A casa do outro lado da rua - É sobre cobiça

Êxodo 20:17 "Não cobice nada do seu próximo"




Wilma Rejane


Certa vez, Abraão teve um encontro com o  Rei de Salém,  este lhe ofereceu fazendas em troca de servos,   e ouviu como resposta: “Não tomarei coisa alguma do que é teu, para que não digas: Eu enriqueci a Abraão” Gn 14:23. Abraão era satisfeito com o que tinha, e sabia que poderia ser próspero e feliz colocando tudo sob os cuidados de Deus. Parte da infelicidade humana, tem origem na insatisfação entre ser e possuir. Um breve olhar ao nosso redor nos dirá o quanto de capital e consumo se exige dos homens, revestidos de pretexto de felicidade. E apesar da evolução comercial e tecnológica, novas e espantosas descobertas são realizadas no sentido de curar ou evitar o avanço das doenças consideradas comuns nessa era: bipolaridade, depressão, ansiedade, solidão, síndromes e síndromes. Mãos cheias e corações vazios. E esse  não é um dilema apenas dos “ricos”; quem possui sempre quer mais e quem não possui também. O problema aqui não é entre ricos e pobres, mas sobre cobiça.

Hebreus 13:5- "Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque Ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei”



A casa e o jardim do outro lado da rua, não são mais belos. Aquilo que amamos e cultivamos com a benção de Deus é o que nos traz felicidade e se a felicidade reside em nós, para que cobiça? Uma perfeita ilustração sobre o tema é a história do encontro de Jesus com o jovem rico em Mateus 19:16-30. O jovem queria saber o caminho da vida eterna, Jesus se apresenta como Tal e lhe faz o maior e mais importante convite que alguém pode receber em vida: “Vai, vende tudo o que tens e terás um tesouro no céu, vem e segue-me”. O jovem pesou na balança e considerou que suas conquistas materiais eram bem mais importantes que O Reino dos céus, a presença constante de Jesus em sua vida. E o texto termina dizendo que “o jovem partiu triste porque possuía muitas propriedades” Mt 19:22.  Mãos cheias e coração vazio. O problema do jovem era cobiça, avareza. E por essa causa, sua vida (inconsistente) consistia em possuir bens e ser possuído por eles. Felicidade e vida eterna não são questões de status social, Deus não faz acepção de pessoas, mas assim como o “jovem rico”, muitos podem se perder por depositar a vida nos bens terrenos.




Lucas 17:20-21"O reino de Deus não vem com aparência exterior.Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós." 


Uma pesquisa feita no Brasil com executivos, constatou que 84% deles se declararam infelizes: “Muitos sofrem e se questionam sobre essa situação, e a maioria sente-se impotente diante dela. A infelicidade gerada pela escassez de tempo muitas vezes só é percebida com maior clareza quando um executivo passa por uma grande crise, por dificuldades mais sérias: Somente depois de um infarto é que concluí que estava poderoso, rico e sem vida. O drama não é só o tempo real gasto no trabalho, mas também a energia: o que adianta chegar em casa e a alma ter ficado na empresa, o corpo estar esgotado?”. Nossa alma pode está em diferentes lugares: no trabalho, na religião, no time de futebol, na fama,  no outro, mas se não estiver em Cristo Jesus, de nada adiantará. É necessário que saibamos ter paixão pela vida terrena e sermos sim bem sucedidos em tudo, empreendendo esforço e trabalho, porém com a alma guardada em Jesus que nos alertou: “Onde estiver o seu tesouro, aí estará também o seu coração” (Mateus 6:21). Há um lugar de repouso que consola a alma humana das inquietações, que conduz o espírito em paz, mesmo em um mundo conturbado como esse. Quem busca esse lugar, chamado Reino de Deus, revelado na pessoa de Jesus, pode ser próspero e feliz. Sim pode ser que tenha bens, mas também pode ser que não os tenha em abundância. Porém, em todos os casos, não será vencido pela cobiça, pela ansiedade de ser e ter, simplesmente por Tê-lo encontrado.


“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas.Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal". Mateus 6:33-34 


Existe uma (ou muitas) ideologias contrárias ao cristianismo, que dizem que o homem não precisa de Jesus Cristo para alcançar sucesso e paz nessa vida, tudo que é necessário é a força humana do trabalho. Nietzsche e Karl Marx são pensadores que até hoje influenciam gerações com esse pensamento, mas ao negar o revestimento cristão para vencer na vida, eles acabam por confirmar a necessidade Dele:“Portanto da união com Cristo dá exaltação interior, consolo no sofrimento, a garantia de calma, e um coração que está aberto para o amor da humanidade, tudo o que é nobre, tudo o que é grande, não por ambição, não por um desejo de fama, mas só por causa de Cristo. Portanto a união com Cristo dá uma alegria que o epicurista se esforça em vão para derivar de sua filosofia frívola ou o mais profundo pensador das profundezas mais recônditas do conhecimento, uma alegria que só pela mente, ingênua criança que está ligado com Cristo e por meio dele com Deus, uma alegria que faz a vida mais elevada e mais bela. (João 15: 11)." Karl Marx, Agosto de 1835. Essas são palavras de um Marx que ainda não se declarava ateu. O que aconteceu a esse homem para atacar aquilo que uma vez defenderá? Mãos cheias e coração vazio. O mundo corrompe, ilude e por não se ter um encontro real e de entrega com Jesus, prossegue-se triste e vazio na vida. Vejam, o jovem rico encontrou Jesus, mas O rejeitou. Jesus quer ser Senhor de nossas vidas, por completo, quando isso acontece a fé, esperança e amor fazem morada definitiva nos corações.


Que a nossa casa seja essa casa de oração, morada do Espírito Santo de Deus, que não cobiça o que é do outro, nem se ilude com o que está diante dos olhos. Que nossos corações estejam repletos de paz e felicidade, ainda que as mãos estejam vazias. Porque Jesus há de ser nosso maior bem. Não quero dizer que alcancei perfeição e descobri todos os mistérios do bem viver, mas prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação em Deus que é Cristo Jesus (Filipenses 3:14) e aqui reside todo o sentido da vida porque quando a casa terrestre se desfizer, uma outra eterna abrirá as portas para nos receber. Por isso o melhor da vida, é viver com Cristo Jesus, Redenção dos salvos!


Amém.

2 comentários:

Anderson Carvalho disse...

Boa Tarde !!!

Gosto da passagem de Provérbios 30;8... "não me dês nem a pobreza nem a riqueza: dá-me só o pão que me é necessário"...

Uma só coisa é necessária... escolhamos sempre a boa parte...

Deus Abençoe

Wilma Rejane disse...



Oi Anderson, boa noite!!


Quantos de nós teria fé e coragem para realizar essa oração de provérbios 30:8?

Ouso dizer que poucos...


Obrigada pela preciosa contribuição,

Deus o abençoe.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...