O lenço e lençóis deixados para trás por Jesus

O Senhor Deus dá força ao cansado e guia por novos e seguros caminhos





Wilma Rejane


O Evangelho de João dedica alguns versos sobre o lenço e os lençóis que envolviam o corpo de Jesus no sepulcro


"Então Pedro saiu com o outro discípulo, e foram ao sepulcro. E os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais apressadamente do que Pedro, e chegou primeiro ao sepulcro. E, abaixando-se, viu no chão os lençóis; todavia não entrou. Chegou, pois, Simão Pedro, que o seguia, e entrou no sepulcro, e viu no chão os lençóis,E que o lenço, que tinha estado sobre a sua cabeça, não estava com os lençóis, mas enrolado num lugar à parte. Então entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, e viu, e creu." João 20:3-8

Qual seria a intenção de João ao descrever esses detalhes do lado de dentro do sepulcro que acolheu o Cristo, Filho de Deus, por três dias? Há algumas afirmativas de que o lenço, devidamente dobrado à parte, sobre algum canto do sepulcro, teria relação com um costume judaico entre servo e Senhor. Os senhores que cuidadosamente deixavam o lenço dobrado sobre a mesa, após refeição, estaria confirmando que voltaria, que a ceia ainda não havia sido encerrada. Porém, não há confirmação sobre esse costume judaico. Não obstante a interpretação do lenço ser revestida de fé e esperança, ela carece de embasamento.

Por todo o Evangelho e até mesmo na última ceia realizada entre Jesus e os discípulos, não vemos nenhuma referência quanto a lenço dispostos sobre à mesa. O costume, na verdade, era o de lavar as mãos em talhas com água e depois enxugá-las com um lenço que deveria ser colocado sobre a mesa, ou almofada. Lembram de Jesus na festa de noivado? Ele transformou a água das talhas em vinho. Aquela água, era para lavar as mãos, os judeus eram muito cuidadosos sobre os costumes e observavam diligentemente essas normas. Daí vem Jesus, transformando água em vinho, usando as talhas. Como a dizer que o Evangelho era Nova Vida, Alegria, não tradição ou costumes, mas liberdade com novidade de vida! Não era o exterior que deveria ser limpo, mas o interior com a lavagem do sangue do Cordeiro de Deus.



"E estavam ali postas seis talhas de pedra, para as purificações dos judeus, e em cada uma cabiam dois ou três almudes. Disse-lhes Jesus: Enchei de água essas talhas. E encheram-nas até em cima. E disse-lhes: Tirai agora, e levai ao mestre-sala. E levaram. E, logo que o mestre-sala provou a água feita vinho (não sabendo de onde viera, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado a água), chamou o mestre-sala ao esposo. E disse-lhe: Todo o homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho." João 2:6-10


Mesmo aqui, quando as talhas são citadas, não há referência ao lenço ou guardanapo usado pelos judeus. O lenço era um elemento ligado a lei judaica e também está citado no Misná, livro de tradições judaicas:" Na hora da refeição deve-se abençoar o alimento e o vinho, lavar as mãos e enxugá-la com um lenço (guardanapo)" Mishnah. Lembremos que Jesus sempre fez duras criticas à tradição que "engessava" as pessoas em insensíveis padrões, fazendo-as escravas de regras e mais regras, agindo por obrigação e não com o coração. A tradição era um fardo que ao ser carregado desobstruía a consciência pelo cumprimento de um dever, porém fazendo esquecer do valor dos gestos despretensiosos e cheios de compaixão.

Voltando ao lenço e aos lençóis deixados no sepulcro. Eles não estavam jogados de qualquer forma, mas devidamente organizados, arrumados como se alguém tivesse tido o cuidado de assim deixá-los. Estavam lá, não foram esquecidos, mas deixados para trás com propósito. A palavra grega usada para o lenço, peça menor é: "soudarion ou sudário", pedaço de pano que envolvia o rosto de Jesus,  tipo bandana. Vejam, o lenço aqui não é o mesmo usado nas refeições, mas próprio para enrolar a cabeça, este tem sido objeto de muitas especulações.

Os lençóis dispostos no sepulcro, estavam dobrados sob o chão. Sabe de algo formidável? Pedro e João creram na ressurreição de Jesus, mesmo sem vê Lo. O lenço e os lençóis eram provas suficientes de que Ele havia ressuscitado! E desmentindo a tradição do sudário,  penso que nem lenço, nem lençol guardavam as marcas de sangue delineando a fisionomia e corpo de Jesus. Ele fora ungido com óleo, limpo , toda secreção removida, nada de sangue, tudo já estava estancado. Água e sangue era a composição do corpo de Jesus, uma anatomia diferente e sobrenatural que permitia sarar de forma eficiente. Não foi permitido lhe quebrarem os ossos e isso contribui para um bom estado de conservação. E outra: como é que o sudário dito real, dispõe a imagem até mesmo dos cabelos de Jesus avolumados se a pressão do lenço enrolado  na cabeça não permite tal fato? Reconstituição? Se for, já não se valida como prova original, mas manipulada pelo homem, portanto passível de questionamentos.




"Mas, vindo a Jesus, e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas.Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água." João 19:33-34



  • E mais uma vez voltando ao lenço e lençóis, interpreto essa passagem do Evangelho de João, como uma evidência de que Jesus ressuscitou: não roubaram seu corpo, nem violaram o sepulcro. Que ladrão se importaria em arrumar tão bem os detalhes da vestimenta do "morto"? 
  • O lenço e o lençol, deixados para trás, também seria uma forma de dizer que a lei havia se cumprido e agora, um novo tempo havia chegado: O Reino não era tradição, mas a Pessoa de Cristo Ressuscitada.
  • O lenço e o lençol, deixados para trás, eram a morte sendo vencida, a humilhação sendo esquecida.
  • Todo judeu, até os dias atuais, tem o corpo envolvido em lençóis de linho branco por ocasião de morte e sepultamento. Jesus, então, foi sepultado como um judeu. E ao ressuscitar e deixar lenço e lençóis cuidadosamente dobrados no sepulcro, poderíamos dizer que a lei judaica foi cuidadosamente cumprida por Jesus, mas Sua ressurreição era o fim de toda lei: Romanos 10: 4: Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê.
  • Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir.Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido. Mateus 5:17-18. Jesus cumpriu toda a Lei e ainda assim foi crucificado sob a acusação de blasfêmia. 
  • Lençóis e lenço deixados no sepulcro por ocasião da ressurreição de Cristo, simbolizam também, que a Lei o envolveu em morte. O zelo pela lei, instigou os religiosos da época a perseguirem e matar Jesus, mas na ressurreição, Ele escolhe levantar e seguir em frente, deixando os motivos de Sua morte ali no sepulcro: Ele perdoa.
  • Enfim, Lei e graça estavam em questão por ocasião da ressurreição. Antiga e nova aliança. Passado e presente, futuro e eternidade. Podemos olhar para o sepulcro vazio de Jesus e recebermos várias lições. A exemplo de Pedro, João , o túmulo vazio, lençóis e lenços trazem a melhor de todas as notícias: Temos um Salvador e Ele vive para para todo o sempre e virá ao nosso encontro para que também vençamos a morte pelo poder da ressurreição.



Ao passar minha vista sobre as linhas escritas do Evangelho de João e a descrição do sepulcro vazio contendo lenço e lençóis do Cristo ressuscitado, fiz pausa: o que isso quer dizer? Que Ele ressuscitou, aleluia, isso não basta? Sim, sim, isso é tudo, mas tem algo mais nas entrelinhas. Não sei o que fizeram com as peças de pano que envolveram o corpo e a face de Jesus, onde foram parar, mas a narrativa Bíblica nos é suficiente (ou deveria ser) para acreditar de que Jesus vive, Ele é nosso Sacerdote Eterno que faz com que a dor, humilhação, calúnias, mentiras e todas as mazelas humanas, sejam deixadas para trás por conta de de Seu Reino em nós. Receber Jesus no coração, é "deixar o lenço e lençóis cuidadosamente arrumados no sepulcro". É tratar aquilo que nos mata para recebermos a vida eterna. Não ao ódio, ao rancor, as mágoas. O perdão nos fará caminhar com novas vestes espirituais. O amor por Cristo nos permitirá desatar as amarras do que prende nosso corpo e mente em sofrimento e morte. 

Tenha um encontro com Jesus e deixe os lenço e lençóis no sepulcro. Permita que uma nova vida brote em seu interior trazendo paz e alegria. Como fazer isso? Tudo começa no coração. Com uma oração sincera para Deus, dizendo tudo quanto está dentro de você, coisas boas e ruins, aquilo que é motivo de vergonha e também de felicidade. "Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei."E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração." Jeremias 29:12-13  Um arrependimento sincero deve ser buscado e quando existe a confissão e o reconhecimento da fraqueza, Jesus ajuda com todo o restante. O Senhor é a nossa força, Ele nos segura pela mão e nos tira do sepulcro para uma nova vida. Pode ser que a transformação e as surpresas, ocorram de forma rápida, também pode ser que demore, tudo é um processo. O mais importante de tudo é confiar e se entregar, é descansar no Senhor, como um filho que se debruça sob o colo de um Pai, na certeza de receber conforto. Jesus veio para "desatar lençois e lenços", manchados de sangue, de lágrimas. "Eu vim para que tenham vida, com abundância" João 10:10.

Sabe de algo também formidável? É que deveria parecer o fim do filho de Deus, está envolto aos panos de mortalha, preso no sepulcro, mas esse terrível momento foi justo a causa de Sua redenção. Ele reviveu, e deixou aquilo que o matou para trás. Ele levantou com novas vestes para viver o que havia de melhor, não apenas para Ele, mas para toda humanidade. Aquilo que te mata, que te aflige, que te prepara para o sepulcro, como forma de prisão, pode ser restaurado para vida, aleluia!  Deus faz a redenção e de forma cuidadosa trata as ligaduras (lenço e lençol), soltando todas as amarras. Que essa nova vida, chegue a todos quantos tiverem sede e fome de justiça que é Cristo em nós. Amém.

Em Cristo, nosso eterno Refúgio.

Fontes de pesquisa: Bíblia de Estudo Plenitude, revista e corrigida, Edição de 1995, SBB.

5 comentários:

William Joseph Watterson disse...

Oi, acabo de publicar um pequeno texto sobre este assunto, no qual citei o seu blog (http://colhendonoscamposdeboaz.blogspot.com.br/2013/09/fatos-e-mitos-sobre-o-lenco-dobrado-no.html).

Abraços, Bill

irineu wanderley disse...

Gostei muito foi de grande valia para meu estudo
Deus o abençoa

vanderlei fischer disse...

Estive estudando com um rabino messiânico que ensinou à classe que "o fim da lei é Cristo, tem sido interpretado erroneamente. O fim (Rm.10:4), não quer dizer término mas "finalidade", ou seja, a finalidade da Lei, o objetivo, é Cristo. O próprio Cristo falou que não veio anular a lei (Mt.5:17). O cumpri-mento da lei não nos salva, mas a desobediência a ela nos condena. Vivemos na Graça porque Ele cumpriu a Lei. Grato pelo estudo, Deus continue te abençoando

Daniel Freire disse...

Realmente Vanderlei, o que sempre tive foi esse. A lei, bem como todas as figuras veterotestamentárias apontam para Cristo. Ele é o alvo da lei, o objetivo. E não somente da lei, mas de toda a Criação. Todas as coisas são dEle, por Ele e para Ele.

Aline martina disse...

Estudo esclarecedor gostei muito

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...