Não aguento mais, estou pensando em desistir!

Nesta corrida da vida, sou eu contra mim mesmo, ou  me venço ou eu me perco




Wallace Sousa


Talvez você tenha pensado que esta seria uma palavra motivacional que traria um renovo às suas forças, todavia, não é bem assim, embora você possa vir a se sentir motivado ao lê-la. Esta pode ser uma palavra para você, mas é sobre mim.

desistindo desanimado e desiludido, já passei por isso, e mais de uma vez.

É sobre uma experiência que aconteceu comigo, há alguns anos, e quero compartilhar com você, e fazê-lo saber que sentir desânimo é muito mais comum do que se pensa. Todos entram em situações assim, de sentir-se, em algum momento, desanimados, mas, infelizmente, nem todos acham a saída. E é disso que quero falar: como saí e, quem sabe, isso pode lhe servir de norte e ajudá-lo a vencer o seu desânimo. Acredite: mesmo parecendo improvável, a vitória é possível.

A história é assim: após um período difícil em Natal/RN, onde morava, lá pelos idos longínquos do século passado (risos), quando amarguei um período de desemprego e desilusões, mudamo-nos para o interior do Mato Grosso, numa pequena cidade no coração da Amazônia Legal, de meros 6.000 habitantes. Toda mudança traz uma expectativa de melhora, de algo novo acontecendo, de mudança do quadro anterior, negativo, para um mais positivo.

Entretanto, essa expectativa não se confirmou. Sair de uma capital de estado, com população metropolitana de quase 800.000 habitantes para uma cidade pequena, encravada no meio de florestas, rios e fazendas de gado, não tinha de ser diferente, não é mesmo?

Pensando por esse lado, é o acontece, às vezes, conosco: saímos do lugar de conforto, apesar de o único conforto que temos é poder dizer que estamos ali, e, de repente, sermos lançados no turbilhão de mudanças involuntárias e traumáticas para nos vermos dizendo a nós mesmos – acabou, agora cheguei ao fim da linha, é o fim.

Nesses momentos de angústia, nas encruzilhadas que a vida nos leva, onde a opção é apenas ser mais um, aguardando uma mudança nos ventos, de contrários a favoráveis, que nunca chegam, é que vemos até onde conseguimos manter nossos valores, nossas convicções e perseverar em nossos objetivos.

No meu caso, apesar desse palavreado bonito do parágrafo anterior, sinto-me obrigado a confessar que, depois de uma espera que julgava interminável, cheguei ao ponto de dizer: “agora chega! cansei! vou jogar tudo pro alto e desistir… eu não suporto mais!”




Então, naquela casinha de madeira em que morava, ladeada por uma rua poeirenta e sem asfalto, dividindo o pequeno quarto com mais 2 irmãos, abri a janela que dava para a rua e comecei a me lamentar com Deus, expondo, do fundo do meu coração, as mágoas já tão enraizadas que me consumiam e ardiam dentro de mim. Falei tanta coisa, tanta que nem me lembro mais, mas o tema era recorrente: vi-me, novamente, a lançar-Lhe em rosto Suas promessas que nunca chegavam, que nunca aconteciam, que nunca se cumpriam.

Após vários minutos de discussão silenciosa, de um monólogo passivo, onde disse tudo o que estava em meu coração que, se fosse dito a um amigo comum, a amizade teria encontrado seu fim ali mesmo, terminei minha oração (oração ?) com uma frase meio que debochada e desacreditada: “bom, Jesus, eu falei tudo o que eu queria te falar, agora, se o Senhor tem alguma coisa que queira me falar, pode dizer. A tua Palavra tá aqui na minha mão (a Bíblia) e, se o Senhor quiser me dizer alguma coisa, estou aqui pra Te ouvir”.

Ridículo, não é mesmo? Um rapaz esclarecido, beirando os 30 anos, formado, no meio do nada, falando para um céu silencioso, tendo apenas por testemunhas as estrelas ou uma outra arara ou marreca-d’água que passava, voando e gritando, segurando um livro de capa preta na mão, apontando pro céu e bramando: Responda, Deus, se tiver coragem! Se fosse outro me contando isso, eu poderia muito bem dizer: “tá faltando um grau para o hospício e sobrando outro para a besteira“.

Então, como quem não quer nada, abri a esmo o livro da capa preta, para achar, entre as folhas brancas, salpicadas de uma negra tinta, as seguintes palavras, que caíram como uma bomba em meu já despedaçado ânimo infantil:

    Pôr-me-ei na minha torre de vigia, colocar-me-ei sobre a fortaleza e vigiarei para ver o que Deus me dirá e que resposta eu terei à minha queixa. O SENHOR me respondeu e disse: Escreve a visão, grava-a sobre tábuas, para que a possa ler até quem passa correndo. Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará. Habacuque 2. 1-3

Bem, depois dessa, fiquei sem palavras… não sabia mais o que dizer, sinceramente. A única coisa que consegui balbuciar foi: “bem, entendi o que o Senhor quer de mim, mas eu não tenho mais forças para seguir em frente. Só se o Senhor mesmo renovar minhas forças, senão eu não vou conseguir”. Já era tarde, acho que passava da meia-noite, e fui dormir.

E sonhei…


O sonho foi, mais ou menos, já faz tempo (2001), assim:

Eu me vi em uma corrida de motocross, em um circuito oval. Eu já estava concluindo o circuito, ou seja, era a última volta e, numa curva, vi 3 pessoas olhando agressivamente para mim, e disseram uns aos outros: “ele vai conseguir, temos que impedi-lo!”. Então notei que 2 deles saíram dali e, quase que imediatamente, surgiram 2 motoqueiros na pista, por uma entrada lateral. Esse 2 motoqueiros se postaram junto a mim, um de cada lado, e me forçaram a ir por um determinado trecho da pista que era muito ruim, com obstáculos estilo “costelas-de-vaca“, que são ondulações nas estradas de terra, muito chatas para quem viaja de carro ou de moto. Confira na imagem abaixo:





Bom, você já deve estar imaginando como foi “trepidante” essa parte do sonho… O negócio foi tão violento, porque as costelas deviam ser de elefantes, e não de vacas, que, após sair desse trecho, que acabava a apenas alguns metros antes da linha de chegada, caí exausto da moto. Simplesmente despenquei no chão, totalmente vendido, vencido e vulnerável, sem ânimo nem pra piscar que fosse.

Então, aproxima-se de mim um fiscal de prova (assim me parecia, quase como um anjo), e me pergunta o que eu estava fazendo ali no chão, deitado, próximo da chegada. Revoltadíssimo da silva, eu perguntei pra ele: “mas, você não viu o que eles fizeram comigo?”. Ele nada respondeu, apenas olhou para a frente, para a linha de chegada, alguns metros adiante de mim e, com o olhar, me disse: “não importa, o que interessa é você chegar até o fim; avance, falta pouco para chegar ao fim”. Interessante como um olhar pode nos animar, não é mesmo?

Não me restando outra alternativa, arrastei-me alguns metros, literalmente esgotado e, com a ponta dos dedos, toquei na linha de chegada. É só até onde me lembro do sonho, e também é o que vale a pena ser lembrado.

Ao acordar, pela manhã, desempregado, desiludido, desesperançado e endividado, percebi que não havia outra alternativa: deveria avançar, independentemente do que ocorreu ou do que ficou para trás. Você já se sentiu assim também, desanimado pelas circunstâncias, pelas traições, pelo passado? Sim, eu sei, é difícil… e as lágrimas, quentes, que rolam pela face, não nos deixam esquecer isso facilmente. Mas, avance. Siga em frente. A chegada é logo ali.

Sabe, uma coisa que me deixou encucado: eu estava em uma corrida que não havia outros competidores. Era apenas eu correndo contra mim mesmo. E é assim na vida: seja em concursos, seja em outras áreas, concorremos conosco mesmos. Se avançamos, vencemos nossos limites. Se desistimos, perdemos para nós mesmos. Nesta corrida da vida, somos eu contra mim mesmo, ou eu me venço ou eu me perco.

Levantei e fui ler a Bíblia, na leitura devocional matinal. Sabe qual era a leitura programada do dia?

    Por que, pois, dizes, ó Jacó, e falas, ó Israel: O meu caminho está encoberto ao SENHOR, e o meu direito passa despercebido ao meu Deus?

    Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não se pode esquadrinhar o seu entendimento.

    Faz forte ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor. Os jovens se cansam e se fatigam, e os moços de exaustos caem, mas os que esperam no SENHOR renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam. Isaías 40.27 a 31

Não desista. Os anos que morei naquela casinha de madeira ajudaram a moldar meu caráter e foram importantes para me capacitar para estar onde estou hoje, em um dos melhores órgãos do país, na capital federal.

É o que sempre costumo dizer: se eu consigo, qualquer um consegue, se não desistir.

Deus te abençoe.

Wallace Sousa é colaborador do Tenda, escreve Aqui

7 comentários:

Mateus Emilio Mazzochi disse...

Paz do Senhor irmão Wallace. sua história além de inspiradora, é muitíssimo parecida com a minha. Escrevi sobre a minha em meu blog também. O interessante é que, hoje, mesmo eu já tendo passado pelo vale mais profundo, continuo na beirada quase chegando na planície, mas ainda estou lutando. Desânimo? Por muitas vezes senti. Mas o que dizer, estou nas mãos de Deus. Relatos como este seu, noa ajudam sim, a olhar um pouco mais adiante e seguir confiantemente. Deus te abençoe.

Wallace Sousa disse...

amém, amado.

só o Senhor mesmo para nos levantar e nos fazer vencedores.

sucesso.

abs, apz.

VOLTEMOS ÀS RAÍZES disse...

Mensagem edificante, irmã wilma que a potente mão do Senhor esteja contigo !!!

Miranda's bolsas artesanais & cia disse...

Olá! venho através desta, me derramando em lágrimas ( aquelas salgadas que rolam em nossa face que vc cita )dizer mto obrigada pelas palavras, tb me mudei pro MT , tenho sonho de passar num concurso, estou extremamente endividada e muitíssimo DESANIMADA.Não tenho forças nem pra pedir forças, é como se Ele não me ouvisse mais.Sinto um alento em meu peito e a extrema vontade de dizer POR FAVOR ME AJUDE SENHOR !!! Mais uma vez obrigada e que Deus continue te abençoando.

Wallace Sousa disse...

Deus abençoe sua vida, irmã.

Grande abraço.

Wallace.

Carlos Rodrigues De Sousa disse...

Obrigado irmãos hoje vivo esse momento de lutas mas vcs juntos com o irmão Wallace e a palavra de Deus me animaram paz.orem por min e minha esposa!

Carlos Rodrigues De Sousa disse...

Obrigado irmãos hoje vivo esse momento de lutas mas vcs juntos com o irmão Wallace e a palavra de Deus me animaram paz.orem por min e minha esposa!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...