Lança o teu pão sobre as águas




Eduardo Neves
E um emocionante
Vídeo no final do artigo

Hoje descobri algo muito interessante a respeito de uma passagem Bíblica que já li muitas e muitas vezes, já ouvi também muitos pastores e pregadores falarem acerca deste versículo que encontramos no livro de Eclesiastes capítulo 11 e verso primeiro:

“Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás.”

Que fantástico poder meditar nesse texto depois de escutar o que escutei; Como Deus é maravilhoso, como Deus é Poderoso, (…), Me faltam palavras para expressar a grandeza do nosso Deus que tudo pode, e tudo conhece e tudo faz.

Em primeiro lugar, para termos um bom entendimento desse verso, temos que conhecer um pouco acerca do sistema de cultivo dos povos que vivem no oriente médio. Sabemos que sua alimentação é baseada em cereais, dos quais cultivam trigo, cevada e outros. Desses cereais que cultivam sai um alimento básico utilizado diariamente – O pão – que pode ser feito tanto de trigo (utilizado pelos mais ricos) como também pode ser feito de cevada (utilizado pela grande maioria pobre).

O trigo e a cevada, matérias primas para a fabricação do pão que é tão importante dentro da cultura destes povos, são cultivadas por eles mesmos no deserto. Mesmo estando no ano 2013 muitos dos povos que ainda vivem nos desertos do oriente médio ainda cultivam seus cereais.

Você já se perguntou como é que pode existir uma plantação no deserto? Ou como é que pode uma lavoura resistir ao sol e ao calor escaldante do deserto? Eu pensei agora que talvez nesses nossos dias até seja fácil fazer isso, temos tecnologia de sobra para fazer isso acontecer. Mas você já parou para pensar como isso era feito pelo povo de Israel a muitos e muitos anos atrás, antes mesmo do tempo de Jesus?

Isso é fantástico, já ouvi diversas vezes a respeito das chuvas que ocorrem por lá (Oriente Médio); Temporã e a Serôdia, pois bem, acredito que você também já escutou alguma coisa a respeito. O profeta Joel faz menção dessas chuvas dizendo: “Alegrai-vos, pois, filhos de Sião, e regozijai-vos no Senhor, vosso Deus, porque ele vos dará em justa medida a chuva; fará descer, como outrora, a chuva temporã e a serôdia.” Joel 2:23



Essas chuvas também são mencionadas no novo testamento por Tiago quando diz: “Sede, pois, irmãos, pacientes, até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador aguarda com paciência o precioso fruto da terra, até receber as primeiras e as últimas chuvas.” Tiago 5:7

Primeira e Segunda chuva, chuva temporã e chuva serôdia; A chuva temporã era aquela chuva que caía fora de época geralmente próximo ao final do ano por volta do final do mês de outubro e inicio de dezembro. Está chuva, na realidade não era abundante, era uma chuva limitada que tinha o objetivo de molhar a Terra e prepará-la para o plantio da Semente dando condições para que toda semente plantada durante essa chuva viesse a germinar.

Já a chuva serôdia, era a chuva que vinha no tempo certo, era também conhecida como a última chuva caindo entre os meses de março e abril. Diferentemente da chuva temporã, a chuva serôdia era uma chuva extremamente abundante. A semente já tinha germinado por causa da chuva temporã, e a planta tinha crescido devido às escassas chuvas que caem entre a chuva temporã e a chuva serôdia. Então o objetivo da Chuva Serôdia não era fazer a semente germinar ou fazer a planta crescer, pois quando ela caía isso já tinha acontecido. O papel da Chuva Serôdia era fazer as plantações frutificarem.

Pois bem, agora chegamos onde realmente me senti preso nesta meditação sobre esse verso do livro de Eclesiastes. Sabendo que o plantio ocorre entre os meses de Outubro a Dezembro por ocasião da chuva temporã e, por conseguinte, temos a colheita acontecendo logo após a chuva serôdia onde se tem o fortalecimento dos frutos; Entre o plantar e o colher temos poucos meses, cerca de sete meses, mas entre a colheita do ano e a próxima colheita temos quase um ano de intervalo. Observe que a colheita feita no ano deveria ser o suficiente para durar um período muito longo, lembrando que eles ainda deveriam de todas as sementes colhidas, separar quantidade considerável pensando no próximo plantio. Não eram raras as situações que esse povo enfrentou quando chegando a época da chuva temporã novamente terem suas despensas quase vazias e, não terem quase nada de farinha na panela para fazerem o seu pão de cada dia.

Esta época era uma época de grande aperto e, de decisão também. Os chefes de família, chefes dos grupos de pessoas que viviam no povoado deveriam decidir se agüentariam passar por um “breve” período de escassez e até fome ou se lançariam mão dos grãos que guardados estavam para serem usados como sementes no plantio que estava prestes a acontecer. Isso era tão sério, pois, determinava se a família, se o povoado teria seus celeiros reabastecidos para a próxima temporada ou se seriam um povoado extinto pela escassez de recursos e alimento. Por um lado a fome assolando famílias, quiçá uma vila inteira, por outro lado havia pão guardado – pouco pão é verdade – mais havia de qualquer forma este pão guardado em celeiros.

Será que você consegue ver diante dos seus olhos essa mensagem clara por trás dessa pequena frase que é o verso primeiro do capítulo onze de Eclesiastes.

Os grãos/sementes que estavam guardados para o próximo plantio, nada mais eram que pão. Eram grãos/sementes que poderiam resolver as necessidades daqueles que nesta época, neste período pré-plantio já estavam com suas dispensas quase que vazias. O escritor de Eclesiastes usa uma figura de linguagem para ilustrar bem essa situação que certamente ele conhecia muito bem. Ninguém em sã consciência iria lançar um pão na água iria? A menos que quisesse dar de comer a peixes ou patos. 

Fico imaginando o que aconteceria se lançasse um pão de forma na água, (…). Primeiro que esse pão incharia, e depois de um tempo se desmancharia vindo a sumir de vez. Com certeza após algum tempo não encontraria mais esse pão como o escritor nos sugere. Por isso, que neste momento me vem clara a mente uma imagem do plantio de trigo e cevada, lembram da chuva temporã, então, essa chuva era capaz de deixar poças de água no solo (…). Hmmmm, consegue ver essa imagem? Poças dágua, (…) sementes que significam e são matéria prima para a fabricação do pão que é muito importante para um povo que está passando por aperto e dificuldades justamente pela falta do pão.

É nesse momento que o sábio escritor então recomenda: “Lança o teu pão sobre as águas” justamente porque se eles viessem a lançar as suas sementes que também era o pão que poderia saciar a fome de muitos, eles conseguiriam prolongar sua existência – “e depois de muitos dias o acharas”

Parafraseando: “Lança tuas sementes no solo encharcado, e depois de muitos dias, depois que crescerem então iras encontrar novamente suas sementes, muitas e muitas delas”.

Isso tem uma aplicação fantástica para minha vida nos dias de hoje;Melhor que ninguém eu conheço o “aperto” que tenho passado em muitas áreas de minha vida, a fome de muitas coisas que quero pra mim em diversos sentidos, algumas dessas fomes eu poderia muito bem saciar, satisfazer agora, sem precisar esperar nada e nem ninguém, mesmo porque, eu ainda tenho algumas poucas sementes no meu celeiro.

Mas é nessa hora que entra a pergunta, será que vale a pena usar essas sementes para saciar essa “fome” que tenho? Até que ponto estou disposto a sacrificar meu futuro por causa de uma “fome” que não vai durar muito tempo. Pois do hoje até o dia do plantio e a colheita tenho alguns meses, (…), sei que serão complicados esses dias, serão dias difíceis, mais tenho a plena convicção que Deus em Cristo Jesus me dará de sua Graça e força para passar por esse período com o pouco da farinha que me resta na panela. O meu futuro depende disso, a minha sobrevivência depende da escolha que faço hoje; Amanhã posso ter pão suficiente para mim mesmo e para muitos outros, ou não ter nada e, pior depender de terceiros para sobreviver.

Infelizmente, muitos estão numa situação complicada hoje por terem usado suas sementes para alimentar suas paixões fugazes, talvez era um momento de aperto e tomadas pelos sentimentos e pelo desespero lançaram mão das únicas sementes que dispunham. Tiveram em suas vidas tudo o que quiseram, não tiveram limites, regras e medidas – Saciaram-se, e hoje, vivem em um estado de fome permanente, não conseguem se saciar com nada, e por causa disso nada têm. Gastaram suas sementes com todas as mulheres/homens que queriam, e hoje não tem ninguém que seja suficiente para si; Gastaram suas sementes em todas as baladas, com todas as substâncias que pudesse trazer um pouco de alegria aos seus corações e hoje permanecem em um estado de pura tristeza, angústia e lamento.

Não quero gastar minhas sementes, não quero desperdiçar aquilo que pode me satisfazer neste momento mais que vai me deixar em apuros mais tarde. Sábio é o conselho do pregador – “Lance suas sementes, seu pão nas águas; Plante isso, você não vai se arrepender”. Quero lançar minhas sementes nessa água que é Cristo, ele é o único que pode fazê-las germinar e crescer, e no momento certo, no momento dEle eu verei o fruto dessas sementes, no momento certo terei com abundância o pão que pode me saciar de verdade.

Medite nisso, reflita onde você tem lançado o teu pão, onde você tem investido suas sementes. Que o Senhor Jesus nos ajude a seguir este conselho maravilhoso do pregador.


Colhendo sobre as águas




15 comentários:

Joelma Menezes disse...

Bela Mensagem.Deus Abençoes!^.^

Karem Feitosa disse...

Mensagem tremenda! Me emocionei vendo um lindo filme passar e minha mente! Quantas vezes o desânimo tenta nos abetar! Mas glória a Deus por ele ser lançado na água viva que é Jesus! Louvo sempre ao Senhor por este site maravilhoso que tem sido alimento para minha vida!

Wilma Rejane disse...

Olá Joelma e Karem!

Também li e gostei, por isso trouxe para o Tenda. Acrescentei o vídeo, um comercial da televisão Indonésia que cabe tão bem no tema e é lindo!

Saudações em Cristo,

Ele é O Pão e As Águas.

Anônimo disse...

Parabéns pela postagem!!! Me deu muitos subsídios para a minha aula de EBD! Que Deus continue te abençoando!

Fernando.

Revistas disse...

Comprei seu livro "à Margens do Quebar" no submarino.com, no momento estou embarcado em uma plataforma petrolífera, mas estou ansioso para ler o livro quando chegar em casa. Espero que esteja repleto de mensagens como esta "Lança o teu pão...". Muito interessante.
Que Deus continue lhe revelando a Palavra cada dia mais. Tenho aprendido coisas interessantes neste blog.

Sandra Neri disse...

Deus abençoe este blog por tamanha generosidade em dividir conosco o seu "pão" espiritual. Obrigada!

Bieel oliveer disse...

Este blog é de uma sabedoria fantástica . Aprendi muito é como se eu estivesse em uma escola dominical. Obrigada e que Deus abençoe no nome de Jesus,

Meu nome é Regina Célia

Filipe Reis disse...

Parabéns pelo artigo. Que Deus te abençoe. Veja outro exemplo na vida de Nicholas Winton. Emocionante e real.

CNPADB disse...

que palavra abençoada, é meu irmão que a cada dia possamos nos lançar nessas àguas purificadoras,cristalinas , águas que curam ,que limpam ,águas que é o nosso senhor e salvador jesus cristo,só nele nos temos vida eterne.DEUS ABENÇOE você e sua família
Pr. Reginaldo nicácio

João Campos disse...

Grato, muito grato pela mensagem. Simples e transformadora... como Jesus! Pr. João Campos

maranata disse...

amei essa palavra muinto edificante

Henísio Gonçalves disse...

Que bênção pra minha vida.

Marisa disse...

Palavra edificante

Sergio Marcos disse...

Palavra maravilhosa e abençoada , só Jesus Cristo faz isso , em nossas vidas .que toda semente lançada seja para a glória de Deus

Sergio Marcos disse...

Palavra maravilhosa e abençoada , só Jesus Cristo faz isso , em nossas vidas .que toda semente lançada seja para a glória de Deus

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...