O diário da blogueira

Da direita para esquerda: Patrício, eu (aparelho nos dentes, óculos, cabelo curto e preto hehehe), professora Carmem,
Atualpa e Lêonidas (atrás)



Wilma Rejane

Olá queridos leitores,

Como estão? Já faz um bom tempo que não publico fotos minhas,  e esse não é o objetivo de nosso trabalho aqui no blog, porém, e como forma de transmitir de modo mais real o conteúdo desse artigo, ilustro-o com fotografia tirada semana passada em meu grupo de estudo do mestrado em Filosofia que estou cursando na Universidade Federal do Piauí. Somos uma turma de 13 alunos apenas, todos professores atuando na área de Filosofia e com objetivo de aperfeiçoar a prática de ensino. O processo de seleção foi bem concorrido, com candidatos oriundos de outros Estados da federação,  fiquei em segundo lugar geral com um projeto de pesquisa que valoriza a utilização do cinema na prática filosófica.

Talvez este seja um assunto que muitos não considerem espiritual, teológico, porém, desde o início, tive a certeza de que essa oportunidade foi conquistada com a bênção de Deus. As escolas hoje se constituem um campo enorme de possibilidades para alcançar o coração dos jovens e adolescentes sedentos por respostas sobre a vida e a existência. A Filosofia, apesar de demonizada em alguns meios eclesiásticos, é um modo eficaz de transformar a mentalidade e consequentemente a ação desses jovens. Tenho participado e presenciado debates incríveis sobre Deus em sala de aula! Se o jovem não vai à igreja ou não encontra espaços de discussão sobre Deus, por quê Deus não poderia se apresentar também e inclusive nas escolas?

E mesmo que não se fale diretamente sobre fé e assuntos relacionados, através da Filosofia, o jovem poderá adquirir senso crítico para questionar o mundo, pelo menos, este é o objetivo da Filosofia, se os professores da área não o cumprem, é outra história.

Nove coisas que aprendi com a pesca maravilhosa dos discípulos de Jesus



Wallace Sousa

Eu estive, juntamente com os jovens de minha igreja, visitando a igreja de outro bairro, chamado Riacho Fundo II. Era um culto de jovens e quem pregou nessa noite foi o pr. Marcinho, da Ass. Deus de São Sebastião/DF. A pregação, muito boa por sinal, foi sobre alguns dos versículos do tema abaixo. Assim, durante e após a mensagem, eu fiquei meditando sobre o texto e acabei desenvolvendo o estudo a seguir.

Espero que ele possa ser útil para sua vida. Se este post ajudar você, posso pedir para avaliar, deixar um comentário ou compartilhar com seus amigos? Agradeço de antemão. :)

Segue o estudo

(1) Disse-lhes Simão Pedro: Vou pescar. Dizem-lhe eles: Também nós vamos contigo. Foram, e subiram logo para o barco, e naquela noite nada apanharam. (2) E, sendo já manhã, Jesus se apresentou na praia, mas os discípulos não conheceram que era Jesus. (3) Disse-lhes, pois, Jesus: Filhos, tendes alguma coisa de comer? Responderam-lhe: Não. (4) E ele lhes disse: Lançai a rede para o lado direito do barco, e achareis. Lançaram-na, pois, e já não a podiam tirar, pela multidão dos peixes. (5) Então aquele discípulo, a quem Jesus amava, disse a Pedro: É o Senhor. E, quando Simão Pedro ouviu que era o Senhor, cingiu-se com a túnica (porque estava nu) e lançou-se ao mar. (6) E os outros discípulos foram com o barco (porque não estavam distantes da terra senão quase duzentos côvados), levando a rede cheia de peixes. (7) Logo que desceram para terra, viram ali brasas, e um peixe posto em cima, e pão. Disse-lhes Jesus: Trazei dos peixes que agora apanhastes. (8) Simão Pedro subiu e puxou a rede para terra, cheia de cento e cinqüenta e três grandes peixes e, sendo tantos, não se rompeu a rede. Disse-lhes Jesus: Vinde, comei. (9) E nenhum dos discípulos ousava perguntar-lhe: Quem és tu? sabendo que era o Senhor. João 21:3-12 (Fiz acréscimos que não constam no texto original)

1. Não ignore o fato que nossos projetos nem sempre saem como planejado

Um dos grandes males do brasileiro é ser imediatista, querer as coisas “pra ontem”, abusar do improviso, a famosa “cultura do puxadinho” e deixar o planejamento de lado, desprezando essa poderosa ferramenta capaz de direcionar esforços, otimizar recursos e focar alvos e metas de forma metodológica e estruturada.

Inclusive, um mito que muitos ainda acreditam é o planejamento é algo que engessa a vida profissional, intelectual e pessoal de qualquer um. Nada mais enganoso. Na verdade, o planejamento pode – e deve – ser visto como um grande auxílio para libertar-se de ciclos viciosos e experimentar um futuro melhor e mais adequado.

E quanto a nós, quantas vezes já não sofremos e vimos sofrimento alheio por falta de planejamento, desperdiçando escassos e importantes recursos? Não me canso de repetir essa frase tão antiga quanto verdadeira:

If you fail to plan, you are planning to fail!”, em tradução livre: Se você falha em planejar, você está planejando falhar!, de autoria de Benjamin Franklin.

Como deve ter sido difícil de aceitar para Pedro & cia ltda (quem lê, entenda) esperar um resultado produtivo após uma extenuante noite de trabalho, pensando que teria êxito quando, na verdade, teve seus esforços e esperanças totalmente frustrados!

Mas, isso também deve servir para nós, que somos e estamos constantemente sujeitos a vivenciar as mesmas frustrações e decepções que eles experimentaram. É o seu caso? Não desista ainda, meu amigo leitor. Continue lendo, quem sabe algo bom pode surgir e você encontrará a saída para esse seu impasse. Quem sabe, né? Vamos em frente.

Às Mães que choram





Wilma Rejane


Ramá é a abreviação do nome Ramote-Gileade, região citada muitas vezes no Antigo Testamento. Atualmente, atribui-se a localização de Ramá a Ramith situado em uma colina a duas horas de viagem de Jerusalém. O lugar ficou marcado pela tragédia da morte das crianças por mando de Herodes. De dois anos de idade para baixo, nenhuma criança foi poupada da espada e em apenas um dia  a matança se realizou gerando pranto e grande choro das famílias.

Profecia por Jeremias: "Assim diz o SENHOR: Uma voz  se ouviu em Ramá, o gemido de muito choro amargo: Raquel chorando os seus filhos, recusando ser consolada quanto a seus filhos, porque eles não mais existem." Jeremias 31:15

Cumprimento: "Um som se ouviu em Ramá, o som do choro de tristeza amarga. Raquel estava chorando por seus filhos. Ela não quer ser consolada, porque eles estavam mortos."  Mateus 2:18

Raquel era esposa de Jacó, mãe de José e Benjamim. Por muito tempo Jacó chorou a morte de José, mas ele não estava morto,  havia sido levado por mercadores como escravo para o Egito. Por ser um homem valoroso e temente a Deus, superou todo o contexto de tragédias que o haviam levado ao Egito, José tornou-se governador, um homem admirado por todos . Benjamim era o mais novo e serviu de instrumento de resgate para a família se livrar da fome e da morte e reencontrar o irmão José.

Os dois filhos de Raquel citados acima, representam choro e restauração. E é justamente o que a passagem Bíblica sobre o choro das mães em Ramá pretende nos transmitir. Enquanto Herodes mata as crianças, uma obra de esperança - a maior de todas - acontece nas redondezas: Jesus é dado como salvação para os povos, consolação de toda alma chorosa e amargurada.

No livro do profeta Jeremias, a profecia relacionada a Raquel era uma parábola ao cativeiro Babilônico, quando Ramá havia se transformado em campo de prisioneiros. O território era herança dos filhos de Benjamim (Josué 18:25) e agora abrigava as tribos do norte, chorosas e temerosas pelo destino de cada um. O ano, 722 a.C.

Venha comigo, pois vou mostrar-lhe muitas coisas da minha janela!




João Cruzué


Gosto de escrever olhando o lado simples das coisas. Quando observo a maneira de relacionamento de Jesus Cristo com as pessoas no Evangelho aprendo que Ele era simples e bem pragmático. Então, vamos ver como podem ser entendidas algumas formas de crescimento para chegar a perfeição cujo padrão é Cristo. Para quem já sabe "tudo" talvez não possa eu acrescentar muito, mas creio não ser desperdício de tempo ficar conosco nos próximos sete minutos. Venha comigo, pois vou mostrar-lhe muitas coisas da minha janela!

O cego de Jericó: Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!

Jesus - Que queres que eu te faça?

O cego de Jericó - Senhor, eu quero ver.

Tão logo soube que Jesus passava, Bartimeu - o cego de Jericó, começou a gritar seu nome. Embora mandassem-no calar a boca, continuou a gritar até que Ele ouvisse. Com esse excerto do Evangelho registrado no final de Lucas 18, vamos escrever sobre o crescer no conhecimento da pessoa de Cristo. "II Pedro 3:18 "Antes cresçamos na graça e no conhecimento de Cristo."

Crescer em conhecimento de Cristo, é procurar estudar a Palavra de Deus que está registrada na Bíblia Sagrada. Isso não é tarefa de pouco tempo, pois sempre que voltamos ao mesmo texto, acontece de sempre descobrirmos coisas novas. O tempo que passamos tanto em oração quanto na leitura da Bíblia é o mesmo tempo que a presença Deus se aproxima de nós. Esta presença se faz na pessoa do Espírito Santo. A presença de Deus em nossa vida depende de quanto tempo dedicamos à leitura, meditação do que se lê e à oração. Este, é o começo.

Você procura por Deus, e Ele se deixa encontrar. Você procura conhecimento em sua palavra e descobre a companhia de Deus. Você separa um tempo diário para suas orações, e cresce em graça. Esta graça, neste caso, é a presença de Deus na sua vida para resistir ao pecado, ao diabo, uma resistência espiritual ao pensamento mundano e ao mesmo tempo um desejo crescente de agradar a Deus. A graça de Deus vem através da oração e do jejum.

Crescer no conhecimento e na Graça de Deus, em equilíbrio.

No ninho das águias




Wilma Rejane

Dá força ao cansado, e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor. Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os moços certamente cairão; Mas os que esperam no Senhor renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão. Isaías 40:29-31

Você já ouviu falar em Sayeret Matkal?  É uma unidade especial do exército israelense que figura entre as melhores do mundo. Esse exército trabalha o ano inteiro, nos bastidores, de forma silenciosa e secreta, é convocado apenas para operações especiais, quando o exército comum já esgotou suas forças e recursos. O Sayeret é a força renovada que os inimigos não esperavam encontrar em seu caminho.

Quando colocamos nossa confiança no Senhor Deus Ele nos capacita  e habilita nas esperas, porque de todas as formas, fomos chamados a esperar. Estamos sempre aguardando algo, quer seja na dimensão material ou espiritual, coisas que consideramos importantes para nós e para outros. Esperar é algo que pode cansar, e no mundo conturbado, imediatista, em que vivemos, esperar pode também significar perder tempo.

O profeta Isaías compara a espera dos crentes  com o voo das águias. Você sabe como essas aves aprendem a voar? Os filhotes são lançados das alturas e as águias mães, lhes rodeiam com cuidado durante todo o voo. Quando se acham quase sem forças e prestes a cair de vez são resgatadas. Esse exercício dá confiança e capacidade aos filhotes, lhes ensina sobre as agruras do mundo e a disponibilidade que precisam ter para viver.

Deus transmitiu a mensagem das águias para seu povo, no deserto, porque Ele queria que fossem fortes e cheios de fé e esperança para com Suas promessas: "Porque a porção do Senhor é o seu povo; Jacó é a parte da sua herança. Achou-o numa terra deserta, e num lugar solitário cheio de uivos; cercou-o, instruiu-o, e guardou-o como a menina dos seus olhos. Como a águia desperta a sua ninhada, move-se sobre os seus filhos, estende as suas asas, toma-os, e os leva sobre as suas asas, assim só o Senhor o guiou." Deuteronômio 32:9-12 .

Considerações sobre o autismo




Wilma Rejane

Queridos leitores, não sei quantos de vocês têm familiaridade com o autismo. Em minha família há pelo menos três casos registrados nas gerações mais novas : uma menina de sete anos Asperger (minha sobrinha), e um menino de seis com autismo leve (sobrinho). Asperger, para quem não sabe, é um aspecto do autismo que permite a pessoa viver uma vida "quase normal". Minha sobrinha, por exemplo, frequenta uma escola que não é destinada a "pessoas especiais" e se desenvolve bem, sendo até muito inteligente. Meu sobrinho, filho de um outro irmão, é acompanhado por equipe multidisciplinar e não apresenta maiores problemas.

Sempre vi o autismo como parte de um contexto da diversidade humana, como um mistério que somente Deus explica, pois, os estudos existentes não chegam a um consenso, o fator genético, que particularmente acato, é apenas mais uma hipótese, entre tantas. Contudo, apesar dos percalços, não considero autismo uma sentença pesarosa, maldição, ou coisa parecida. Creio em um Deus justo e perfeito, assim como creio que através da fé, é possível encontrar propósito no sofrimento e alegria nas tribulações. Um de meus versos Bíblicos preferidos diz: "Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito." Romanos 8:28 . "Todas as coisas", significa as que compreendemos e as que não compreendemos, não é mesmo? 

Recentemente, minha netinha mais nova, de apenas dois aninhos, também foi diagnosticada autista. Sabryna é uma criança alegre que andou aos nove meses, sempre se alimentou bem e fala algumas palavrinhas. A desconfiança do autismo, contudo, veio cedo; a dificuldade para dormir à noite e o não atender pelo nome acenderam nossa desconfiança, e com tantos casos e relatos disponíveis na internet, logo tivemos a certeza. O diagnóstico médico veio mais tarde do que o diagnóstico da família. Sabryna e sua irmã Sofia têm ocupado muito de meu tempo, pelos motivos aqui descritos e também por acreditar que Deus colocou-as em nossas vidas para serem bem cuidadas. Há uma frase que diz: "Nenhum sucesso compensa o fracasso no lar". Não sei quem falou isto, mas há harmonia com a Palavra de Deus que ensina: " Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel". I Timóteo 5:8.

Sobre fé o obras



Wilma Rejane

O que é fé? Pessoas de várias religiões respondem de maneira diferente à indagação. Para o budista, a fé estaria no esforço para alcançar o Nirvana, na obediência a doutrina das boas ações e da harmonia nos caminhos da vida. Para o Hindu,  fé  é banhar-se no Rio Ganges acreditando que aquela água o tornará puro.  O que leva as pessoas a terem fé? Uma resposta satisfatória pode ser encontrada no desejo contínuo do homem por satisfação pessoal; a felicidade, estaria condicionada a essa busca pelo sobrenatural. De outro modo, diria que a fé humana é a expressão do Deus Criador em nós: Deus criou a fé para que pudéssemos comunicarmo-nos com Ele e assim compreendermos (ainda que de modo incompleto) Seu plano para a humanidade e para cada homem de modo distinto.

Fé é acreditar que a invisibilidade existente no mundo natural já é uma realidade no plano sobrenatural e a qualquer momento, esse sobrenatural se tornará concreto, rea,l aos olhos humanos. (Hebreus 11;1).   Assim, para crer com esperança, contra toda esperança, é preciso ter fé. E se a fé não é algo puramente humano- porque o humano em si não tem o poder de onisciência, onipresença e onipotência- julga-se necessário recorrer-se a um poder maior dotado de capacidade sobre humana. Esse poder se chama Cristo, para os cristãos. Se chama Shiva para os hindus. Se chama Buda para os budistas. Enfim, pode se chamar o que a fé de cada um deseja. E aqui entra uma questão chave: de onde emana minha fé, de um coração puro ou corrompido? Se o coração é o centro da fé, um meio, e um fim para alcançá-la, como pode um homem impuro ter uma fé pura? E por “fé pura”, entenda-se fé na Verdade. Logo, fé e obras estão embricados.

Nos mares da vida - Sermão narrado



Wilma Rejane


O leitor paulista Cido Ruiz tem me enviado vários áudios com mensagens do blog narradas, ele compartilha esses áudios diariamente em grupos de evangelização via whatsapp. Agradeço ao Cido e a sua esposa Jane pela consideração e dedicação em propagar as Boas Novas de Deus com parentes, amigos e irmãos de sua congregação: Muito obrigada!

Segue um vídeo editado por meu amado esposo Franklin, o nome da mensagem é: Nos Mares da Vida e se você puder separar 12 minutinhos de seu tempo para ouvir, creio que será edificado. 

Deus abençoe seu dia, sua vida!


A Páscoa cristã e a cerimônia do lavapés

Lavapés
.
Por João Cruzué.
.
O texto do Evangelho de São Marcos, capítulo 14:12-26, é muito parecido com o  texto do mesmo assunto em Lucas 22:7-23. Já o Evangelho de São João conta um detalhe que os outros três autores não registraram. É o que veremos adiante.

Os evangelistas Lucas e Mateus registraram que os discípulos foram instruídos  por Jesus Cristo para encontrar um lugar especial para celebrar a Páscoa. Desta instrução constava um sinal, que era o de procurar por um homem que levava um cântaro d'água.  Mateus não cita tal detalhe. João, também, não.

Mas João aprofundou-se em outros detalhes. Ele deixou implícito no texto que os 12 discípulos celebraram a páscoa com os pés sujos. Em complemento do assunto, em Lucas 22:24-30 transparece com muita sutileza uma certa contenda que teria surgido no início da celebração. O texto fala de uma disputa entre eles de quem seria o maior. Na verdade, estavam  identificar o menor entre eles, para que este fizesse o serviço mais baixo que era o de lavar os pés dos "maiores". Como não chegassem a um consenso, participaram da ceia com os pés sujos.

Também, o texto de Mateus 18 parece tratar de outro registro do mesmo assunto. Também estavam procurando quem seria o menor entre eles, para que este servisse os outros 11, lavando-lhes os pés. Culturalmente, lavar os pés era uma atribuição para os criados da casa. Neste registro,  Jesus entra em cena e toma uma criança, põe-na no meio deles e dá uma boa descascada: "Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis  no  Reino dos céus."

As mulheres e as especiarias no sepulcro de Jesus



Wilma Rejane

E no primeiro dia da semana, muito de madrugada, foram elas ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado, e algumas outras com elas. E acharam a pedra revolvida do sepulcro.E, entrando, não acharam o corpo do Senhor Jesus. E aconteceu que, estando elas muito perplexas a esse respeito, eis que pararam junto delas dois homens, com vestes resplandecentes. E, estando elas muito atemorizadas, e abaixando o rosto para o chão, eles lhes disseram: Por que buscais o vivente entre os mortos?Não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos como vos falou, estando ainda na Galileia, dizendo: Convém que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e ao terceiro dia ressuscite. E lembraram-se das suas palavras.” Lucas 24:1-8

Elas perderam o sono. Dedicaram tempo e renda no preparo de especiarias para ungir o corpo de Jesus que já havia ressuscitado. Estavam em grupo porque sabiam que precisariam remover a pesada pedra. Essas mulheres amavam a Jesus, com todo o coração e sentiam Sua falta, as marcas da profunda convivência que tiveram com Ele não haviam sido apagadas com a morte, mas havia lhes deixado um vazio que não seria preenchido por mais ninguém.

Naquela madruga seus planos foram frustrados, elas foram surpreendidas por mensageiros de Deus cuja visão era tão esplendorosa que se encheram de temor. A luminosidade das vestes dos anjos provocou um desvio de visão, de foco, e todas olharam para o chão. Perplexas, não ousaram olhar diretamente para eles. A glória do Senhor estava visitando-as e convertendo suas expectativas para algo maior e real.

E tudo isso acontece na entrada de um sepulcro, para que saibamos que a ressurreição de Jesus traz de volta a certeza de transformação. Uma certeza que eleva nossa visão para o alto, desviando as expectativas do socorro dessa terra para refugiar-se em Deus. Um Deus que surpreende. A  vida é também repleta de surpresas, de sepulcros que se velam, de madrugadas sem sono, de especiarias  derramadas em mortos. Especiarias comparadas a riso, alegria, tranquilidade abalada pela decepção de caminhadas frustradas.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...