Jesus e o Jovem Rico



Jesus ia pelo caminho das aldeias, rodeado de pessoas, como de costume, quando um jovem apressadamente se ajoelha diante dEle: “Bom mestre, que farei para herdar a vida eterna?” Mc 10:17.  Esta poderia ser a forma perfeita de culto: Prostra-se diante do Mestre, indagando-O sobre a vida eterna, chamando-O de bom. Um homem rico, bem trajado, sujando as vestes na terra e humilhando-se diante de muitas pessoas, quem não o julgaria santo?  Respondeu Jesus: “Tu sabes o mandamento: Não adulterarás; não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não defraudarás alguém, honra teu pai e tua mãe” 10:19

E o jovem como querendo se justificar replica: "Mestre, tudo isso guardei desde a minha mocidade!"10:20.   As pessoas presentes, devem ter se impressionado com o jovem. Ele era mais digno que todos os demais que estavam ali em busca do perdão dos pecados.  Ele não tinha pecados!  Mas o Reino dos céus não vem com aparência exterior Lc 17:20. Jesus conhecia o “ponto fraco” do rapaz, e falou-lhe o que precisava ouvir e não o que queria ouvir:“Vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, toma a tua cruz e segue-me. Mas ele pesaroso desta palavra, retirou-se triste porque possuía muitas propriedades” Mc 10:21-22.

Aquele homem era idolatra, avareza era seu mal, dinheiro seu deus. Ele preferiu seguir sem Jesus, a abrir mão de tudo. E o que mais mexe comigo, nesta narrativa é o verso: “E Jesus, olhando para ele o amou”Mc 10:21. Apesar de toda miséria, rebeldia, e impureza que havia naquela vida: Jesus amava. Muitas vezes não conseguimos distinguir entre pecador e pecado e passamos a abominar as pessoas em virtude do que fazem, ou deixam de fazer. Tudo porque falta-nos amor, este dom precioso que capacita o coração a ir além das aparências, acolher as virtudes e transformar os vícios.

E quando o jovem sai de cena, ficam só Jesus e os discípulos. O clima era de velório, porque a perfeição do amor de Jesus, não foi capaz de alcançar aquela vida aprisionada ao mundo. O coração do jovem estava endurecido, impenetrável: “Então Jesus olhando em redor, disse aos discípulos: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que possuem riquezas” Mc 10:23 e os que se deixam possuir por elas. Ser rico, não era o problema, mas sim ser avarento (I Tm 6:10)

Outro aspecto que me chama atenção é que na ausência do jovem, Jesus ali mesmo, diz aos discípulos: “Em verdade vos digo que ninguém haja que tenha deixado tudo, por amor de mim e do Evangelho, que não receba cem vezes mais, já neste tempo e no século futuro a vida eterna.” Mc 10:29, 30. Jesus não fala isto para o jovem! Ele não diz: Vem, segue-me, renuncia a tudo que tens e serás milionário e salvo! Jesus não apresentou as facilidades, mas a cruz! “A melhor parte” da história não foi revelada ao jovem, mas ele descobriria se decidisse seguir Jesus. Sim, os que aceitam a cruz, recebem as dádivas. Esta é a ordem do Reino (Mt 6:33).

O grave problema do cristianismo hoje é apresentar o inverso: Vem para Cristo e receberás riquezas, ou dê-me as riquezas e receberás o Reino. Não! Jesus disse: Vem, toma a tua cruz e segue-me. Mc 10: 21.


A Insuficiência das Obras Para a Salvação Ef 2:8

O jovem que foi ao encontro de Jesus, era um religioso. Ele seguia “mandamento sobre mandamento, regra sobre regra” Is 28:13 a fim de sentir-se salvo, mas era infeliz. Algo estava errado, e tinha a ver com seu orgulho. Ele precisava entregar o coração, Jesus não invade esse terreno, Ele aceita alegremente o convite de habitar nele: “Dá-me filho meu, o teu coração, e os teus olhos observem os meus caminhos” PV 23:26. O jovem não entregou o coração e errou o caminho do céu. Ele encontrou Jesus no caminho, mas ignorou a grandeza do encontro.

Que Deus nos ajude a estarmos prostrados diante dEle em temor e tremor, em plena certeza de que Sua presença é o bem mais precioso, o único e imutável tesouro. Que em nossos corações não haja reservas, pecados não confessados, mas que haja entrega, gratidão: “Porque com alegria saireis, e em paz sereis guiados; os montes e os outeiros romperão em cântico diante de vós...E o senhor te guiará continuamente , como um manancial cujas águas nunca faltam” Is 55:12 e 58:11. Ter um encontro real com Jesus produz alegria, gozo e não pesar como aconteceu com o jovem rico ao partir. Mc 10:21. O problema, é que ele escolheu partir sem Cristo.

Ao tempo em que o encontro do jovem com Jesus nos apresenta a necessidade de renunciar ao mundo, também aponta para a fragilidade das obras como mérito salvítico. E ainda, traz á tona um erro tão freqüente em nossos dias, mais conhecido como “evangelho da prosperidade”. Se aquele jovem adentrasse em certas igrejas do mundo moderno, sairia “feliz” por encontrar uma porta bem larga recepcionando-o como filho do reino, por cumprir à risca a lei e ter muitos recursos para ofertar. Promessas de bênçãos “choveriam” sobre sua cabeça.

A história deste jovem é semelhante a tantas outras que encontram nas riquezas a motivação para a vida. Mãos cheias e corações vazios. Ganhando o mundo e perdendo a alma: "Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?" Lucas 12:20.

Como encontrar Jesus e não se deixar tocar por Ele? Jesus é o Senhor dos corações, no âmago da alma é o lugar que Ele almeja chegar. Somente esse “mergulho” do natural no sobrenatural, do velho para o novo, do exterior para o interior é capaz de produzir nova vida. Jesus, não invade corações, mas gentil e amorosamente aceita o convite para nele morar. E quando Ele chega é como a Luz, dissipando as trevas, o calor, aquecendo o gelo, o machado despedaçando a rigidez. Aquele jovem, não se deixou tocar, formou barreira, rejeitou a mais perfeita forma de amor. O jovem era um amante das “riquezas” e agarrava-se a elas como o bem mais precioso

“E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até a morte”. Ap 12:11.

Somente em Cristo Jesus reside a Salvação, somente através do Seu sangue é possível vencer o mundo. Que essa triste história, de final infeliz, nos conduza a uma profunda reflexão sobre a vida e a morte. Que em nossos corações reine a alegria do encontro com Jesus. Ele é Rei, somos seus servos. Mas Ele nos fez herdeiros de uma viva esperança, maior e melhor que todos os tesouros terrenos. Ele nos ama, infinitamente mais que pensamos ou conhecemos. Ele quer inundar nosso coração de alegria e nos prosperar em todos os nossos caminhos. Mas, jamais podemos segui-Lo sem abraçar Sua cruz, porque foi nela que Ele nos acolheu.


Por: Wilma Rejane

Biblia de Estudo Plenitude. Marcos Cap 10: 17-30.

2 comentários:

Pastor Nascimento disse...

A Paz...Tenho em plena certeza o meu coração, da Paz que habita em tua alma e o sentimento glorioso da esperança vindoura, Privilégio da Igreja....Penso na comunidade por onde Jesus passava, vilarejos distanciados e povoados por pessoas de todo nivel, (religioso e cultual)...costumes e seguimentos de uma tradição que lhes fora imputado como sendo a verdade. Agora Jesus dirige a sua atençao à aquele jovem, o endeço do Senhor é a sua alma, e que lindo, uma conversa de perguntas e respostas tão rapidas, que nos mostram..o Amor quebrando berreiras em busca do homem...o homem ofuscando sua visão com barreiras e sua tradição...bom é o Senhor e Eterna a sua Bondade. Grato... até brevemente...A Paz do Senhor.

israel batista disse...

parabéns um texto maravilhoso e edificante adorei agora visite meu humilde blog www.blogdoisraelbatista.blogspot.com abraços

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...