sábado, 20 de abril de 2013

Para onde vão as crianças quando morrem? A questão da salvação na infância.





Wilma Rejane


O assunto é instigante e sempre alvo de questionamentos: as crianças vão todas para o céu? São pecadoras ou inocentes? A partir de qual idade uma criança é considerada capaz de ter consciência sobre bem e mal? Quais os princípios Bíblicos a respeito da salvação infantil? Farei um esforço para elucidar o caso, considerando passagens Bíblicas e a observâncias do cotidiano que inclui diariamente em seus noticiários crianças; tanto como vitimas, quanto como vilãs. É difícil não se comover com o simples olhar para uma criança, de colo, especialmente. Elas transmitem pureza e alegria, renovação da vida e esperança. Porém, nos últimos séculos, a infância tem se modificado e crianças estão cada vez mais adultas.


Tenho lido vários artigos sobre o tema, mas em nenhum deles, encontrei referências a uma passagem Bíblica que considero importantíssima e esclarecedora. Já ouvi grandes e famosos evangelistas dizerem que não existe uma só passagem Bíblica sobre condenação de crianças, mas existe , ela está no livro do profeta Ezequiel 9:2-6:


"E eis que vinham seis homens a caminho da porta superior, que olha para o norte, e cada um com a sua arma destruidora na mão, e entre eles um homem vestido de linho, com um tinteiro de escrivão à sua cintura; e entraram, e se puseram junto ao altar de bronze. E a glória do Deus de Israel se levantou de sobre o querubim, sobre o qual estava, indo até a entrada da casa; e clamou ao homem vestido de linho, que tinha o tinteiro de escrivão à sua cintura. E disse-lhe o Senhor: Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marca com um sinal as testas dos homens que suspiram e que gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela. E aos outros disse ele, ouvindo eu: Passai pela cidade após ele, e feri; não poupe o vosso olho, nem vos compadeçais. Matai velhos, jovens, virgens, crianças e mulheres, até exterminá-los; mas a todo o homem que tiver o sinal não vos chegueis; e começai pelo meu santuário. E começaram pelos homens mais velhos que estavam diante da casa." 

Os seis homens com vestes de linho e tinteiro na cintura são anjos de Deus designados para exercer julgamento sobre Israel marcando um sinal na testa dos salvos. Estes não seriam mortos. Quem não tivesse o sinal estaria condenado por Deus por causa das abominações cometidas e a resistência ao arrependimento e aqui se inclui tanto velhos quanto crianças (não especifica a idade)

Essa passagem é idêntica a Apocalipse 7:2-3:

"E vi outro anjo subir do lado do sol nascente, e que tinha o selo do Deus vivo; e clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado o poder de danificar a terra e o mar,dizendo: Não danifiqueis a terra, nem o mar, nem as árvores, até que hajamos assinalado nas suas testas os servos do nosso Deus." 

Anjos assinalando uma marca invisível a olhos naturais como sinal de proteção Divina contra a morte eterna. A tradução para "assinalar ou marcar" corresponde a "tau", última letra do alfabeto hebraico semelhante a uma cruz, um X. 

Assim, diante do exposto, crianças são passíveis de julgamento Divino e consequentemente de condenação. Mas isso não se aplica a bebês, crianças de colo até a fase em que ainda não têm capacidade de caminhar, falar, agir, se movimentar sem ajuda de adultos e discernir moral e eticamente. Esse argumento, seria sustentado pela passagem Bíblica da morte do recém-nascido filho de Davi com Betseba. Ao receber a triste notícia o pai lamenta:

"Porém, agora que está morta, por que jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar? Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim" II Samuel 12:23.

Agora, saber a idade exata considerada por Deus para se responder pelo pecado é algo que julgo não está a nosso alcance. Cinco, seis, sete anos? Sobre isso de fato, não há referência Bíblica. Existe o relato do garoto Samuel, ainda criança trabalhando no Templo, em Siló, auxiliando Eli no sacerdócio. O que implica dizer que Samuel era uma criança, mas já discernia sobre bem e mal, pecado e obediência, I Samuel 2:18.


" Samuel ministrava perante o Senhor, sendo ainda menino, vestido de uma estola sacerdotal de linho".


Na lei judaica, ao completar 13 anos, os meninos atingem a maioridade religiosa. Ou seja, têm perfeito conhecimento sobre pecado e obediência e condições para escolher os caminhos a seguirem. Essa fase, é comemorada por toda a família em uma cerimonia chamada de Bar-Mitzvá:


" Código de Lei Judaica ensina que, a partir dessa data, os jovens passam a ser totalmente responsáveis pelo cumprimento dos Mandamentos Divinos, as mitzvot, não mais os cumprindo apenas porque assim seus pais lhe ensinaram. Seu pai, portanto, deixa de ser responsável pelos seus atos, como está prescrito no Shulchan Aruch HaRav. Em hebraico, Bar-Mitzvá e Bat-Mitzvá, significam literalmente filho ou filha do mandamento". Para as meninas, existe o Bat-Mitzvá, ao completarem 12 anos, o significado é o mesmo.

Assim, sabemos através do livro do profeta Ezequiel (9:2-6) que as crianças serão julgadas por Deus para salvação ou condenação. Apocalipse 7:2-3 confirma esse julgamento. Sabemos, através da morte do recém-nascido filho de Davi, que as crianças de colo herdarão o reino de Deus, que existe uma idade limite na infância para se responder moralmente por seus atos. No judaísmo, meninos a partir dos treze anos e meninas a partir dos doze oficialmente têm capacidade de discernir espiritualmente entre bem e mal, pecado e obediência.

E fora do judaísmo, com que idade uma criança responde espiritualmente por seus atos?

Nos Estados Unidos, qualquer criança que praticar homicidio ou crime grave, responderá por seus atos perante a justiça. Diríamos que a maioridade penal é um pré suposto para maioridade espiritual. Se alguém é capaz de responder judicialmente por seus crime, pela lógica, também é capaz de responder por sua vida espiritual. Treze estados norte americanos fixaram a idade penal entre 6 e 12 anos de idade. Crianças de 14 anos já foram condenadas a cadeira elétrica. Você poderá ler sobre isso Aqui (maioridade penal) e Aqui (crianças assassinas).

Se considerarmos a lei brasileira, essa idade se estende até os 18 anos, abaixo disso (entre 12 e 17anos) criminosos estarão sujeitos a medidas correcionais .

Esse passeio pela maioridade civil é válido porque queiramos ou não, rege as leis de responsabilidade moral dentro da infância. A lei de Deus é distinta da lei dos homens, porém, Deus está no controle da história da humanidade e Ele mesmo, no Antigo Testamento, pede para que sejam colocados juízes sobre a terra e até criou as cidades refúgio, sinalizando ali para as penalidades por crime, referências Bíblicas: Êxodo 21; 12-13, Números 35; 6-28, Deuteronômio 4; 41-43 19; 1-13, Josué 20;1-9

Esses fatos não elucidam a questão sobre a idade estabelecida por Deus para responder espiritualmente por seus atos, mas ajudam a enfatizar a necessidade de salvação na infância. Todos precisam fazer uma decisão na vida sobre a quem seguir: bem ou mal. Todos, inclusive crianças necessitam buscar relacionamento com Deus a fim de serem resguardadas espiritualmente. Deus estabeleceu um Caminho para salvação e Ele está disponível para todos os povos, em todos os lugares da terra. Se uma criança, por qualquer motivo, não teve a oportunidade de frequentar uma igreja, conhecer a Palavra de Deus, nascer em um lar cristão, mas demonstrar através de seus atos se escolheu bem ou mal em seu coração,  se ama a Deus ou escolheu o mundo,  isso Deus considerará, porque o Senhor é justo. 

" Até a criança se dará a conhecer pelas suas ações, se a sua obra é pura ou reta". Provérbios 20:11

"Glória, porém, e honra e paz a qualquer que pratica o bem; primeiramente ao judeu e também ao grego; Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas.Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados.Porque os que ouvem a lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados.Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei;Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os;No dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Jesus Cristo" Romanos 2:10-16. 

Paulo faz referência aos que tiveram oportunidade de ouvir a Palavra de salvação, mas não se arrependeram . Já outros, nunca ouviram, mas demonstram ter Cristo Jesus no coração e assim se comportam perante o mundo. Todos esses casos, considerados segredos dos homens, serão julgados por Deus, não cabendo a nenhum de nós desvendar os principios desse julgamento.

Das Crianças é o reino dos céus:

E como fica a passagem Bíblica tão frequentemente usada para apoiar a interpretação de que toda criança herdará o Reino dos céus? Certamente, tudo que foi dito aqui, não anula esse trecho das Escrituras, pelo contrário, ele se torna ainda mais enfatico. Agora vamos observar o original grego desse verso:


O grego toiouton não se refere às crianças e deve ser traduzido conforme, por exemplo, a NVI, e é compatível com Mateus 18.3,4: “Então disse Jesus: Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino dos céus pertence aos que são semelhantes a elas.” (luis Sayão, no artigo: É das crianças o reino de Deus? )

O Reino dos céus pertence aos que se assemelham a crianças e aqui voltamos àquelas crianças do inicio do artigo: de colo que dependem de adultos para se moverem e fazerem escolhas. Dependem de sesu pais e confiam neles deliberadamente. E Deus nos diz que para que adultos alcancem o Reino de Deus, têm que gir como essas crianças, sendo dependentes e entregues a Sua vontade e direção.

E disse: Eu lhes asseguro que, a não ser que vocês se convertam e se tornem como crianças, jamais entrarão no Reino dos céus. Portanto, quem se faz humilde como esta criança, este é o maior no Reino dos céus” (MT 18.3,4).

Ficamos por aqui com o tema, esperando ter contribuído para uma maior compreensão sobre salvação na infância.

Deus nos abençoe.

Todas as fontes como links e ainda: Bíblia de Estudo Plenitude, SBB, Revista e corrigida. Tradução: João ferreira de Almeida.

11 comentários:

Presbítero Maurício disse...

Caríssima, paz divinal!

Quanto à questão da salvação de crianças de colo, bebês, é irrelevante: os bebês vão para o céu e ponto final; mas quanto às outras crianças, realmente, como a irmã frisou bem, fundamenta-se numa tradução equivocada da Bíblia. Jesus disse que o Reino dos céus pertence AOS QUE SÃO SEMELHANTES A ELAS, e não a elas; isto é, Jesus está se referindo àqueles que hão de herdar o Reino dos Céus, ou seja, seus interlocutores, aqueles que estavam participando da conversa, e não as crianças propriamente ditas.

Por outro lado,a pureza infantil, a inocência, o coração sem rancor, sem orgulho, ódio ou julgamento, simplesmente vivendo o amor, a alegria e a sinceridade extraordinária, não são suficientes para protegê-las espiritualmente. Em Marcos 9, 21,22, lemos que um menino era possesso de um espírito mau desde a infância: “Jesus perguntou ao pai do menino: Há quanto tempo ele está assim? Desde a infância, respondeu ele. Muitas vezes esse espírito o tem lançado no fogo e na água para matá-lo. Mas, se podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos”.

Parece razoável concluir que há crianças sob a influência do mal e crianças sob a bênção protetora de Deus. Assim, vemos que as crianças podem ser abençoadas e especialmente protegidas por Deus, mas há também aquelas que estão afastadas de Deus e que não estão sob a mesma proteção espiritual. Assim sendo, devemos concluir que as crianças não herdam o Reino dos céus automaticamente só por serem crianças. Isso significa que nem todas as crianças são salvas. Se fosse verdade que todas as crianças são salvas, seria necessário impedir que elas se tornassem adultas. (A consciência adquirida na fase adulta seria a maior maldição da vida).
É muito mais provável que haja crianças salvas e crianças perdidas.
A verdade é que nenhum texto bíblico fala aberta e claramente sobre o assunto. Todavia, não é possível sustentar a salvação garantida a todas as crianças.
Fico feliz em poder comentar e contribuir um pouco, do pouco que aprendi.Paz!

Erisvaldo Pinheiro disse...

Profundo e enriquecedor. Vou guardar para Escola Bíblica Dominical.

Paz do Senhor,
Erisvaldo

Joaquim José Tinoco de Oliveira disse...

Amada irmã,

Bom voltar a comentar sobre uma postagem sua. Dias atrás, fiz um comentário em seu blog, mas a postagem não era de sua autoria.

Esse tema é de fato fascinante, e poucos irmãos demonstram, um perfeito domínio sobre o assunto.

No fim de 2011, tivemos uma calorosa discussão sobre o assunto, num fórum específico da UBE, e tão importante foi o debate que levei a discussão para o meu blog onde houve várias intervenções:

http://vivendonoeden.blogspot.com.br/2011/11/crianca-ao-morrer-vai-para-o-ceu-ou.html

O oitavo parágrafo de sua postagem, revela um perfeito alinhamento entre nossos conceitos sobre o assunto.

As crianças referidas no citado parágrafo, eu identifico como as CRIANÇAS QUE VIVEM AINDA A FASE DA INOCÊNCIA.

A propósito, quanto a idade mínima em que se pode atribuir responsabilidade a uma criança, me atrevo a afirmar o seguinte:

Nenhuma criança com menos de 2 anos de idade, se vier a faltar, irá para o inferno, ou seja, todas até a essa idade estão absolutamente salvas.

BASE BÍBLICA: Mat. 2.16.

PORQUE:

Jamais a vinda do Senhor, iria ser motivo ou provocar a morte de pessoas perdidas e selar a oportunidade de salvação para elas, pois, foi exatamente para salvá-las que ele veio. Lc 9.56.

LOGO SE DEUS PERMITIU QUE HERODES DETERMINASSE A MORTE DE TAIS CRIANÇAS,ISSO SIGNIFICA DIZER QUE TODAS ESTAVAM SALVAS E ABSOLUTAMENTE LIVRES DA CONDENAÇÃO FUTURA.

BEM, com base nesse ensino bíblico, posso dizer que toda criança com até 2 anos está livre da perdição eterna, MAS NÃO POSSO DIZER QUE ESSE É O LIMITE, OU A IDADE MÍNIMA QUE AFINAL SOMENTE DEUS PODE CONHECER.


Um forte abraço irmã

Q Deus continue abençoando ricamente seu ministériro




Pr.Oldemar Dressler disse...

Em 1º Co 7/14 lemos que o conjuge não crente é santificado na santidade do outro para que seus filhos não sejam imundos; se os filhos dos não crentes são salvos esse versículo está incorreto?

Presbítero Maurício disse...

Caríssino irmão Joaquim José, expôs muito bem o tratado, quando nos faz trazer em memória a matança dos inocentes. Muito bem lembrado! Saudaçoes fraternas em Cristo.

Wilma Rejane disse...


Paz Divina, Pb Maurício!

Por duas vezes presenciei crianças possessas na igreja, neófita na fé, fiquei muito intrigada com o fato e perguntando a Deus: por que Senhor? Hoje já compreendo, que o fato de ser criança, não isenta de tais problemas. A família, a vida espiritual dos pais e a influência de todo o ambiente por vezes voltado a magia negra e toda sorte de abominações pode afetar diretamente a vida espiritual da criança.

Obrigada pela contribuição dos argumentos com base Bíblica, que muito enriquece a postagem.

Deus o abençoe.

Wilma Rejane disse...


Paz do Senhor, Erisvaldo!

Esse é um bom tema para estudo e despertamento dos adultos, para que se cumpra:

Pv 22.6 “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele.”

Obrigada,

Deus o abençoe.

Wilma Rejane disse...


Graça e paz irmão Joaquim Tinoco!

Eu nunca havia relacionado a passagem Bíblica da morte das crianças em Belém com a questão da idade limite para salvação:

" Herodes mandou matar todos os meninos que havia em Belém,de dois anos para baixo, segundo o tempo que diligentemente inquirira dos magos" Mt 2:16

Dois anos de idade não seria o tempo estipulado por coincidir com o nascimento de Jesus?

E essa coincidência, poderia ter sido preservada para que o fato provocasse morte e salvação e não perdição?

Embora ainda não tenhamos aqui uma base para afirmação segura sobre idade limite para salvação na infância, temos certamente uma idade referência em que todos são salvos ao morrer.

"Jamais a vinda do Senhor, iria ser motivo ou provocar a morte de pessoas perdidas e selar a oportunidade de salvação para elas, pois, foi exatamente para salvá-las que ele veio. Lc 9.56." Concordando com esse argumento Bíblico.

Muito obrigada pelo comentário, serás sempre bem vindo!

Deus o abençoe.

Wilma Rejane disse...


Graça e paz Pr.Oldemar!

I Cor 7:14 "Pois o marido descrente é santificado por meio da mulher, e a mulher descrente é santificada por meio do marido. Se assim não fosse, seus filhos seriam impuros, mas agora são santos."

Esse verso de modo algum anula ou cancela Romanos 2:10:16.

Pastor, com todo respeito e consideração e pautada na Palavra de Deus afirmo: salvação não é genético. Existe a promessa para que filhos de salvos sejam salvos também e tenham um lar santificado e resguardado pelo Senhor. Porém, essa benção e graça pode alcançar aqueles que não nasceram em um lar cristão, Jesus veio para estes, inclusive.

Posso citar um exemplo bem de perto: nasci em lar de não crentes e Jesus me salvou. A primeira vez que fui a igreja era escola Bíblica Dominical, aos 11 anos de idade e ali fiz a decisão de ir a frente na hora do apelo e aceitar Jesus como Salvador.

O mundo deu muitas voltas, com a família não crente, não pude continuar seguindo o Caminho, mas Jesus me resgatou na vida adulta e hoje já não sou a única da família a confessar a fé em Cristo.

Obrigada por comentar,

Deus o abençoe.

Sidney Reis disse...

EU CREIO QUE O AMOR DE CRISTO É FUNDAMENTAL NESSA QUESTÃO SE SEREMOS CADA UM JULGADOS PELAS NOSSAS OBRAS PELO QUE UMA CRIANÇA DE 5 OU SEIS ANOS VAI SER JULGADA, SE TEM NELA UM ESPÍRITO RUIM COMO ELA PODERIA SE PROTEGER SENDO TÃO NOVA E SEM CONHECIMENTO NECESSÁRIO PARA SE LIBERTAR SE NÃO FOR PELA GRAÇA DE CRISTO . O SENHOR JESUS CRISTO MORREU POR NÓS SE ELE SALVA UM ASSASSINO ARREPENDIDO PORQUE NÃO SALVARIA UMA CRIANÇA QUE NAO TEM ENTENDIMENTO TOTAL DO BEM E DO MAL!!

adalberto manoel de souza disse...

Até a criança se dará a conhecer pelas suas ações,se a sua obra for pura e reta. PROV.20.11

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...