Transtorno de Personalidade Borderline - Uma visão cristã




Wilma Rejane

Me disponho a escrever sobre o tema, não como uma especialista na área, mas como alguém que convive de perto com um familiar diagnosticado recentemente como "Boderline". O diagnóstico, por mais estranho que tenha sido, trouxe certo conforto a família, pois, parecia inexplicável o fato de alguém,  educado com esmero e muito amor, em uma família cristã, acumular um histórico tão instável de relacionamentos e perdas graves ao longo de uma jovem vida: o que estaria errado? Enfim, uma resposta: "Transtorno de Personalidade Boderline". Significa que alguma coisa não funcionava bem no campo das emoções. E com toda esperança e certeza, afirmo : a medicina é uma forte aliada para cura do problema ou superação deste. É possível que um Boderline volte a ter uma vida normal . Pode parecer surreal alguém que vive pela fé em Cristo afirmar que a medicina é a saída para o fato aqui citado. Contudo, quero esclarecer alguns aspectos: 

I- Nada foge ao controle e conhecimento de Deus. (Salmo 139)
II- Muitas vezes não cabe a nós conhecermos os reais motivos das doenças que acometem a nós ou a nossos familiares (Deuteronômio 29:29)
III- Se o cristão recebe de bom grado  as promessas de salvação, também cabe receber de bom grado as tribulações, encontrando propósitos nelas. (Romanos 8:28)
IV- A cura, mesmo que seja por meio da medicina, também pode ser creditada a Deus que permitiu a esse paciente o acesso a um especialista e uma interação positiva aos medicamentos.(João 15:5)
V- Erra-se em afirmar que toda doença é resultado de atuação de espíritos malignos. Jesus, nos Evangelhos, deixou claro que algumas enfermidades acontecem para que através delas seja revelada a graça e a misericórdia Divina (João 9:3)
VI- Por tudo isto, Deus seja louvado, pois, nenhum homem é capaz de decifrar, conhecer, todos os propósitos de Deus. Contudo, a todo homem está disponível o amor e a Graça revelada em Cristo Jesus. Eis o maior presente, conforto, esperança e certeza.(Mateus 5:4)

Após essas considerações, exponho o que aprendi sobre Boderline através de leituras e - como já disse anteriormente- por convívio direto com alguém assim diagnosticado e que atualmente apresenta uma melhora considerável! Cremos, em Deus, que esse diagnóstico ficará para trás, em um passado distante, apagado por uma nova história de milagre, onde o amor inigualável de Deus atuou restaurando o ser, a vida. Aleluia!

O que é Boderline? Quais os sintomas?

É um Transtorno de personalidade, considerado grave, pois, afeta a vida a ponto de desestabilizar o convívio social. Uma pessoa Boderline vive no limite dos sentimentos. Boderline significa "na borda, no limite" Suspeita-se que esse transtorno seja muito antigo, porém, somente na década de 40/50 é que a medicina conseguiu se aproximar do diagnóstico  como ele é hoje. Antigamente- e ainda hoje- o transtorno se confunde com: bipolaridade, esquizofrenia, psicopatia e etc. Um bom especialista saberá distinguir. O Boderline sente ao extremo: ódio, amor, tristeza, alegria e assim sucessivamente. É uma pessoa intensa e instável, pois, muda seu estado em questão de minutos. por conta disso, costuma ter problema nos relacionamentos, tanto em termos de namoro e casamento, como em termos de trabalho e família de modo geral. É aquela pessoa taxada de : "geniosa, difícil". Na verdade, o Boderline é tudo isto, mas não se dá conta, sua visão da realidade é distorcida o que dificulta o aprendizado e a prevenção em cometer novos erros. 

Em 1994 o  Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais  – DSM apresentou a seguinte caracterização do transtorno de personalidade Borderline:

§ Área da afetividade: a) Sentimentos crônicos de vazio, b) Instabilidade afetiva devido a marcante reatividade do humor (p. ex. intensos episódios de disforia, irritabilidade ou ansiedade, que geralmente duram horas) c) Raiva intensa ou inapropriada, ou dificuldade em controlar a raiva (p. ex. freqüentes episódios de raiva descontrolada, brigas físicas recorrentes)

§ Área do comportamento e interação social: a) Um padrão de relações interpessoais intensas e instáveis, que se caracterizam por extremos de idealização e desvalorização, b) Esforços intensos para evitar o abandono real ou imaginário, c) Comportamento suicida recorrente, gestos, ameaças, ou comportamentos de automutilação, d) Impulsividade em pelo menos duas áreas que são auto lesivas (p. ex. gasto de dinheiro, sexo, abuso de drogas, dirigir sem cuidado, bulimia etc.)

§ Sintomas e vivências internas: a) Distúrbios da identidade: auto-imagem e/ou senso de si mesmo instável de forma intensa e persistente, b) Ideação paranóide transitória e relacionada a stress ou sintomas dissociativos graves.

Vale dizer que entre os Boderline, há os que se auto mutilam e os que nunca praticaram tais atos. Há os que tiveram os estudos interrompidos por não conseguirem conciliar suas emoções no convívio diário com outras pessoas (e  consigo mesmo) e pela desmotivação causada pela depressão. Porém, há Boderlines que não se mutilam e alcançam altos índices de desenvolvimento intelectual cursando graduação, pós graduação e tendo bons empregos. O campo intelectual parece correr por fora do campo emocional que sempre estará instável. O tratamento adequado cuidará de equilibrar as emoções.

Quais as causas? 

Não há consenso na medicina quanto a isso. Alguns estudos apontam para causas sociais de educação familiar, diga-se; conturbada, com histórico de abusos e maus tratos. Outros, contudo, afirmam que há uma origem congênita e de patológica cerebral. Sou adepta desta última corrente, pois, é prontamente possível encontrar boderline's oriundos de famílias bem estruturadas sem qualquer histórico de violência ou outros desajustes. Vale refletir: se o transtorno aflora com abusos e maus tratos, não significa dizer que já estaria lá, adormecido? É consenso que o Transtorno Boderline aflora na adolescência e estabiliza na fase adulta, se isto acontece, não seria um indicativo de que já estaria lá na infância? Porém, e também é consenso de que o diagnóstico na infância é inviável, pois, é uma fase de transição onde  tudo é naturalmente instável.

Diagnóstico e tratamento:

Cito aqui, e ainda que de modo raso, nove sintomas que são frequentes em pessoas Boderline's:

1- Medo do abandono
2- relacionamentos Instáveis
3- Auto estima baixa
4- Impulsividade
5-Oscilações emocionais extremas
6- Depressão
7- Raiva em excesso
8- Fora da realidade
9- Manipular pessoas

Geralmente, o Boderline chega ao consultório com um acervo negativo de perdas em todas as áreas da vida, mas o importante é querer ser ajudado, tomar consciência de que precisa se tratar. Como já foi falado anteriormente: o diagnóstico só é possível entre a adolescência e fase adulta. O tratamento é à base de medicamentos (que ajudam a controlar as emoções) e de psicoterapia que auxilia no auto conhecimento de si o que é muito eficaz.


A cura

É tão importante encontrar o diagnóstico dessa doença, diria que é vital, porque descortina-se uma série de desentendidos. O Boderline não é uma pessoa má, louca ou coisa parecida. É apenas alguém doente que necessita de tratamento.

Comentei com um psiquiatra: "É muito difícil conviver com um Boderline, a instabilidade emocional deixa tudo muito imprevisível". E ele retrucou: “ É difícil conviver com  um Boderline, porém, mais difícil é ele conviver com ele mesmo”. Por essas e outras, me certifico que a cura de alguém com Boderline, passa pela via do amor.

Deixo aqui minhas considerações sobre o tema com o anseio de que essas pessoas encontrem a cura, o mais breve, da melhor forma. E se você conhece alguém com as características aqui citadas, pare, pense: essa pessoa pode ser Boderline, precisa de tratamento, antes de ser tratada com ódio ou desprezo, será  necessário clamar a Deus para que revele a verdade.  Uma vez revelada, que todas as medidas médicas sejam tomadas. E que o amor de Deus nessa ocasião seja dádiva aplicável diariamente, para Sua glória.

Ao Boderline digo: não desanime, não desista do tratamento, a cura é possível. Prossiga, mesmo na fraqueza, na decepção, prossiga. Aos familiares de Boderline digo: paciência, amor,  e acima de tudo: se apoie em Deus, não busque soluções no passado, mas no hoje, dias melhores virão.


Deus nos abençoe.

Para saber mais sobre Transtorno de Personalidade Boderline, recomendo a excelente entrevista ao programa Sem Censura com a psicologa  Ana Beatriz Silva.



Fontes:

BEDANI. Ailton; artigo: Breve História dos Fronteiriços (PDF), acessado em 20/04/2016. link:http://www.org2.com.br/histborders.htm

3 comentários:

Flávio da Cunha Guimarães disse...

Olá irmã Wilma, que excelente post este sobre "Transtorno de Personalidade Boderline - Uma visão cristã". É muito esclarecedor e útil para leigo como eu e nossas ovelhas. A irmã poderia disponibilizar o mesmo para ser usado para com irmãos com as devidas citações de acordo com a ABNT?

Wilma Rejane disse...


Olá pastor Flávio,

Inicialmente agradeço pelo incentivo através dos comentários: muito obrigada!

Claro que disponibilizo! Imagino que alguém com esse Transtorno poderá ser incompreendido pela igreja, quando, na verdade, precisará de acolhimento (além de tratamento). Sábio é o pastor que não ignora os males que afligem a sociedade atual.

Deus o abençoe, a seu ministério, sua família, em Nome de Jesus.

Renata disse...

Nossa Graças a Deus pela sua vida!
Ate que em fim alguém para dizer que realmente as pessoas estão doentes,e precisa de cuidados médicos tbm!
Estou cansada de ouvir que tudo e opressão maligna! Certos casos sim, mas cabe uma pessoa preparada para dar diagnóstico.
E primeira vez q perto seu post, quem ler sempre e meu marido, ele deixou aberto e eu acabei lendo, Maravilha de explicação!
Que esse post chegue a todos os pastores para eles poderem cuidar melhor de suas ovelhas.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...