UD 3191 - Deus é Fiel



Por João Cruzué

UD 3191. Esta, era a placa de nosso carro, um Chevette Hatch cinza, ano 80, comprado em 87 e vendido em 2002 pela "fortuna" de R$ 200,00. Se você precisa ouvir a voz de Deus, eu creio que este texto, que é parte do meu testemunho, possa lhe mostrar que o Senhor é bom e este vale um dia vai paasa, da mesma forma que passou para minha esposa e eu.

Em 1987, em São Paulo, minha esposa vendia bordados de Ibitinga, cidade do interior paulista, próxima de Araraquara, famosa pelas colchas, toalhas, lençóis e outros bordados. Ela precisava de um carro para realizar suas vendas de porta em porta, então, começamos a procurar.

Alguns dias d
epois achamos um bonito Chevette Hatch pelo preço Cz$ 4.100.000,00. Havia tantos zeros na moeda que não mais me recordo se eram milhões de cruzados ou de cruzados novos. Na mesma época, o Presidente José Sarney começava seu discurso assim: "Brasileiras e Brasileiros..." E, quando ele fazia este discurso em rede nacional, todo mundo saía correndo para os postos, porque a gasolina ia subir de preço.

Como já antes testemunhei, de agosto de 1992 até julho de 2003, fiquei desempregado e minha casa e eu passamos por muitas provações. Naquele período, devo ter enviado mais de 500 currículos e participado de dezenas de entrevistas cujo resultado eram apenas portas fechadas.

Daí, procuramos nos virar das mais diversas maneiras possíveis e decentes, à medida que as oportunidades iam aparecendo. Em 1995, abrimos um comércio ( em tempo errado) que depois não deu certo. Trinta mil de prejuízos. Também plantei tomates e depois mandiocas no sítio dos meus pais no Estado das Gerais - para não ficar ocioso.

Ajudei minha esposa a reunir pessoas para fazer excursões compras"bate e volta" no Paraguai; naquelas viagens, poderíamos ter feito muito din
heiro "trazendo" uisque, mas nunca o fizemos porque tínhamos temor de Deus. Depois, ganhamos nosso pão ornamentando eventos. Não posso esquecer de mencionar outra atividade bem conhecida: vendedor de planos de saúde da Unimed Paulistana, em cuja atividade o Senhor me ajudou a ser mais otimista. Eram muitas as aflições, mas mesma forma muitas orações.


Nosso carro era assim
Fomos dezenas de vezes com ele na "Feira de Flores" que acontece nas madrugadas de terça e de sexta-feira, no Ceasa de São Paulo, na Marginal do Rio Pinheiros, perto do "Cebolão". Ao dobrar o banco traseiro, cabia muita coisa no Chevette Hatch. Por exemplo: rosas vermelhas: "dalas" e "vegas"; rosas champangne: "oceânias" e "versilhas"; os crisântemos "margarida" e "polar"; lisiantos brancos e lilazes, tuyas, maços de gipsófila, samambaias paulistinhas, smylacs, heras, tangos, caixas de espumas florais, orquídeas, lírios para buquês, cestas, argila, etc.

O horário era muito cedo. Íamos às 2:00h da manhã. Hoje, apesar de não mais estarmos no ramo de ornamentações, ainda gosto de ir ao Ceasa, acompanhando minha esposa na compra de flores para alguns aniversários de pessoas da Igreja.


De 1992 até 2002, nosso carro não foi licenciado. Com os recursos sempre lá embaixo, lembro-me do dia que orei ao Senhor mais ou menos assim: "Pai, eu preciso de ajuda. Vou usar nosso dinheiro para apenas suprir nossas necessidades básicas. Gostaria que o Senhor cuidasse de nós neste aspecto, porque o dinheiro do licenciamento vai nos fazer falta .

E, de 1992 até 2001 ele ficou mesmo sem licenciar, e nunca fomos abordados, em nenhuma blitz, em nossos caminhos para levar nossas filhas, todo dia, para suas escolas em Santo Amaro, para ir aos cultos na Igreja, para comprar roupas no Largo do Cambuci de vez em quando, mas só andávamos na dentro da cidade de São Paulo.


Um belo dia, eu precisei ir até a Vila dos Remédios, para buscar um arco de ornamentação, coisa muito grande, usada em decorações. Antes de sair de casa, eu orei: Senhor, a Vila dos Remédios fica muito longe... Nosso carro ainda está com placas amarelas ( as placas antigas com duas letras ). Vou pedir a sua bênção para ir e voltar em paz. À noite darei um oferta de agradecimento.

Na Avenida João Dias, depois do antigo Banco Bamerindus, hoje HSBC, eu dobrei à direita. Sabe o que estava lá na frente? Um guarda de trânsito! Voltar eu não podia; correr não ia dar certo. Vi um motorista parado em frente ao guarda, então tive uma idéia: também parei ao lado do guarda e perguntei: Seu guarda, como faço para pegar a Marginal por aqui? E ele, muito gentil e prestativo ensinou: vai em frente, dobra para a direita depois faça assim e assim... Foi dessa forma, passei com
 um carro velho, com placas amarelas (proibidas) na frente do guarda.

Fui à Vila dos Remédios, coloquei um arco com duas colunas enormes dentro do chevette - não sei como. 
Quem já viu sabe: era muito volume, mas aquilo tudo,coube . Voltei em paz, feliz da vida e cumpri meu voto.



wallpaper

O Senhor é fiel - sempre. Comigo e com você.

O carro foi se deteriorando. A medida que a "grana" ia ficando muito curta, a ferrugem foi aumentando e comendo tudo. Toda semana era um litro de óleo. As velas, as pastilhas de freio, sangrias, eu mesmo colocava e regulava. Fiquei muito entendido em mecânica de chevettes... Chegou um tempo, que até o vidro da porta era escorado com um ripa.

O escapamento estava estragado, e, quando minha esposa saía da garagem acelerando, o ronco era ensurdecedor. Em dezembro de 1994 fomos cuidar de nossa primeira congregação - a Assembléia de Deus do Parque Santo Antônio. Nosso carro era o mais feio de todos. Não sei se tinha a ver conosco, mas certa vez ouvi meu supervisor pregando e comentando a respeito de certos irmãos que já se sabia que estavam chegando na igreja, só pelo barulho do carro.


E, nós continuávamos esperando com paciência pelas bênçãos que custavam a chegar.Fala-se muitas coisas boas em cima de um púlpito, mas também a gente ouve algumas palavras que fazem murchar a esperança em nosso coração. Do tipo: Olha, irmãos, é muito estranho o crente passar anos e anos debaixo da luta sem ser abençoado...será que é pecado ou conformismo? Infelizmente de vez em quando ouvíamos isso e acho que sempre haverá alguém se prestando ao papel de (mui) amigos de Jó.

Não poderia deixar de contar o que aconteceu , em certo ano, próximo do Natal, quando minha esposa e eu voltávamos do Largo do Cambuci, com o carro cheio de roupas para revender. Quando descíamos a Avenida Rebouças, tinha centenas de motoboys fechando a via contrária solídários com um colega que tinha sido atropelado.

Nós estávamos descendo, no sentido contrário, também com um engarrafamento horroroso. O motor do carro foi esquentando, esquentando, até que morreu. Desci e o empurrei por quase um quilômetro, tentando fazê-lo pegar no tranco. Passamos no meio de uma dezena de guardas de trânsito, atônitos e concentrados apenas nas duas centenas de motoqueiros que aceleravam e buzinavam com suas motos fazendo um som infernal.

Para chegar em casa, gastamos bastante. A compra de uma bobina - que não era a causa do problema. E o custo do socorro de um eletrecista.o defeito era no cabo do polo negativo da bateria que não dava mais terra com a carcaça do chevete.


E por fim, pasmem! O velho chevette caindo aos pedaços foi roubado. E achado, uma semana depois na subida da curva da Figueira Grande, na Estrada do M'Boi Mirim. Aí, fizemos um B.O. Sei lá, poderia algum crime ter sido praticado e achamos por bem nos precaver. Passou uma semana, como ninguém mexeu no carro nem puseram fogo nele, fomos lá, pusemos gasolina e uma bateria ( a única coisa que levaram ) e o trouxemos de volta . Ainda nos serviu por quase de um ano buscando flores do Ceasa e carregando os equipamentos de decoração.

Você já pensou que até um carro no mais completo "bagaço" possa ser roubado? Pois foi! E, devido as fortes aceleradas dadas pelos ladrões o motor que já era cansado, foi batendo mais forte as válvulas até quebrar de vez. Ficou parado na rua, em frente a nossa casa, alguns meses. Até que um sitiante apareceu oferecend0 R$100,00. E acabou levando por R$200,00.

Em julho de 2003, depois de onze anos sem um sustento fixo, o Senhor me deu uma oportunidade de ser contador em cargo de emergência num grande Hospital público do Município de São Paulo. Depois veio o concurso e passei . Estávamos sem carro há um ano e meio. Minha Esposa, com e maiúsculo mesmo, também tinha conseguido uma oportunidade como professora substituta em uma escola estadual.

Em janeiro de 2004, seis meses depois, o Senhor nos concedeu a oportunidade de comprar nosso primeiro carro 0km, um Celta 2004 - DMJ 8496 . Ficamos com ele pagando prestações até outubro - 2006. Na terceira semana de outubro/06, nós o trocamos por um Corsa também novinho em folha , DSM 9976. Sem dívidas.
.

wallpaper de João Cruzué


Procurando ser fiel no pouco a cada ano, o Senhor está nos concedendo bênçãos sempre maiores, as quais não podería deixar de contar de jeito nenhum.

Se você estiver nadando em águas de bênçãos, este testemunho talvez não vá acrescentar muito a sua vida espiritual. Contudo, se o seu caso é análogo - não apenas a automóveis - mas também a outras coisas, posso assegurar que o Senhor a(o) ama do mesmo jeito, que no tempo das vacas magras ele está presente na sua vida. Atrás de toda crise, tem algo novo de Deus que você vai saber. O Senhor está lhe amadurecendo para depois lhe revelar.

No meu caso foi algo bem longe das minhas cogitações. Nos três últimos anos antes da minha grande bênção, recebi uma carta de um presidiário. Era a resposta de um folheto carimbado e distribuído seis anos antes. O Senhor me mostrou uma missão: a de coletar e enviar literatura cristã, pelo correio, para grupos de presos crentes nas penitenciárias do interior paulista, depois das grandes rebeliões de fevereiro de 2001. Em são juízo eu nunca teria feito aquilo, mas era a vontade do Senhor para mim.

O Espírito Santo fez arder meu coração com a lembrança de Eclesiastes 11: 1 "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás". Como resultado, tenho guardado comigo mais de 500 cartas do cárcere. Através delas descobri grupos de cristãos atuando em 48 penitenciárias paulistas.

As igrejas da região nos doaram em quase três anos, mais de meia tonelada de Revistas de Escola Dominical usadas, afora bíblias que também ganhamos e compramos. De 32 caixas de literatura que seguiram, somente uma retornou. Aprendi que nos presídios do interior de São Paulo existem mais de 400 grupos com necessidade de literatura.

Para nós foi uma experiência riquíssima. Se o Senhor não tivesse me ajudado a ocupar meu tempo com aquela missão, não teria suportado a luta contra o desemprego e o abandono dos colegas de ministério.


Se o Senhor tem algo especial para sua vida quando for o tempo, o Espírito Santo também vai dizer no seu coração o que é. Deus não vai dizer através de profetas nem de profecias. Ele vai falar como um voz dentro do seu coração. Seus olhos vão molhar, você vai se alegrar, você vai ter certeza de que é Deus. Depois disso, as pessoas ao seu redor e até mesmo da sua Igreja vão dizer que você está doida(o), que é perigoso, que você está exagerando. Foi assim comigo. Fiquei apaixonado por aquilo que fazia. A voz do Espírito Santo é inconfundível, ela não deixa dúvidas.
Ao seu tempo suas bênçãos vão chegar. Mas guarde bem no seu coração: diante de grandes provações, você não pode ficar de braços cruzados. Nem na esfera material nem na espiritual - as duas fazem parte do seu processo de amadurecimento em Cristo. Lembre-se depois de tão somente agradecer ao Senhor como sempre estou fazendo publicamente.

Ao Senhor Jesus toda glória! Sua vitória já está com Ele.


Se este testemunho foi importante para sua vida, escreva para mim: cruzue@gmail.com..

João Cruzué edita o blog Olhar Cristão e é colaborador do Tenda na Rocha

6 comentários:

Celso Silva disse...

Lindo testemunho... que Deus abençoe mais e mais a suas vida !!!

jozue disse...

Simplesmente sensacional, um verdadeiro aprendizado no que se refere a obediência, e esperar no tempo do Senhor.

Mente Virtual disse...

Nunca imaginamos o que Deus tem preparado para nós! A parte de passar pelo guarda fazendo uma pergunta foi sensacional! Deus nos dá sabedoria para agirmos em determinados momentos. Quando achamos que está tudo perdido, Deus mais uma vez nos surpreende e nos faz cada dia mais entender que ele é Deus verdadeiro. Deus abençoe sua vida Cruzue!

Bráulio Vinicius disse...

Uma história linda de um "José atual". Edificou minha fé!


Que Deus continue te abençoando meu irmão amado!

Evelyn disse...

Maravilhoso o seu testemunho. Edificante saber que o nosso Deus nunca nos abandona, mesmo quando assim o achamos.
Continue em frente, seu vida faz diferença no reino.

Sonho Arts disse...

Estou passando por uma crise financeira, mas creio a partir deste testemunho que Deus está trabalhando. Louvo a Deus por este testemunho pois edificou a minha fé. Deus abencoi. Diaconisa . Diana

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...