O Refrigério do Falar em Línguas



Wilma Rejane

Obs: Este artigo foi atualizado e republicado com outro título para melhor compreensão sobre o assunto. Você pode ler o artigo mais completo Aqui

"Guia-me mansamente as àguas tranquilas" Sl 23:2

O fenômeno ocorrido no dia de Pentecostes, em 33 d.C.quando os apóstolos e outros discípulos receberam do derramamento do Espírito Santo, com a evidência do falar em línguas, ainda hoje é motivo de controvérsias. A Igreja cresceu se expandiu para fora dos limites de Jerusalém e atualmente o dom de Línguas é também propagado por outras religiões, gerando assim dúvidas, mitos, exaltação e rejeição por parte dos crentes.

O objetivo desse artigo é tão somente, através do confronto com as Escrituras, reafirmar a importância desse dom, por muitos, considerado inútil. O apóstolo Paulo, em exortação a Igreja de Coríntios diz: “Está escrito na lei: por gente doutras línguas e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim não me ouvirão, diz o Senhor”. A passagem do Antigo Testamento a que Paulo se refere, está no livro do profeta Isaías: “Assim por lábios estranhos, e por outra língua, falará a este povo. Ao qual disse: Este é o descanso, daí descanso ao cansado; e este é o refrigério; porém não quiseram ouvir” Is 28:11, 12.

Observem a continuação dos versos de Isaías: “Assim, pois, a Palavra do Senhor lhes será mandamento sobre mandamento, mandamento sobre mandamento, regra sobre regra, regra sobre regra, um pouco aqui, um pouco ali, para que vão, e caíam para trás, e se quebrantem e se enlacem, e sejam presos” Is 28: 13.

Deus proveu o dom de línguas, como um refrigério para a Igreja. Descanso, em grego é “menuchah”, se referindo a um lugar de descanso, sossego, refrigério, consolo, paz, silêncio e condição de repouso. É derivado de “nuach” um verbo que significa: descansar, acalmar, tranqüilizar, consolar. Partindo desse radical, podemos fazer uma releitura do Salmo 23: 2 da seguinte forma: “guia-me mansamente as águas de menuchah (as águas tranqüilas)”.

Foi espantoso para mim, interpretar Is 28:13. Ele diz que existe uma conseqüência para a negação do refrigério produzido pelo dom de línguas: ”viverão mandamentos sobre mandamentos, regras sobre regras e por fim, tornar-se-ão escravos do que acreditam ser o descanso”. Sabemos que em Cristo Jesus, recebemos a paz que excede todo entendimento. Somente Ele é capaz de promover a satisfação plena do homem , em todos os seus aspectos. No sacrifício da cruz, Ele proveu, remiu e perdoou aos contritos e arrependidos.

É fato, que a partir do novo nascimento, dispostos a enfrentarmos novidade de vida, nos lançamos em uma caminhada de renúncia. Não de segundos, mas enquanto vida tivermos. Nesse período, enfrentamos toda espécie de lutas. São alegrias, tristezas, facilidades e dificuldades. Muitos, são os que esfriam na fé, perdem o ânimo, caem, desistem, e sentindo-se fracassados, perdem a alegria da salvação. Isto é constatado no livro de Apocalipse. Quando Jesus se dirige as sete Igrejas. Podemos considerar uma lição viva, real, para as muitas denominações hoje:

  • Igreja de Éfeso: “lembra-te de onde caíste, e arrepende-te e praticas as primeiras obras” Ap 2:5.
  • Igreja de Pérgamos “Seguem a doutrina de Balãao” Ap 2:14
  • Igreja de Laodicéia: “Não és frio nem quente: quem dera fosses frio ou quente” Ap 3:15
Esmorecer na caminhada cristã é, portanto, uma realidade. O dom de línguas surge como um revestimento especial, dado por Deus, para fortalecer o crente. É uma habilidade sobrenatural que permite ao Espírito Santo se expressar diretamente através de nós. Ele fala o que precisa ser falado e que nós de maneira natural, não falaríamos. Isto produz paz, descanso.

Definições para “Dom de Línguas”:

1- A palavra grega traduzida como "línguas", nas Escrituras glossa normalmente se refere tanto a língua como um orgão físico ou a uma linguagem humana. A palavra pode ser usada em referência ao discurso de êxtase, mas essa utilização é completamente estranha ao Novo testamento.

2-Línguas em Atos 2 se refere às linguagens humanas (ou seja, conhecidas por aqueles que ouviram). As outras línguas "heterais glossais" do versículo 4, são as línguas dos partos, medos elamitas, mesopotâmicos e etc.

3- Atos 2:8 “como, pois, os ouvimos, cada um na sua própria língua em que somos nascidos”? Nesse versículo o termo grego é "dialektos", de onde vem a palavra em inglês "dialeto", que só pode significar linguagem.

Línguas Como Jargão:

Uma "onda" de erros tem se estabelecido nas igrejas (pentecostais, neopentecostais e católicas Romanas Carismáticas), de que o falar em línguas, é uma repetição de jargões. Chega-se ao absurdo de ensinar a falar línguas, algo totalmente antibíblico. O dom de línguas, conforme vimos, conduz a expressão sobrenatural de se falar um idioma. Uma língua que o crente jamais falaria por seus próprios méritos.

Línguas Como edificação:

“O que fala língua estranha edifica-se a si mesmo” I Cor 14:4

A palavra edificação é oikodomeo que se traduz por se “construir uma casa, tijolo a tijolo”. É como se ao falar em língua, estivéssemos erguendo um edifício, tijolo a tijolo. Construindo uma fortaleza para nossa vida cristã. Deus, além de nos conceder o menuchah (refrigério), concede conhecimento: “Porque o que fala em língua desconhecida não fala aos homens senão a Deus; porque ninguém o entende e em espírito fala em mistérios” I Cor 14:2.

Oração em Línguas X oração em Idioma Natural.

Primeiro de tudo, vale dizer que Deus ouve toda oração que é feita com fé. Pequena, grande, silenciosa... Ele escuta até mesmo pensamentos, realizando os desejos do intimo do coração. Deus, não faz acepção de pessoas. Porém, existe um revestimento especial advindo da oração em línguas. Ela produz crescimento pessoal, espiritual, refrigério diário: “Este é o descanso, daí descanso ao cansado; e este é o refrigério; porém não quiseram ouvir” Is 28:13.

O Medo de Falar em Línguas

Algumas denominações proíbem seus membros de buscar este dom, por acreditarem ser obra do diabo, por julgarem desnecessário, uma coisa do passado, histórica não mais disponível. Existem muitos mitos, envolvendo o tema. Contudo, escolho acreditar na Bíblia. Este dom é descrito tanto no Antigo como no Novo Testamento e tem sua utilidade, ainda que muitos não compreendam ou rejeitem.

Falar em línguas, não é entrar em êxtase, transe, mudar de aparência, tonalidade de voz, se isto acontecer é porque há algo errado. Também não é balbuciar palavras repetidas. É tão somente comunicar-se com Deus sob intercessão direta do Espírito Santo. É a boca falando o que está no mais profundo do ser, um lugar que somente Deus pode chegar: “porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus senão o Espírito de Deus” I Cor 2:11.

Cumprimento da Profecia

Marcos 16: 17: “E estes sinais seguirão os que crerem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas”.

Um só Batismo:

“Recebeste já o Espírito Santo quando crestes?” At. 19:2. Falar em línguas não significa ser mais espiritual, ter mais fé, ser especial. Nada disso. Muitos cristãos sinceros e admiráveis podem não possuir este dom. “Há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. Há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos” I Cor 12: 4,6. Alguém pode não falar em línguas e possuir outros dons, úteis para o ministério.

Línguas na adoração

Encontrei muitas dificuldades para compreender o emprego correto do dom de línguas. Comecei minha vida cristã em uma pequena congregação Batista tradicional, recebi o revestimento do dom de línguas em casa, enquanto orava. Tinha acabado de ler o livro de Atos e estava transbordando de alegria pela formosura do Senhor, pelo chamado missionário de Paulo e as conversões. Radiante, contei para o meu pastor a boa notícia e voltei por demais decepcionada para casa: “Wilma, qualquer pessoa pode falar em línguas, isto não quer dizer nada, é como um teatro” e daí ele começou a pronunciar palavras repetidas, enquanto eu reprimia meu choro. Não quis mais ficar naquela igreja, mesmo porque o assunto se espalhou e as irmãs me viam como um escândalo. Contudo, mantenho amizade com todos eles, até hoje, mesmo morando distante.

Fui para uma igreja pentecostal e tive decepções ainda maiores: A desordem nos cultos me incomodava. O pastor ordenava “Falem em línguas, profetizem”! Também não era ali o meu lugar. Sofri e no secreto falava com Deus: “Senhor sei que tudo que vem de Ti é precioso, se este dom for para o meu bem deixa-me com ele, se não retira-o”. O Senhor não retirou, e testifico quão maravilhoso é dialogar com Deus dessa forma.

Hoje congrego em uma Igreja Batista Tradicional e em secreto adoro o Senhor cantando em línguas, bendizendo o Seu Santo Nome. Quando me faltam palavras no idioma português para dialogar com Deus, o Espírito Santo provêm o sobrenatural, elevado, acima.

Nada é Superior ao Amor

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse o amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine” I Cor 13:1.

O exercício dos dons, concedidos por Deus, não se igualam ao supremo dom de amar. Este é simples, como a vinda do Messias, nascido na pequenina Belém, acolhido em uma manjedoura. O amor, não se exalta, ensoberbece, não menospreza, humilha, apenas ama, sem pedir nada em troca. É algo difícil de realizarmos, mas em Cristo, temos a capacitação. Mesmo falhando, por sermos limitados, mas quem ama a Deus se esforça por revelar Seu amor aos homens.

Edificados Por Deus, Capacitados a Amar.

Dizer que orar em línguas é desnecessário porque não edifica a Igreja, é interpretar erradamente as Escrituras. “O que ora edifica a si mesmo”. Irmãos que crescem no conhecimento, ajudam outros irmãos. Que bom seria se todos pudessem orar em línguas! Se todos compreendessem o que Deus tem a nos oferecer através desse maravilhoso dom! Um “tijolo” firmado corretamente sustenta outros, não? Mas um “tijolo” fora do prumo, põe em risco todo o muro.

Espero em Cristo Jesus, poder ter contribuído para um maior entendimento do exercício do dom de línguas. E que o Espírito Santo conceda-nos discernimento para cumprir a vontade de Deus para a Igreja.


6 comentários:

Jesus Cristo o Filho de Deus disse...

Esta mensagem meus irmãos tem uma profundidade maravilhosa. Eu me lembro no tempo em que comecei a falar em línguas, e o interessante é que quando eu comecei este ministério, eu não conseguia ouvir eu mesmo falando em línguas, era como que eu ouvisse na minha própria língua (português) e não sabia que estava falando em mistérios, só as pessoas que estavam ao meu redor que ouviam eu falando em línguas espirituais, foi somente depois de um tempo que eu percebi falando em mistério. Louvado é o nome do Senhor Jesus.

walace.alves10 disse...

Queria receber uma direção da sua parte sobre este tema.
Se possivel meu e-mail é walace.alves10@hotmail.com.
Que Deus te abençoe + e +.

Talita Mendes disse...

depois q conheci, por um ''acaso'', acaso não, por impulsionamento de Deus para minha vida, paseei a ler diariamente o A Tenda na Rocha, e passei a me edificar mais na palavra de Deus... esse blog é uma bênção; e é icrivel como os textos sempre tem a ver com algo q estou passando em minha vida, como se fosse Deus falando a mim de forma mais explicada... esse blog foi um proposito de Deus para alcanssar mtas vidas através do esclarecimento sa palavra de Deus. eeu aprovo e recomendo a todos os meus amigos e conhecidos sobr o a tenda na rocha para q eles tbm conhessam mais profundamente o Senhor assim como eu estou conhecendo esse Deus tão maravilhoso e lindo! obrigada Tenda, por exitir, Deus seje com vcs do Tenda SEMPRE!!!! ♥

Wilma Rejane disse...

Oi Talita!

Muito obrigada por recomendar o blog a seus amigos e conhecidos. Também por compartilhar da benção que esse trabalho tem sido em sua vida.

Depoimentos como esse nos animam a prosseguir, testificam de que Deus trabalha através da simplicidade.

Obrigada mais uma vez, querida irmã.

Deus a abençoe.

paulo fernando disse...

Dou graças ao Senhor por ter-me dado exatamente o que a irmã recebeu.

Assim, fui ao meu pastor dizer que havia recebido este dom quando tinha uma vontade enorme de orar, quando saí de uma reunião de oração.
Ninguém há de roubar aquilo que Deus nos dá.
Paulo Fernando Medeiros

Elias Lemes disse...

O Dom de falar em linguas é biblico, nos da Congregação Cristã no Brasil, exortamos a irmandade a buscar sempre esse Dom, é um sinal de que Deus esta conosco, temos culto com buscas de Dons ou ate mesmo nos cultos Deus sela alguns com esse Dom, apesar de estar cada vez mais difícil, porque o amor de muitos esta esfriando e é preciso muita consagração a Deus e muitas orações, recebi este selo 6 meses apos meu batismo e até hoje graças a Deus sinto em mim nas visitações do Senhor, Deus Seja Louvado , Amém

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...