sábado, 27 de julho de 2013

O Coxo da Porta Formosa

Por que permanecer em prisão quando há uma Porta aberta?





Wilma Rejane

E Pedro e João subiam juntos ao templo à hora da oração, a nona.E era trazido um homem que desde o ventre de sua mãe era coxo, o qual todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam.Atos 3:1-2


Essa é uma passagem Bíblica bem conhecida e é difícil ouvir coisas  novas sobre ela porque em uma primeira vista já transmite algo tão glorioso que por si só basta: nem alegorias, nem entrelinhas, nem contexto histórico seriam capazes de acrescentar informações mais valiosas que a cura de um coxo através da fé no Nome de Jesus. E foi exatamente a objetividade de Lucas ao descrever a cura do coxo que me instigou na busca sobre : quem era esse coxo e o que significava a tal porta Formosa? Como disse anteriormente, o desconhecimento dessas informações não diminui  o poder da mensagem. Porém, o aprofundamento nos detalhes nos proporciona maravilhamento quanto ao agir de Deus: Ele é perfeito e faz com que todas as coisas, de fato, contribuam para o bem dos que O amam (Romanos 8:28). Assim, com a presença de Deus entre seu povo, um simples encontro no meio da rua, a caminho de algum lugar,  possibilita acontecimentos extraordinários. Foi o que aconteceu com o coxo da Porta Formosa.


A Porta Formosa – Dados históricos

No capitulo três do livro de Neemias é descrita  a reconstrução das doze portas do templo de Jerusalém, mas a porta Formosa não aparece, pelo menos com esse nome. A menção a essa porta, só aparece no livro de Atos dos apóstolos. O historiador Flávio Josefo, relaciona Formosa como sendo a mesma “Porta de Jafa” ou “Porta Velha”  no exterior do templo, uma pré porta de acesso ao pátio das mulheres. Os árabes chamam-na de “ Bab el Jalil (Porta do Amigo); abre-se para oeste, em direção ao porto da Cidade de Jafa. É a mais conhecida e movimentada de todas, devido ao constante fluxo de turistas de todos os lugares do mundo.

Atualmente as portas de Jerusalém são em número de oito e não mais doze. O que teria acontecido as outras quatro portas? Eu jamais teria observado esse importante fato se não fosse o relato sobre a Porta Formosa em Atos dos Apóstolos. As portas que não mais existem são: Porta de Efraim, Mifcade, dos Cavalos e porta Oriental (dourada ou da compaixão). Pelo menos sobre esta última há explicação concreta: se encontra lacrada, Jesus entrou por ela assentado em um burrinho ao ser aclamado pela multidão como Rei e Messias. (Mateus 21). Os judeus aguardam a chegada do Messias entrando por esta porta.

Ez 44.2 – “E disse-me o Senhor: Esta porta estará fechada, não se abrirá;  ninguém entrará por ela, porque o Senhor Deus de Israel entrou por ela; por  isso estará fechada”.




Deus tem o controle e o domínio sobre todas as coisas. Jerusalém terrestre é uma analogia a Jerusalém celestial: (Apocalipse 21:2:)” Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo.” E se antes tinha doze portas e hoje somente oito, tem algum sentido. Considerei importante fazer essas observações, mas para não fugir ao tema, voltemos para a Porta Formosa.

A Porta Velha mesma  Formosa (Neemias 3.6) - “Jeoiada, filho de Paséia; e Mesulão, filho de  Besodéias; restauraram a porta velha, estes a emadeiraram, e levantaram as suas portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos”. Segundo a tradição, esta porta simbolizava a tradição e a história falada dos hebreus, o tesouro antigo, acerca das gerações de sua origem. 

Mapa atual das portas de Jerusalém





O Coxo

Seu nome não é mencionado, Atos 4:22 diz que ele  tinha 40 anos quando encontrou Pedro e João na Porta Formosa, a deficiência era de nascença. Há quem diga que ele não estava exatamente na porta Formosa, mas a caminho dela quando encontra os apóstolos. Não comungo dessa interpretação. Mas a caminho, sendo carregado, ou já assentado no lugar de sempre, o importante foi que aquele  seria um dia diferente:


“E Pedro e João subiam juntos ao templo à hora da oração, a nona.  E era trazido um homem que desde o ventre de sua mãe era coxo, o qual todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam. O qual, vendo a Pedro e a João que iam entrando no templo, pediu que lhe dessem uma esmola. E Pedro, com João, fitando os olhos nele, disse: Olha para nós. E olhou para eles, esperando receber deles alguma coisa. E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda. E, tomando-o pela mão direita, o levantou, e logo os seus pés e artelhos se firmaram. E, saltando ele, pôs-se em pé, e andou, e entrou com eles no templo, andando, e saltando, e louvando a Deus.”  Atos 3:1-8

Eram três horas da tarde, de grande fluxo de pessoas no templo. Imagino que o coxo tinha vários pontos de esmolar pela cidade e pessoas com quem dividia o apurado como forma de retribuir o favor de carregá-lo de um lado para outro. Afinal, um homem de 40 anos, deveria pesar consideravelmente. Certamente já havia encontrado Pedro e João outras vezes e pedido moedas. Os apóstolos reparavam nele, mas ele não fazia pausa alguma para conhecer melhor o que tinham para falar. O coxo já estava acostumado com o ser levado,  sustentado e sobreviver de forma tão dificultosa. Quando se acostuma com o mal, ele até se torna aceitável e deixa de incomodar. Isso acontece constantemente e é a causa de não se procurar por mudanças. A porta Formosa estava repleta de mendigos, que por algum motivo, esperavam caridade dos religiosos, do lado de fora do templo, porque se achavam indignos, de frequentar o interior do local. Ou o mundo os tinha convencido disso.

Algo que me chama bastante atenção nesse milagre é o fato de que imediatamente após ser curado, o homem entra no templo e segue com os discípulos até o pórtico de Salomão, um lugar que ele só imaginava como era, mas nunca tinha estado. Quanta alegria, quantos louvores não deve ter saído dos lábios daquele que era coxo e também dos que o viam! Agora ele sabia que existia algo muito mais precioso que o ouro ou a prata que ajuntava em seus depósitos e que às vezes lhe faltava.


Considerações Finais

Querido leitor, quero destacar algo que também me chama a atenção nessa história:  “E Pedro, com João, fitando os olhos nele, disse: Olha para nós. E olhou para eles, esperando receber deles alguma coisa”. (Atos 3:4,5). Os discípulos se abaixaram para olhar nos olhos daquele coxo, um ato de amor e compaixão que talvez ninguém tenha ousado fazer antes. O coxo pedia e as pessoas davam, jogavam moedas em suas mãos, sua cesta e prosseguiam seus caminhos. O coxo era “o coxo” e sua condição era insignificante aos olhos de muitos. Mas vem Pedro e João, enviados de Deus, falando em Nome de Jesus e dizendo: “Eu me importo com você, desço até sua miséria para te resgatar porque você é precioso para mim, te comprei pelo mais alto preço”. Oh glória! Quem é que resgata o pobre da lama, do calabouço? Quem olha nos olhos e sente todo drama, dor ? Somente Jesus!


Assim, a Porta Formosa  a partir do relato de Atos 3, representa Porta de entrada para o Reino celestial, para o conhecimento da Verdade Salvífica, para a grandeza do Nome de Jesus!

Deus o abençoe.

Fontes: Bíblia de Estudo Plenitude, Caapitulo 3, Atos dos Apóstolos.
Simbolismos das Portas de Jerusalém, de Benne Den em PDF

Um comentário:

Anônimo disse...

maravilha, DEUS É FIEL !

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...