Entrevista Com João Cruzué : "Felicidade é Sentir a Presença de Deus"




Trago uma entrevista com alguém muito especial : Irmão João Batista Cruzué. Nossa amizade começou através da UBE (União de Blogueiros Evangélicos), ele (por indicação do Eliseu e do Sammis) me fez o convite para participar do projeto e após várias negativas de minha parte,  insistiu e de forma muito impactante me convenceu que há necessidade de obreiros para a seara virtual e que Deus tem propósitos para os que servem com amor. Cruzué é um escritor talentoso e fala profundamente aos leitores de seus blogs entre os quais destaco  Blog Olhar Cristão. Obrigada pela disposição em responder a entrevista, querido João e por compartilhar conosco seu admirável testemunho de vida.

Se eu fosse você não perderia uma linha dessa conversa.

Entrevista por Wilma Rejane 

Quero inicialmente agradecer a oportunidade à Irmã Wilma Rejane,  jornalista cristã, Educadora, e cumprimentar os leitores do Blog  “A Tenda na Rocha”, editado   por ela. Um Blog com excelência, que vem publicando conteúdo com propósito, responsável e genuinamente cristão. Diferentemente dos de outros blogs atingidos pelos ventos   narcisistas, onde a difamação e a fofoca evangélica levam a um “sucesso” fácil, mas que derrubam pontes em lugar de construí-las; assustam os sedentos de Deus com textos difamadores, que vêem apenas a malícia  e hipocrisia em tudo e todos, em lugar de terem um olhar cristão. Parabéns pelo trabalho, irmã Wilma, e mais vez: muito obrigado pela oportunidade.

Me chamo João Batista Cruzué nasci em Ponte Nova, Minas Gerais, moro em São Paulo, congrego na Igreja Evangélica Assembleia de Deus desde 1977, sou presbítero,  casado há  27 anos com a Cléo, tenho duas filhas, um neto e trabalho na auditoria do Tribunal de Contas de São Paulo.


João, nos fale um pouco sobre sua infância

Minha infância foi muito pobre, mas alegre e divertida. Nasci e vivi no campo, ia para a escola a pé até os 12 anos. Minha mãe era uma professora de escola rural, que veio de uma família muito focada em educação. Eu tinha muitos primos para brincar de “tapinha” (pega-pega)  “pique”,  birosca (bolinha de gude),  “tiradeira” (estilingue),  pião na roda, pesca de anzol e peneira, e tomava muito banho no rio – para o pavor de minha mãe. Tinha só dois brinquedos: um caminhãozinho de madeira e uma pequena bola de borracha vermelha.

Mas essas brincadeiras eram coisas de domingo, pois de segunda a sábado o negócio era: estudar, estudar e estudar.  Tenho vivo em minha memória uma cena: minha mãe carpindo o arrozal comigo ao seu lado com um caderno na mão. Era muito cobrado e invariavelmente tirava as primeiras notas da classe.  Meu pai, já falecido, não conseguia fechar as mãos, cheias de calos, dormentes, de tanto usá-las em um cabo de enxada, mas  hoje, eu leio, falo,  traduzo e escrevo em inglês e sou auditor concursado. Valeu a pena.

Não eram apenas brincadeiras e estudos, eu trabalhava também. Desde muito pequeno  lavava as “vasilhas” do almoço, carregava água para o banho de bacia  e socava  arroz no pilão para as refeições da casa.  Isso tinha uma explicação: tanto meu pai quanto minha mãe ficavam praticamente o dia inteiro trabalhando na roça, plantando, capinando e colhendo. Eles eram muito pobres, econômicos, honestos e muito trabalhadores. Aspiravam a uma vida melhor e mais confortável – o que conseguiram lá pelos meus 14 anos.


Quais foram as primeiras percepções sobre Deus?

Desde cedo aprendi a “rezar”.  Era desafiado a rezar o “Padre-Nosso” pelos comerciantes da cidadezinha onde cresci. Se eu não errasse, ganhava uma bala.  Ganhei muitas. Vim de uma família católica, meus primeiros contatos com a oração se deram lá pelos seis, sete anos, quando minha mãe reunia minha irmã e eu para orar o “terço”, de joelhos, olhando para dois quadros na parede da sala. Essas orações não eram muito freqüentes, senão durante as viagens de meu pai. Acho que eu era hiperativo. Assentado nos bancos de madeira durante a missa, eu me mexia muito. Os adultos se importunavam com isso, olhavam feio para minha mãe, e lembro que aconteceu um beliscão certo dia.

Você é pioneiro na blogosfera Evangélica, como se deu os primeiros contatos com blogs?

Meus primeiros contatos com blogs se deram em 2003. Os americanos já tinham essa cultura massificada e elegiam presidentes com eles.  Eu assinava o provedor UOL e eles disponibilizavam alguns modelos para personalização. O espaço era muito pequeno, dava para meia dúzia de linhas e uma imagem, enfim, muito limitado. Depois,  procurando um espaço maior – e gratuito -  encontrei por conta própria o Blogger em 2005.

A Vida Antes e depois do Blogar

Minha vida antes e depois dos blogs não é diferente. Eu luto minhas batalhas diárias contra a presunção e o individualismo. Estou consciente do problema do narcisismo. Meu objetivo, desde os anos 80s, é usar a literatura impressa para evangelizar, o que mudou foi a  forma de fazê-lo. Antes era por um jornal impresso, hoje, a palavra se propaga com uma incrível velocidade do mundo  virtual para o real potencializada pela mais moderna tecnologia de comunicação que o mundo já viu. Minha visão de internet é muito simples: se é possível ser um produtor de conteúdo, por que continuar sendo apenas um passivo leitor? Entendo que minha missão, como cristão, é conhecer e utilizar a melhor tecnologia para glorificar o nome do Senhor Jesus. Esta visão não apareceu com os blogs,  mas com o primeiro jornal evangélico que fui editor lá atrás: Fazer, e fazer melhor a cada nova tentativa.

Antes e depois de Conhecer Jesus

Antes de Jesus eu era um  moço inteligente, mas triste e epiléptico. Depois de Jesus eu continuei inteligente, e duas coisas melhoraram: Jesus me curou da epilepsia e minha tristeza cedeu lugar a uma alegria permanente que vem do Espírito Santo que pela misericórdia de Deus é presente em minha vida. A presença deste Espírito em minha vida,  faz com que todas as outras coisas não tenham uma importância exagerada. Fico ainda mais contente, porque esta paz e alegria estão ao alcance de todos, basta querer e aceitar o Senhor.

João cruzué no dia a dia

Sou uma pessoa comum, que demorou, demorou, mas agora se tornou um vovô. Preocupo-me com a saúde; procuro fazer caminhadas regulares durante a semana e um pouco mais longas no fim de semana, para escapar dos medicamentos – tão comuns depois dos 50. Acordo cedo, não gosto de dirigir em São Paulo, prefiro o transporte público, pois posso pegar uma condução mais longe e descer alguns pontos antes do destino. Como não posso ir de tênis para o trabalho, comprei um sapato com amortecedor no salto. Sou muito caseiro, resistente à festas, gosto de me manter atualizado com o que “rola” no mundo,  e de DVDs de filmes infantis. O filme mais assistido é “Luther” com Joseph Fiennes, depois gosto do “Senhor dos Anéis”, “Matrix”,  “Contato” com a Jodie Foster, os “Três Mosqueteiros” da Disney, com Donald, Mickey e Pateta ; Kung Fu Panda e alguns outros.

Vovô João todo orgulhoso com o neto Nino


Um defeito...

A pressa

Falando em Sonhos

Depois que me tornei um crente em Jesus,  penso que já alcancei a posição mais alta que um ser humano já alcançou. Não pela altura, mais pela consciência de que posso servir melhor à humanidade trabalhando a vocação e os propósitos de Deus para minha vida. Estou longe de alcançar isto; é preciso humildade para se colocar na posição que Deus quer, e humildade é uma virtude  que, quanto mais luto, mais longe parece que ela fica. Eu tenho tudo para ser uma pessoa melhor, mas o que me impede de alcançar isto, sou eu mesmo. Mas continuo tentando. Isso não quer dizer que não tenho alguns objetivos. Quero perder 20 kg nos próximos dois anos, passar na FUVEST em direito para estudar na USP no Largo de São Francisco e  ser um escritor mais conhecido que Paulo Coelho – “he he he”.

O que é felicidade?

Felicidade para mim é sentir a presença do Espírito de Deus. Depois vem outras coisas, estar junto com a família em casa (apesar da minha rabugice), ter trabalho a fazer, pois fiquei 11 anos desempregado; ver uma alma rendendo-se conscientemente  a Cristo.

Uma Frase

“E uma coisa faço, e é que me esquecendo das coisas que para trás ficam, e olhando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” Filipenses 3:13 e 14. Esta palavra ajudou-me muito no tempo do desemprego.

João, qual a sua oração mais constante?

Minhas mais constantes orações a Deus são pela saúde da minha família.

Considerações Finais

Sou muito grato a Deus e à Irmã Wilma Rejane pela oportunidade que me concederam, para  dizer algumas coisas no blog “A Tenda na Rocha”. Vou aproveitar a oportunidade e o tempo, agora apropriado, para dizer algumas coisas

Eu  posso ver, hoje – início de 2011 - uma cultura  secularista crescendo nos textos de muitos  blogs ditos evangélicos. Quando os irmãos Valmir, Altair,  Eliseu, Lucas, Luis e eu começamos  na UBE tínhamos (ou acho que tínhamos) um propósito de influenciar e romper com uma cultura evangélica  narcisista, farisaica,  (ressalvando as exceções)  com  um novo pensamento em comunicação, democrático, construtivo e comunitário. Queríamos evitar que uma cultura  religiosa hipócrita, elitista, existente na vida real das igrejas, alcançasse a blogosfera antes de nós, com os seus  velhos atores de sempre, aqueles que ocupam todos os espaços, todos os microfones  e todos os  lugares.  Lutamos para que os blogueiros novos aprendessem a se expressar e publicar, difundindo o conhecimento da nova tecnologia,  para que  tivessem voz e dissessem o que pensam. Em parte fomos bem sucedidos  temos visto coisas boas (como o blog A Tenda na Rocha). Nós inserimos o aparecimento dos blogs evangélicos na busca do Google. É muito provável, que não haja uma página de busca onde não  esteja um blog evangélico, ressalvado aquilo que é podre.

Mas não tenho tanta certeza se aqueles propósitos da administração da UBE continuam. Ficamos mais ocupados, mais velhos, mais críticos, mais  intolerantes, mais  individualistas e menos humildes e pacientes. Acho que o primeiro amor se foi. Imagino que ao ter ido mais longe do que pensávamos, paramos e ficamos satisfeitos no local de conforto que conquistamos.

Eu decidi sair da UBE no ano passado, para não repercutir ali dentro a crítica gratuita, a intolerância, o narcisismo, a rabugice.  Naturalmente, houve outros fatores, como a  falta de tempo, pois raramente  dispensava menos de duas horas por dia  na UBE. Quando  passei a trabalhar no Centro de São Paulo, longe de casa, comecei a chegar à noite muito cansado. O tempo diário que me restava, que deveria dedicar à família, passei  a gastá-lo na administração da UBE.

Quando veio o tempo de normatizar a Associação, procurei trazer as pessoas certas e incentivar as que estavam inativas  para ajudar a carregar o piano da UBE que estava cada dia mais pesado. Era preciso de mais colaboradores. Pessoas certas, nos lugares certos. Acho que minha atitude, embora tenha sido muito bem recebida entre os membros da associação, foi mal-entendida, mal-compreendida, não apoiada no núcleo administrativo interno. E para não perder a amizade com os  irmãos administradores, orei,  e tomei a decisão de sair. Na vida cristã, há um princípio que também é um paradoxo: é preciso perder para poder ganhar. Transformei essas palavras em atitude e decidi dedicar à família o tempo  que  ela merecia. Assim a paz dentro da associação continuou, e eu também fiquei em paz com a minha consciência.

Por fim, mudando de assunto, tenho para mim, que para escrever bem, é preciso ler muito e ter uma boa consciência, para não causar aversão à fé nos leitores não crentes de nossos blogs. Eu creio firmemente neste princípio: Eu posso, eu sei escrever, eu escrevo, mas eu escrevo com uma boa consciência, para agradar ao Senhor.

Obrigado.
São Paulo, 19 de fevereiro de 2011.

8 comentários:

Valney Ribeiro Júnior disse...

A todos graça e Paz da parte de Deus e de nosso Senhor Jesus Cristo. Irmã Wilma que ótima escolha para entrevista. Muitas vezes temos contato com o irmão João no seu blog lhar Cristão, porém, nunca tinha o visto como ser humano no dia-à-dia como hoje ao ler este artigo. Ao irmão João meu muito obrigado por todo o trabalho realizado no UBE que muito me motivaram a escrever e continuar escrevendo sabendo que não estava só na Blogosfera Cristã. Não alcansei ainda um número de visitas que pretendo no Ainda Existe Paz, mas, algumas delas marcaram bastante para mim por conta da maneira de como Deus agiu na vida de irmãos nossos que se fortaleceram em Cristo através dele, e nisso, tens participação por conta da motivação que encntrei através de ti, da irmã Wilma e de todos lindos textos que o Senhor tem vos dado. Que o amor que arde em nossos corações, fazendo-nos anunciar a vontade de Deus ao mundo não se esfrie nem se apague, pois somos feitura de Deus, criados em Cristo para toda boa obra, designados para irmos e anunciarmos a todos o ano aceitável do Senhor.

Sonia Minucelli disse...

Que bom ler esta entrevista, Deus abençoe a todos!

Wilma Rejane disse...

Oi Valney!!

Não sabia que eu também havia lhe motivado a escrever(rsrsr). Graças a Deus que não aprendeste a cometer meus erros de português (rsrsr).

Tens razão Valney, o João Cruzué realizou um trabalho formidável na UBE e as sementes que plantou por lá deram muitos frutos.

Obrigada Valney ! Deus o abençoe e ao seu trabalho de anunciar as Boas Novas.

Wilma Rejane disse...

Obrigada Sonia!

Volta sempre, tá? Deus a abençoe.

Cintia Kaneshigue disse...

Olá Wilma!! A paz!!!

Eu simplesmente amei essa entrevista do sr. Joao aqui na Tenda na Rocha, o sr Joao é como um pai virtual pra mim, nos acompanhamos ja ha quase 4 anos, sou grata a Deus pela vida dele, sempre interessado, me incentivando e apoiando!!!
Parabéns pela entrevista!!!

Pr.Vanelli disse...

Parabens irma Wilma pela linda entrevista com o irmao Cruzue. Ele eh para mim um estimulo a continuar blogando. Em dez 2007 ele me ensinou pacientemente o "be a ba" da blogagem e ate hoje eh o meu socorro qdo me perco em algo. Cobrava melhores postagens de mim, um mestre q ensinava e cobrava a licao de casa. Ate que um dia em nome da Ube ele me homenageou pela postagem Eh hora de parar de desperdicar as bencaos de Deus. Na postagem Pascoa-o Retorno do Rei fez mencao a mim tambem, o que muito me comoveu. Joao Cruzue, meu mestre. Parabens pela excelente entrevista irma Wilma e ao irmao Joao obrigado pelo carinho por aceitat este pequeno discipulo. Prvanelli. www.pastorvanelli.blogspot.com

Wilma Rejane disse...

Oi irmã Cintia!

João Cruzué é alguém muito especial para mim também. Ainda hoje aprendo com ele e o que aprendi no passado me serviu não só para blogagem, mas para vida.

Sem contar, que ele escreve com o coração, amo os textos dele.

Obrigada Cintía! Deus a abençoe, e vida longa ao nosso amigo comum.

Em Cristo.

Wilma Rejane disse...

Olá Pr. Vanelli!

Tenho o irmão cruzué em grande estima.

Seu depoimento só me confirma o quanto ele tem influenciado toda uma geração de blogueiros,precioso Cruzué.

Obrigada Pr. Vanelli, és sempre bem vindo!

Deus o abençoe.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...