O Segredo das Estações




Wilma Rejane

Moro em uma das cidades mais quentes do Brasil (Teresina) e todos os anos presencio a vegetação de meu jardim, e de outras áreas, definhar com as altas temperaturas e revigorar com a chegada da chuva. As mudanças de estações revelam lições uteis a nossa vida. É possível fazer viver a consolação e os milagres, tão somente observando o curso da natureza e a forma como Deus mantem e renova o que por algum período parecia não ter vida: Árvores ressequidas e “despidas” pela queda de folhas, em apenas alguns dias de inverno ressurgem  com a beleza de quem sorri pela felicidade de amar. 


O amor tem esse dom de entrelaçar céu e terra em largo riso visível  até a plenitude do invisível.  Não se sabe onde começa, nem onde termina a alegria dos que amam. Assim é o esplendor da natureza, ou melhor: do Senhor da natureza!  Parece sonho!  Lá estava um “esqueleto” de Ipê. Tristonho e sem vida, mas quando chega a sua estação, quantas flores!! Quem passa ao longe, vê a graça da cor.

Ipês amarelos.


Nossa vida obedece esse curso de rotina: “Enquanto a terra durar; sementeira e sega, e frio e calor, e verão e inverno, e dia e noite não cessarão” Gn 8:22.  Não há tristeza que dure para sempre, nem alegrias que não se renovem.  Espalhamos sementes que brotarão a seu tempo, tal qual o florir do Ipê. Esse dom  que se assemelha ao movimento dos astros; influenciando noites e dias, secas e enchentes -e outras vertentes – carrega consigo a esperança: De que sempre haverá um futuro onde possamos nos resguardar das tempestades e comemorar a superação das adversidades. Misericórdia sem fim brota no universo para você e para mim! É Deus no controle dos dias, derramando Sua graça, conservando o belo, enquanto a maldade persiste no caos.

Essa força de recomeços, está em nós.  A anatomia humana conspira a favor da vitória. Não há nada sob a face da terra que se iguale a coroa da criação: o homem. Não há outro ser com capacidade de compreender “os porquês”  e  adentrar no secreto dos céus com orações  em gratidão ou mesmo rebelião. O bem e o mau ganharam  forma, desde que senhor Adão corrompeu o coração sob as folhas da árvore da vida e promessas malditas.  Foi em um jardim. Natureza por todos os lados: vida e morte conjugados. E ele escolheu a morte, como fruto que lhe comoveu as entranhas em agonia e perdição.

Eis o mundo: um jardim. Já não é tão belo desde que Adão e Eva se entregaram a escolhas erradas. Contudo: “sementeira e sega, e frio e calor, e verão e inverno, e dia e noite” continuam a existir anunciando novos tempos, novas estações carregadas de esperança e oportunidades de felicidade. Não desperdicemos essa rotina que se encrava em nós a cada manhã, quando no horizonte o maravilhoso espetáculo do nascimento do sol, deixa para trás a escuridão da noite. Mas a noite está lá, presente em algum outro lugar! No dia, o céu oculta a infinidade de estrelas que voltarão a brilhar obedecendo a rotina das horas. 



Na estação do amor.


Tudo no universo é resultado do amor de Deus por nós. A linguagem de amor e misericórdia nos acompanha insistentemente: “ Porque as suas coisas invisíveis desde a criação do mundo, tanto o Seu eterno poder, como a Sua divindade, se entendem e claramente se veem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis” Rm 1:20


As estações nos ensinam,  porque trazem consigo a linguagem de Deus. Esse curso natural do planeta, sofre consequências da ação humana porque ao homem foi dado o domínio da terra, assim também é a nossa vida.  As estações existem, fazendo parte do percurso da vida, contudo, está em nós a escolha de nos tornarmos mais fortes e belos  ou mais fracos e infelizes a cada novo tempo. O profeta Habacuque viveu em cerca de 600 ª C. Seu nome significa “abraço” e pela fé em Deus ele abraçou escolhas corretas,  afagou o Criador que conservou em firmeza seus passos, quando tudo ao seu redor tinha cheiro de morte. Habacuque, presenciou uma seca terrível e ao contemplar as dores do seu tempo declarou:

“Porquanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas e nos currais não haja vacas. Todavia, eu me alegrarei, no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação. Jeová, o senhor, é a minha força, e fará os meus pés como os da cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas”. Hc 3:17,19.

A força e alegria de Habacuque em tempos de grande seca vinham de sua fé. O profeta dançou e rodopiou em meio aos campos devastados. A palavra “me alegrarei” no verso e no original hebraico é “Gil”: bailar de alegria, saltar em canto. Eis a lição de superação retirada dos piores dias, que deixam de ser piores quando há fé na justiça e direção de Deus. Habacuque, não era um super-homem (eles não existem) era um de nós.

Um outro profeta chamado Jeremias, presenciou seu povo ser levado cativo para a Babilônia. Mortos e feridos, choro e ranger de dentes; destruição. A estação era de seca e o céu era noite. Enquanto muitos de sua nação, amargavam em lamentos e  falta de perspectivas , Jeremias tinha outra visão. Ele enxergava com os olhos da fé e via restauração : Inverno e primavera:

“Ó Senhor, fortaleza minha, e força minha, refúgio meu no dia da angústia!” Jr 16:19. Força, do hebraico oz, verbo azaz : ser firme e constante. Quem vive pela fé no Deus vivo e no Cristo ressuscitado é firme e constante, mesmo que o mundo desabe ao seu redor. Jeremias, como bom observador que era da natureza, deixou registrado para a eternidade os frutos de sua fé, de seu relacionamento com Deus, ao que comparou:

“Bendito o varão que confia no Senhor, e cuja esperança é o Senhor. Porque ele será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas sua folha fica verde; e no ano da sequidão, não se afadiga, nem deixa de dar fruto” Jr 17:7,8.




A reação humana diante das adversidades pode ser ainda superior ao comportamento das árvores e tudo mais nas estações propriamente ditas. Qual a árvore que fica verdinha e cheia de vida em tempo de intenso inverno? Somente as que estão plantadas junto a ribeiros de água. A vegetação próxima as cataratas do Niágara são vistosas permanentemente porque suas raízes são bem alimentadas e a terra regada diariamente pela abundância de água cristalina. Assim é o homem que se refugia no Senhor: Tem vida em meio a morte.


Esse artigo nasceu da necessidade de compartilhar esses “segredos das estações” que estão reservados aos que vivem pela fé em Jesus. Acredite, busque ao Senhor com todo o coração, como as raízes das árvores plantadas junto aos ribeiros de água que se estendem a longas distâncias e não temem o intenso calor.

11 comentários:

dy de almeidaa disse...

olá querida descobrir o seu blog a pouco tempo quando procurava uma ministraçao pra minha celula!des de então já não fico sem dar uma lida nos devocionais: agradeço a deus por sua vida vc é um estrumento de deus na terra!de:Ediane bispo

Jesus te ama! disse...

semear sempre e que nossa semente cresça e de bons frutos em seu tempo a cada estação!!!boa tarde querida!!!

L.G.E disse...

Lindo texto!!! Uma poesia pra alma!! Falou profundamente ao meu coração. Deus te abençõe e continue te inspirando querida. Abraços.

Alex Galdino disse...

Tem um selo especial para você!!!
Visite o meu blog e pega ele é todo seu.

http://www.blogdogaldino.com/

Abraços...

Luciana disse...

Oi querida Wilma! Que texto lindo! E assim quero aprender com muitos profetas que mesmo na seca mantém seus olhos voltados à Deus, pois tem a esperança que dias melhores virão.
Que Deus te abençoe!
Bjos, Lú.

Nelmamiga disse...

Neste tempo de sequidão que estou vivenciando, um dia procurando uma palavra de conforto descobri seu Blog e como tenho sido edificada através dele! E lendo este Post mais uma vez o Senhor me despertou que tenho que estar plantada nEle p/ passar este tempo de sequidão. Louvo a Deus pela sua vida irmã Wilma, abençoada do Senhor.

Wilma Rejane disse...

Dy

L.G.E,

Luciana e

Nelma.

Muito obrigada por reservarem um pouco do vosso precioso tempo para meditarem conosco na Palavra de Deus.

Oramos para que no segredo das estações, seus celeiros transbordem em abundantes colheitas vindas das boas mãos do Senhor Deus.

Com amor.

Wilma Rejane disse...

Olá blog Jesus te ama!

Amém e amém.

Deus o abençoe.

Wilma Rejane disse...

Oi Pastor Alex!

Grata pelo reconhecimento em forma de premiação.

Deus o abençoe.

Nelmamiga disse...

Eu que agradeço por vc dedicar seu tempo p/ nos edificar com seus Posts. Obrigada irmã Wilma

OSEIAS disse...

ola Pra Wilma, sabe o que queria saber porque que em joao 4, quando Jesus esta no poço de Jacó e pede agua para mulher samaritana, a mulher fala sobre poço mas Jesus em nenhum instante fala sobre poço e sim sobre fonte, qual a diferença

Pr Oseias

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...