A parábola de Jesus sobre remendo novo, veste velha




Wilma Rejane


“Ninguém deita remendo de pano novo, em veste velha,
porque semelhante remendo rompe a veste e faz-se maior a rotura” Mt 9:16


Quando Jesus falou sobre veste e remendo, Ele estava diante de alguns discípulos de João Batista que o interrogavam sobre jejum. A necessidade de tal pratica também era observada com afinco pelo clero fariseu. Antes de proferir essa parábola, Jesus havia se deparado com fariseus e escribas criticando seu modo de viver: “ Por que come vosso mestre com os publicanos e pecadores? (Mt 9:11) Ele blasfema (Mt 9:3), rogaram para que Jesus se retirasse de seu território ( Mt 9: 34)". Imaginar Jesus salvando vidas com todo amor e bondade de Sua alma e recebendo olhares e palavras ríspidas como recompensa.  Mas Ele não desistia, nem se intimidava com a perseguição, muito pelo contrário, todo o tempo possível era usado para curar corações. Pessoas, vidas, esse era o maior alvo do Mestre.


Costureiras sempre dizem que é mais fácil e prático fazer uma peça nova do que concertar uma antiga. Remendos são soluções provisórias para prolongar a vida útil de uma veste e a palavra grega usada por Jesus sobre remendo foi “Agnaphos”, indicando um tipo de tecido inacabado, de algodão e fibras ainda desalinhadas. Ou seja, um tecido que  precisaria de retoques especiais para poder ser utilizado e nunca em veste velha, caso contrário, com a subsequente lavagem, ou mesmo com a força da linha de costura, o rasgo se tornaria ainda maior. A fraqueza do tecido velho, não suportaria a junção e resistência do novo. Que significado teria essa parábola de Jesus?

Interessante perceber a referência ao tipo de tecido usado para remendo e a contextualização da conversa que girava em torno de fariseus e discípulos de João batista: “ Podem porventura andarem tristes os filhos das bodas , enquanto o esposo está com eles? Dias, porém virão, em que lhes será tirado o esposo, então jejuarão. Ninguém deita remendo  de pano novo em veste velha, porque semelhante remendo rompe a veste e torna ainda maior a rotura” Mt 9: 15:16. O tecido novo  era o próprio Jesus, a Nova Aliança da graça e a roupa velha, era a lei, todo o sistema religioso que dominava os fariseus, escribas e religiosos da época que não compreendiam os requisitos para o Novo Reino: arrependimento, perdão, novo nascimento.

Jesus estava com eles, e Ele era maior que toda e qualquer regra, a santidade consistia em se aproximar Dele e recebê-Lo no coração como novo homem, com nova vida. Era impossível seguir Jesus e continuar servindo ao antigo sistema de obras e tradições. A Nova Aliança, era aquele tecido inacabado, porque Jesus ainda seria morto e ressuscitaria para cumprir definitivamente o plano salvífico. Os filhos das bodas eram os discípulos. Jesus o esposo, O noivo que seria tirado, ou seja, após a ressurreição, seria elevado ao céu (Atos 1:9) para aguardar o cumprimento dos tempos. Apesar da comparação entre antiga e nova aliança, veste velha e remendo novo, Jesus aponta para um futuro em que os corações dos homens seriam comparados a vestes novas, brancas, completas, sem remendos. Uma transformação possível através da fé e não de tradições. Do amor, e não da religião. Da graça que se cumpre com a ação do Espírito santo em nós, pecadores como Saulo que se fez Paulo. Eis o reino de vestes que não precisariam de remendos.

Pode-se fazer uma comparação fiel entre a parábola de Jesus e esses versos de Efésios:


E digo isto, e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade da sua mente. Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração; Os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para com avidez cometerem toda a impureza. Mas vós não aprendestes assim a Cristo,  Efésios 4:17-20

O velho homem, de vestes velhas.

  • É vaidoso, ignorante, duro de coração, separado de Deus, enganado quanto a si mesmo, voltado para imoralidade e sem sentimento.


E quando observei o significado real de “sem sentimento”, pude compreender melhor o estado do homem que vive sem Cristo.  “Sem sentimento” é a tradução para “parar de vigiar, de se preocupar”.  A veste velha é como esse homem que se acostuma ao pecado e já não liga mais para o que Deus pensa sobre ele. Se perde o temor, o amor e procura agradar somente a si mesmo. Os remendos surgem com muitas cores e tamanhos: “idas a igrejas, vida fora de suspeita, evangelho vivido de forma emocional , superficial, mas nada de transformação, de rasgar as antigas vestes e vestir as novas para aguardar a volta do Noivo”.

Sinceramente temi por minha vida ao fazer esse estudo. Temi por não querer me tornar essa veste velha, acostumada com o pecado e enganada sobre mim mesma. Porque a lei, a letra, os costumes, matam o amor e a fé, esfriam o relacionamento com Cristo Jesus. Quero muito ser como uma noiva preparada para receber O noivo, vigiando e procurando agradar a Deus acima de tudo.

Que possamos compreender e viver o que Jesus nos ensinou.

Biblia de Estudo Plenitude, SBB com consulta ao grego.

8 comentários:

Priscila Grah disse...

Ótima postagem!

A religiosidade é mesmo tão nociva, e vem corrompendo tanto as igrejas! Oro a Deus para jamais me tornar religiosa. Para me desfazer de qualquer regra, ritual, ou mesmo julgamento àqueles que são diferentes de mim!

Admiro o evangelista David Wilkerson que pregou à gangues dos EUA: "Não vim aqui pregar religião à vocês, mas vim falar de um Homem!"

Só isso importa. Não importa a doutrina, o ritual, a vestimenta; importa o coração e se há pecado em nós. Isso não pode ser remendado, escondido, ocultado. Jesus vê. Nitidamente!

Que Deus os abençoe! =)

Wilma Rejane disse...


Oi Priscila!

Sabia que as vestes sacerdotais não tinham emendas? Eram inteiras, de linho branco, simbolizando as vestes espirituais.

Na Nova Aliança, Jesus é a nossa veste sacerdotal, o que nos cobre, o que transforma trapos em vestes reais.

Sem remendos

Obrigada, Priscila!

Deus a abençoe.

Wallace Sousa disse...

muito boa postagem, Wilma!

fui edificado e abençoado ao ler.

abs, apz.

Liza Louzada Ribeiro disse...

Querida Wilma Rejane, percebo que todos os dias precisamos nos lavar e vestirmos estas vestes Brancas, existe algo de dentro pra fora que nos contamina, nos sujam, nos escraviza. Carecemos dia a dia do perdão, da Misericórdia e da Graça do Senhor Jesus, para nos tornar Brancos mais que a neve e nos vestir com roupas Novas, Brancas, assim até chegarmos a estatura de varão perfeito. sempre que leio suas meditações sou encorajada a buscar estas vestes a beber da água que sacia a sede da alma. Louvado seja a Deus por sua vida!

Wilma Rejane disse...


Amém Liza!

Que estejamos de fato, como noivas lindas e agradáveis a Deus. Sem remendos inapropriados e com um coração purificado, na graça.

WR.

Leicam Odnumiar disse...

MUITO EDIFICANTE, GLÓRIA A DEUS, E QUE CONTINUEM PUBLICANDO ESTUDOS BEM EXPLICADOS COMO ESSE.

Lucia Luz disse...

Obrigada!

Lucia Luz disse...

Obrigada pelo esclarecimento. Tinha certa dificuldade para entender por que Jesus ligou a parábola ao Jejum,você deu esse sentido de um modo de vida antigo, para um novo. E até entendo também assim, mas cheguei a pensar que Jesus estava removendo essa prática e a considerando o contrário, remendo velho em tecido novo. Que uma pratica velha não se aplicava ao novo que Ele estava trazendo.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...