundo leva os fiéis a confiar na ajuda divina.

Nesse ambiente de celebração diária e de exultação, chama-nos a atenção a presença de dois elementos, a princípio, destoantes: o órfão e a viúva. Distintos em suas características próprias, mas congruentes num ponto crítico. Esse ponto é a o acontecimento do evento morte, e não uma morte distante ou irrelevante – se é que alguma morte pode ser considerada irrelevante –, mas a morte de um ascendente ou cônjuge, uma pessoa com a qual se mantinham fortes ligações emocionais e de assistência, pois naquele contexto, essa perda não significava apenas a falta de companhia, mas a total ausência de amparo e sustento.

Assim, como lembrada a cada manhã nesta oração judaica, a morte se faz presente no diário, no cotidiano. Ele é uma realidade da qual ninguém pode fugir, nem mesmo poderosos ou príncipes – como apresenta o salmo –, podendo também, infelizmente, alcançar-nos a qualquer momento. E, quando ocorre, esse triste evento abre em nós chagas profundas, as quais, como nos dias passados, necessitam de tratamento para que não causem uma aflição maior.

E quando falamos de chagas podemos, também, nos reportar aos dias do escrito sagrado onde, para se tratar dessas feridas era uso comum o derramar de óleo sobre o ferimento para que ele fosse curado. É evidente que tal aplicação não o sarava instantaneamente, mas trazia alívio ao ferido e seu emprego, paulatino e ininterrupto, era capaz de curá-lo em definitivo.

A morte de alguém amado abre em nosso peito chagas que latejam, que sangram, e que em vários casos, continuam a pulsar por muito tempo. Elas necessitam de um cuidador que deite sobre elas o óleo balsâmico e lhes proporcione refrigério. Esta ação está a cargo do nosso Deus, através de seu Santo Espírito – o Consolador –, atuando prontamente nesse cuidado.

A estranheza do estrangeiro


Wilma Rejane

Hebreus 11:13 Todos esses viveram pela fé e morreram sem receber o que tinha sido prometido; viram-no de longe e de longe o saudaram, reconhecendo que eram estrangeiros e peregrinos na terra. 

Por toda a Bíblia encontramos referência a estrangeiros. A história dos hebreus tem inicio com um estrangeiro chamado Abraão que sai da cidade de UR dos caldeus em direção a Canaã. Abraão peregrinou por muitos lugares, assentando tendas, fazendo projetos e conquistando amizades, sem contudo ter visto de permanência em qualquer território. Os descendentes dele, de igual modo, viveram como estrangeiros no Egito até serem libertados por um peregrino chamado Moisés.

Uma das traduções para "estrangeiro" na Bíblia é paroikia (Strong 3940): Forasteiros, estrangeiros, estranhos, hóspede temporário, não cidadãos, morando como exilado residente.

A estranheza  do estrangeiro consiste no fato de que ele não é dono, nem natural, mas vive em harmonia e aprendizado em terras alheias. E mais: o estrangeiro, como citado anteriormente, desafia a amar, a olhar para o outro como sendo nós mesmos. O fator estrangeiro, imigrante, está diretamente ligado ao mandamento maior do Reino de Deus que é: "Amar ao próximo como a ti mesmo" Lucas 10:27.

Quando um estrangeiro peregrinar convosco na vossa terra, não o maltratareis.  Como um natural entre vós será o estrangeiro que peregrinar convosco; amá-lo eis como a vós mesmos; pois estrangeiros fostes na terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso Deus. Levítico 19:33,34


O diário da blogueira

Da direita para esquerda: Patrício, eu (aparelho nos dentes, óculos, cabelo curto e preto hehehe), professora Carmem,
Atualpa e Lêonidas (atrás)



Wilma Rejane

Olá queridos leitores,

Como estão? Já faz um bom tempo que não publico fotos minhas,  e esse não é o objetivo de nosso trabalho aqui no blog, porém, e como forma de transmitir de modo mais real o conteúdo desse artigo, ilustro-o com fotografia tirada semana passada em meu grupo de estudo do mestrado em Filosofia que estou cursando na Universidade Federal do Piauí. Somos uma turma de 13 alunos apenas, todos professores atuando na área de Filosofia e com objetivo de aperfeiçoar a prática de ensino. O processo de seleção foi bem concorrido, com candidatos oriundos de outros Estados da federação,  fiquei em segundo lugar geral com um projeto de pesquisa que valoriza a utilização do cinema na prática filosófica.

Talvez este seja um assunto que muitos não considerem espiritual, teológico, porém, desde o início, tive a certeza de que essa oportunidade foi conquistada com a bênção de Deus. As escolas hoje se constituem um campo enorme de possibilidades para alcançar o coração dos jovens e adolescentes sedentos por respostas sobre a vida e a existência. A Filosofia, apesar de demonizada em alguns meios eclesiásticos, é um modo eficaz de transformar a mentalidade e consequentemente a ação desses jovens. Tenho participado e presenciado debates incríveis sobre Deus em sala de aula! Se o jovem não vai à igreja ou não encontra espaços de discussão sobre Deus, por quê Deus não poderia se apresentar também e inclusive nas escolas?

E mesmo que não se fale diretamente sobre fé e assuntos relacionados, através da Filosofia, o jovem poderá adquirir senso crítico para questionar o mundo, pelo menos, este é o objetivo da Filosofia, se os professores da área não o cumprem, é outra história.

Nove coisas que aprendi com a pesca maravilhosa dos discípulos de Jesus



Wallace Sousa

Eu estive, juntamente com os jovens de minha igreja, visitando a igreja de outro bairro, chamado Riacho Fundo II. Era um culto de jovens e quem pregou nessa noite foi o pr. Marcinho, da Ass. Deus de São Sebastião/DF. A pregação, muito boa por sinal, foi sobre alguns dos versículos do tema abaixo. Assim, durante e após a mensagem, eu fiquei meditando sobre o texto e acabei desenvolvendo o estudo a seguir.

Espero que ele possa ser útil para sua vida. Se este post ajudar você, posso pedir para avaliar, deixar um comentário ou compartilhar com seus amigos? Agradeço de antemão. :)

Segue o estudo

(1) Disse-lhes Simão Pedro: Vou pescar. Dizem-lhe eles: Também nós vamos contigo. Foram, e subiram logo para o barco, e naquela noite nada apanharam. (2) E, sendo já manhã, Jesus se apresentou na praia, mas os discípulos não conheceram que era Jesus. (3) Disse-lhes, pois, Jesus: Filhos, tendes alguma coisa de comer? Responderam-lhe: Não. (4) E ele lhes disse: Lançai a rede para o lado direito do barco, e achareis. Lançaram-na, pois, e já não a podiam tirar, pela multidão dos peixes. (5) Então aquele discípulo, a quem Jesus amava, disse a Pedro: É o Senhor. E, quando Simão Pedro ouviu que era o Senhor, cingiu-se com a túnica (porque estava nu) e lançou-se ao mar. (6) E os outros discípulos foram com o barco (porque não estavam distantes da terra senão quase duzentos côvados), levando a rede cheia de peixes. (7) Logo que desceram para terra, viram ali brasas, e um peixe posto em cima, e pão. Disse-lhes Jesus: Trazei dos peixes que agora apanhastes. (8) Simão Pedro subiu e puxou a rede para terra, cheia de cento e cinqüenta e três grandes peixes e, sendo tantos, não se rompeu a rede. Disse-lhes Jesus: Vinde, comei. (9) E nenhum dos discípulos ousava perguntar-lhe: Quem és tu? sabendo que era o Senhor. João 21:3-12 (Fiz acréscimos que não constam no texto original)

1. Não ignore o fato que nossos projetos nem sempre saem como planejado

Um dos grandes males do brasileiro é ser imediatista, querer as coisas “pra ontem”, abusar do improviso, a famosa “cultura do puxadinho” e deixar o planejamento de lado, desprezando essa poderosa ferramenta capaz de direcionar esforços, otimizar recursos e focar alvos e metas de forma metodológica e estruturada.

Inclusive, um mito que muitos ainda acreditam é o planejamento é algo que engessa a vida profissional, intelectual e pessoal de qualquer um. Nada mais enganoso. Na verdade, o planejamento pode – e deve – ser visto como um grande auxílio para libertar-se de ciclos viciosos e experimentar um futuro melhor e mais adequado.

E quanto a nós, quantas vezes já não sofremos e vimos sofrimento alheio por falta de planejamento, desperdiçando escassos e importantes recursos? Não me canso de repetir essa frase tão antiga quanto verdadeira:

If you fail to plan, you are planning to fail!”, em tradução livre: Se você falha em planejar, você está planejando falhar!, de autoria de Benjamin Franklin.

Como deve ter sido difícil de aceitar para Pedro & cia ltda (quem lê, entenda) esperar um resultado produtivo após uma extenuante noite de trabalho, pensando que teria êxito quando, na verdade, teve seus esforços e esperanças totalmente frustrados!

Mas, isso também deve servir para nós, que somos e estamos constantemente sujeitos a vivenciar as mesmas frustrações e decepções que eles experimentaram. É o seu caso? Não desista ainda, meu amigo leitor. Continue lendo, quem sabe algo bom pode surgir e você encontrará a saída para esse seu impasse. Quem sabe, né? Vamos em frente.

Às Mães que choram





Wilma Rejane


Ramá é a abreviação do nome Ramote-Gileade, região citada muitas vezes no Antigo Testamento. Atualmente, atribui-se a localização de Ramá a Ramith situado em uma colina a duas horas de viagem de Jerusalém. O lugar ficou marcado pela tragédia da morte das crianças por mando de Herodes. De dois anos de idade para baixo, nenhuma criança foi poupada da espada e em apenas um dia  a matança se realizou gerando pranto e grande choro das famílias.

Profecia por Jeremias: "Assim diz o SENHOR: Uma voz  se ouviu em Ramá, o gemido de muito choro amargo: Raquel chorando os seus filhos, recusando ser consolada quanto a seus filhos, porque eles não mais existem." Jeremias 31:15

Cumprimento: "Um som se ouviu em Ramá, o som do choro de tristeza amarga. Raquel estava chorando por seus filhos. Ela não quer ser consolada, porque eles estavam mortos."  Mateus 2:18

Raquel era esposa de Jacó, mãe de José e Benjamim. Por muito tempo Jacó chorou a morte de José, mas ele não estava morto,  havia sido levado por mercadores como escravo para o Egito. Por ser um homem valoroso e temente a Deus, superou todo o contexto de tragédias que o haviam levado ao Egito, José tornou-se governador, um homem admirado por todos . Benjamim era o mais novo e serviu de instrumento de resgate para a família se livrar da fome e da morte e reencontrar o irmão José.

Os dois filhos de Raquel citados acima, representam choro e restauração. E é justamente o que a passagem Bíblica sobre o choro das mães em Ramá pretende nos transmitir. Enquanto Herodes mata as crianças, uma obra de esperança - a maior de todas - acontece nas redondezas: Jesus é dado como salvação para os povos, consolação de toda alma chorosa e amargurada.

No livro do profeta Jeremias, a profecia relacionada a Raquel era uma parábola ao cativeiro Babilônico, quando Ramá havia se transformado em campo de prisioneiros. O território era herança dos filhos de Benjamim (Josué 18:25) e agora abrigava as tribos do norte, chorosas e temerosas pelo destino de cada um. O ano, 722 a.C.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...