Meu Primeiro Amor

 Há muito que o Senhor me apareceu, dizendo: porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí. Jr 31: 3

Lembro-me com riqueza de detalhes a primeira vez em que dirigi uma oração a Deus. Eu tinha sete anos e meu pai estava muito doente no hospital, na verdade ele estava tão mal que os médicos já haviam conversado com minha mãe pedindo para ela aguardar o pior.

Uma tia missionária batista, que evangelizava em tribos indígenas, estava conosco durante aqueles dias e em uma noite de muita expectativa pelo estado de saúde do papai, ela nos convidou a orar. “Orar”, a palavra era nova para mim. Logo perguntei: 
-O que é isso?  
-Orar é conversar com Deus Rejane. Você fala e Ele te escuta na mesma hora 
-Achei fantástico!- Quer dizer que posso pedir qualquer coisa? 
-Sim.


Esperei meus irmãos orarem e fiz questão de ser a última. Queria pensar bem, para não estragar aquele momento fascinante. Fiz um único pedido: ”Papai do céu, cura meu pai e trás ele de volta para casa”. Mal terminei de orar, tive intensa certeza de ser ouvida.

-Pronto tia, Deus já ouviu, agora quero saber quando papai volta.

Meu pai recebeu alta uma semana depois , para surpresa dos médicos. Desde aquele dia, nunca mais deixei de orar. Percebi que Deus não era mal e distante, aquele que me castigaria sempre por algo errado: “olha não faz isso que Deus castiga”. Ele era bom e me amava. Uma lição básica que me sustentou em muitos momentos, até o conhecimento pleno da Verdade que É Cristo Jesus.

Esta simples história tem por objetivo avivar em nós a simplicidade do Evangelho. Deus não exige que sejamos sábios, ricos, importantes, belos ou mesmo santos. Tudo o que Ele precisa é de um coração disposto a acreditar, entregue inteiramente aos Seus cuidados. Ele ouve a pecadores,  e ama-os com ardente anseio de atraí-los para Seus braços em um relacionamento transformador.

Daí, com alegria poderemos exultar: “Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos, por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza” Jô 42:5, 6. Ele nos ama e de braços abertos, tal qual no sacrificio da cruz nos aguarda. Que assim seja.


Wilma Rejane.

3 comentários:

Unknown disse...

Olá,
Gostaria de fazer parceria com seu blog.
Sou da mesma equipe do Blog da Igreja Mundial.
Para fechar parceria conosco pegue um desses banner no seguinte link: http://blog-gospelimpd.blogspot.com/p/banners-para-divulgacao.html
e passe em nosso blog comentando se quer fazer ou não parceria!
Obrigado! Fique com Deus!

Maurício de Souza Lino disse...

Caríssima, Paz e Vida da parte de Nosso Deus!
Bem, quero dizer-lhe que observando seu blog, pude ver rastros e vestígios de uma certa nostalgia nos textos. Isso, biblicamente. Seria verdade, ou estou equivocado?
Gosto muito de suas mensagens; falam profundamente à minha alma!
É um quê de saudades...do céu...
Saudações fraternas em Cristo!

Wilma Rejane disse...

Irmão Fratermauricio,

Sabe que só hoje vim perceber o quanto meu blog tem falado de amor e saudade por estes dias.

Fui fazendo as postagens naturalmente e hoje, coincidentemente Observei: Alguém haverá de dizer que estou amando muito (risos).

E foi você quem percebeu. É que estou lendo o livro de Jeremias e ele fala muito ao meu coração, de amor, principalmente.

Obrigada, querido irmão.

Deus o abençoe.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...